Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

segunda-feira, 15 de julho de 2013

ACIDENTES DE TRÂNSITO 61.000 PESSOAS E INCAPACITOU 352. 000 PESSOAS NO BRASIL EM 2012



De acordo com o Observatório Nacional de Segurança Viária essa calamidade denomina-se acidente de trânsito.
Isso mesmo!
Só em 2012 foram registradas 61 000 mortes em acidentes de trânsito no Brasil.
E das 508 000 indenizações do DPVAT (seguro obrigatório para Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores Terrestres) tem-se que 352 000 foram destinadas às vítimas com sequelas incapacitantes e permanentes.
Para que tenhamos uma ideia da ordem de grandeza desses números estarrecedores basta entender que a famosa gripe H1N1 levaria 527 anos para provocar o mesmo número de vítimas fatais.
E qual seria o principal fator causador de tantos acidentes no Brasil?
Problemas na pista? Falhas mecânicas? Problemas do clima?
De acordo com pesquisas, a principal causa é a imperícia ao volante, caracterizada principalmente por excesso de velocidade (que pode estar ligada ou não ao uso de bebidas alcóolicas) e outros desrespeitos às leis de trânsito e obviamente aos princípios do bom senso.
É claro que não precisamos consultar nenhuma estatística para confirmarmos esses dados. Basta trafegarmos pelas ruas de qualquer uma de nossas cidades e observarmos quantos motoristas respeitam, por exemplo, o limite de velocidade da pista.
Muitos reclamarão de que tal limite de velocidade é muito baixo, e que nesse mundo moderno tempo é dinheiro, e que existe uma indústria da multa, etc.
Já ouvi essas desculpas quando falei desse assunto em minhas aulas.
No entanto, se uma pessoa possuir o mínimo de educação científica e o mínimo de bom senso sempre respeitará as leis de trânsito.
Acidente de trânsito no Brasil mata mais que guerra
Por exemplo, certa pessoa se vangloriava de fazer em 50 minutos o trajeto de Curitiba até o litoral. Trecho que se gasta facilmente em duas horas.
Revoltado, ele perguntou por que da minha lerdeza de muitas pessoas no trânsito.
Eis a  resposta:
1. Estou saindo com a família para passear e não para participar de um Rally.
2. Não estão oferecendo nenhum prêmio para quem chegar ao litoral em tempo recorde.
3. Não faço questão de colecionar multas e nem cicatrizes.
4. A minha vida e minha integridade física (e a de todos que me cercam) vale mais que alguns arranhões na minha ficha de super-ultra-hiper-extraordinário-piloto-de-fim-de-semana.
Hoje esse mesmo colega me dá razão.
Porém foram precisos: algumas placas de platina na coluna, alguns dias na UTI e alguns anos numa cadeira de rodas.
Ninguém precisa aprender dessa forma tão cruel que as leis da Física não podem ser desrespeitadas impunemente. Basta atentar para esses fatos:
- Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo.
- Quanto maior for a velocidade de um corpo maior será sua energia cinética.
- Numa colisão a energia cinética é transformada principalmente em deformação (tanto do veículo quanto de seus ocupantes).
- Numa colisão envolvendo aço, plástico, osso e carne – o aço ganha sempre.
Isso me soa de uma obviedade…
Tirando o Facebook onde só existem pessoas maravilhosas, politicamente corretas e que sempre respeitam as leis, estou farto de ver todos os dias pessoas se portando no trânsito como se fossem selvagens.
Desde o desrespeito absurdo às regras da boa conduta – essa ética que deve premiar a verdadeira convivência humana, como, por exemplo, a de dar a vez às pessoas idosas e às crianças.
Alguns devem achar idiotice. Pois vejo todos os dias, pessoas bem vestidas, pilotando bólidos caríssimos avançando por sobre pedestres, buzinando, agredindo verbalmente, sejam velhos, mulheres ou crianças.
E sempre se justificando: Tem que “tacar” o carro em cima mesmo, pois o pedestre é muito mal educado.
Ou seja, como em toda selva vale a lei do mais forte e salve-se quem puder.
Será que ninguém pode ceder alguns segundos e franquear a passagem para o semelhante? Será?
O que ocorre com a mente e com o coração dessas pessoas, que basta segurar um volante que se transformam em homicidas em potencial?
Porém as leis da Física não podem ser desrespeitadas impunemente:
Quantos engavetamentos ocorrem simplesmente porque a maioria dos motoristas dirige praticamente colado no carro da frente. Contrário ao que reza a lei. Contrário a qualquer noção de bom senso. Por quê? Alguém pode me explicar isso?
Nas rodovias o quadro piora.
Todos andam a mil por hora, colados no carro da frente, para marcar pressão e força-lo a dar passagem. Tanto um quanto o outro travam uma queda de braço motorizada, onde buzinas e palavrões em mímicas fazem parte do belíssimo exemplo de estupidez que dão aos demais. Tudo isso, acima dos limites de velocidade da pista – para quê? Para chegar alguns minutos mais cedo no engarrafamento mais próximo?
Quando será que o povo brasileiro irão enxergar seus erros, falta de educação e ignorância?


Nenhum comentário:

Postar um comentário