Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quinta-feira, 28 de julho de 2011

TEMPESTADE "DON" PROVOCA ALERTA PREVENTIVO EM TRÊS ESTADOS MEXICANOS E NO TEXAS


Um alerta preventivo foi emitido para três estados do sudeste do México devido à formação quarta-feira, no Golfo do México, da tempestade tropical "Don", a quarta da temporada de ciclones deste ano na bacia do Atlântico.
O alerta vale para os estados de Quintana Roo, Campeche e Iucatã. Às 22h locais, "Don" era localizado 130 quilômetros ao norte de Rio Lagartos (Iucatã), informou o Serviço Meteorológico Nacional (SMN).
"Don" se desloca em direção noroeste a 19 km/h e apresenta ventos regulares de 65 km/h, com sequências de 85 km/h. Por enquanto, seu índice de periculosidade é "moderado".
O SMN prevê que "Don" aumentará sua força nas próximas horas e terá ventos de 75 km/h, com sequências de 95 km/h.
Área de abrangência de "Don" a 06 hs atrás
"Os ventos com intensidade de tempestade se estendem a 75 quilômetros desde seu centro. O sistema irá gerar elevação de ondas em frente à costa de Campeche, Iucatã e Quintana Roo, pelo que se recomenda às embarcações marítimas ter atenção nas imediações do sistema em decorrências de chuvas, vento e ondas", disse a fonte.
Campeche é um importante estado petroleiro em cujos mares estão instaladas plataformas petrolíferas.
Sul do Texas também em alerta.
Por volta das 8h (horário de Brasília), a tempestade, a quarta da atual temporada, estava a cerca de 875 quilômetros a leste-sudeste de Corpus Christi, Texas, e a 795 de Brownsville, também no Texas, segundo o último boletim do NHC.
Um alerta de tempestade tropical em vigor na costa do Texas foi ampliado para o sul, até a foz do rio Grande. A região em que a tempestade se desloca também abriga milhares de plataformas responsáveis por 29 por cento do petróleo e mais de 10 por cento do gás natural produzidos nos EUA.

FALTA POUCO PARA O BRASIL SER O PAÍS QUE MAIS CONSOME DEFENSIVOS AGRÍCOLAS NO MUNDO


O Brasil pode se tornar o maior mercado mundial de agrotóxicos ainda em 2011, com vendas superiores a US$ 8 bilhões. Com o bom desempenho das vendas do insumo no primeiro semestre e a forte alta nos preços das principais commodities, o setor reviu suas estimativas e espera um crescimento de até 10% na receita com as vendas.
Usam-se agrotóxicos em demasia!
Isso significa que o mercado pode crescer duas vezes mais do que se previa no início do ano. As projeções iniciais do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola (Sindag) indicavam uma expansão de 4,5%, ritmo compatível com o crescimento então esperado para a economia brasileira.
Nesse cenário, o país provavelmente continuaria em segundo lugar no ranking global. Mas Eduardo Daher, diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), que congrega apenas os grandes players globais, como Monsanto, Bayer, Basf, DuPont e Syngenta, não tem dúvidas.
"Se ainda não é, o Brasil será o maior mercado de agroquímicos do mundo até o fim de 2011", prevê.
Estima-se que mercado americano tenha movimentado US$ 7,8 bilhões em 2010. Segundo a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), esse número caiu 4,8% entre 1998, quando foi recorde, e 2007, último ano da série. Em 2010, as vendas no Brasil atingiram US$ 7,3 bilhões, com crescimento de 9%.
Os EUA cultivam uma área 50% maior e ostentam uma produção de grãos que supera em três vezes e meia a brasileira. Daher rejeita a comparação e o título de "campeão mundial no uso de agrotóxicos", associado ao uso indiscriminado desses produtos.
De posse de um estudo publicado recentemente pela consultoria Kleffmann, ele afirma que as vendas cresceram apenas 1,5% entre 2004 e 2009, quando analisada a receita por tonelada de alimento produzido.
Sob essa ótica, o consumo no Brasil teria crescido menos que em países como França (28,6%) e Japão (19,34%). Os americanos, em compensação, reduziram seu uso em 6% neste período, ainda de acordo com o critério adotado pela Kleffmann.
Agrotóxicos, Alimentos genéticamente modificados, tudo isto em nossas mesas.
Daher pondera que americanos estão bastante à frente no uso de sementes transgênicas que, em alguns casos, dispensam o uso de agrotóxicos. E observa que o Brasil, por suas características climáticas, tem uma maior propensão ao uso de agroquímicos. "O bônus de ser um país tropical é que você planta duas, até três safras por ano. O ônus é que você tem uma incidência muito maior de pragas".
"Só as vendas de fungicidas para combater a ferrugem asiática da soja, doença inexistente nas lavouras dos EUA, movimenta US$ 1 bilhão no Brasil", estima José Roberto Da Ros, presidente do Sindag.
A participação do fungicidas nesse mercado mais que dobrou desde 2004, quando a ferrugem da soja tornou-se um problema sério no Brasil. Não à toa, em 2010, mais de 44% das vendas foram destinadas ao trato da soja. O algodão, cuja área plantada cresceu mais de 60% na última safra, é a segunda lavoura mais importante, com 11% de participação na receita desta indústria. Segundo Daher, a expansão do algodão explica o crescimento de mais de 30% nas vendas de inseticidas neste ano.
Vamos combater esta praga!
Outro fator relevante é o aumento do poder de compra dos produtores, reflexo da alta das commodities e da redução nos preços de alguns defensivos. Em 2009, por exemplo, um sojicultor pagava o equivalente a 2,5 sacas do grão para cada cinco litros do herbicida glifosato, segundo dados do Instituto de Economia Agrícola de São Paulo (IEA). Em janeiro deste ano, gastava apenas uma.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

O SEMEADOR DE ESTRELA

Existem momentos em nossa vida que por mais que queiramos não conseguimos enxergar o óbvio.

O Semeador de Estrelas é uma estátua localizada em Kaunas, Lituânia.

  
Durante o dia passa desapercebida.
De dia sem sua característica!
Mas quando a noite chega a estátua justifica seu nome... 


Que possamos sempre ver além daquilo que 
está diante de nossos olhos, hoje e sempre.
Nota do Blog: Na verdade, as estrelas são um grafitti, arte urbana. A estátua originalmente chama-se apenas O Semeador, e retrata um fazendeiro.

Veja aqui um vídeo onde o artista planeja o que iria desenhar para compor algo interessante com a sombra da estátua. Vale a pena visitar o blog do artista, Morfai, que conta com arte de rua, arte convencional, wallpaper e muita coisa criativa.

ACORDO PARA CONTROLAR AS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA, NÃO ALCANÇA SUA META.


Um acordo climático global para substituir o Protocolo de Kyoto ainda é possível, mas não será alcançado neste ano, disse na quarta-feira o principal negociador neozelandês para essa questão.
Inevitavelmente, portanto, haverá uma lacuna depois que expirar a primeira etapa de Kyoto, em 2012, disse o ministro para Negociações da Mudança Climática, Tim Groser, em entrevista ao final de dois dias de discussões envolvendo 35 países em Auckland.
Divergências entre países ricos e pobres sobre como controlar as emissões de gases do efeito estufa geram um impasse na substituição do Protocolo de Kyoto, o atual tratado climático da ONU, que obriga cerca de 40 países industrializados a reduzirem suas emissões até 2012.
Há vários anos a ONU promove discussões para tentar prorrogar Kyoto a partir de 2013 ou definir um novo acordo que estipule metas de redução das emissões para grandes nações poluidoras hoje isentas de obrigações, especialmente China, Índia e EUA.
"É como a água gotejando em uma pedra", disse Groser sobre o ritmo lento das negociações. "Raramente há uma reunião crucial. Trata-se de uma lenta construção sobre uma base internacional."
Todos os principais países desenvolvidos e emergentes participaram da reunião em Auckland, com exceção da China. Groser disse não saber a razão dessa ausência.
Gases que provocam o efeito estufa
As discussões se voltaram para questões técnicas como a medição, notificação e verificação das emissões em cada país. Diversos países, particularmente os Estados Unidos, exigem um sistema transparente que demonstre se as nações estão ou não cumprindo suas metas.
No mês passado, houve avanços ao longo de duas semanas de negociações na Alemanha, mas ainda há uma lacuna entre países desenvolvidos e não-desenvolvidos a respeito de quem deve arcar com o maior ônus na redução das emissões.
Os países pobres alegam que a responsabilidade deve ser dos ricos, que causaram a maior parte do aquecimento global por virem queimando combustíveis fósseis desde a Revolução Industrial, no século 18.
Por outro lado, o rápido crescimento econômico dos emergentes também se reflete em grandes emissões de carbono, a ponto de a China já ter se tornado o maior poluidor mundial.
"Posso ver todo tipo de razão para (o acordo) não acontecer, mas posso ver um cenário em que aconteceria", disse Groser.
Ele opinou que seria um equívoco depositar expectativas de definição de um acordo nas grandes reuniões internacionais, como já aconteceu na reunião de Copenhague em 2009. O próximo grande evento desse tipo será no final deste ano em Durban, na África do Sul.
Nota do Blog: O calor excessivo causado pelo aquecimento global já está sendo sentido pelos seres humanos, veja, por exemplo, o que está ocorrendo nos Estados Unidos, e pelos animais que até morrem por causa de altas temperaturas, só que não são apenas animais que morrem por causa dessas temperaturas acima da média, alguns seres humanos que não suportam tanto calor também vem a morrer, por detrás desta onda de calor sempre vem as tempestades que também fazem suas vítimas, é por isso que esse problema do nosso Planeta deve ser resolvido o mais rápido possível.

TEMPESTADE NAS FILIPINAS DEIXA 25 PESSOAS SEM VIDA


A tempestade tropical Nock-Ten matou 25 pessoas ao atingir as áreas montanhosas no leste da principal ilha das Filipinas, Luzon, nesta quarta-feira, segundo autoridades de desastres e clima, antes de se afastar do norte da ilha.
O Nock-Ten, a décima tempestade a atingir o país do Sudeste Asiático este ano, poupou as principais províncias produtoras de arroz, causando apenas prejuízo mínimo aos arrozais e às áreas produtoras de coco ao atingir o continente na manhã desta quarta-feira.
Carro arrastado pelas enchentes em Daraga
"Esperamos mais chuvas na costa oeste do país porque a tempestade Nock-Ten intensificou a monção do sudoeste", disse Graciano Yumul, chefe do departamento estatal para o clima, em coletiva de imprensa.
Às 16h (5h, horário de Brasília), a tempestade Nock-Ten perdeu força apesar de ainda estar gerando ventos de 100 quilômetros por hora.
A previsão é de que a tempestade se desloque para o Mar do Sul da China mais tarde nesta quarta-feira, disse Yumul, acrescentando que os níveis de alerta foram reduzidos na capital.
Segundo Yumul, outras duas tempestades estavam se desenvolvendo no Pacífico e poderão afetar o país nos próximos dias.
Escolas e alguns escritórios do governo foram fechados nesta quarta-feira, mas voos domésticos para as regiões central e sul das Filipinas estavam operando normalmente após interrupções na terça-feira. O serviço de balsas ainda estava suspenso.
Segundo informações anteriores, 10 pessoas morreram em afogamentos, deslizamentos de terra e quedas de árvores provocados pelas chuvas.
Uma média de 20 tufões atingem as Filipinas a cada ano, matando pessoas, destruindo infraestrutura, propriedades e agricultura. A intensidade dos tufões tem aumentado nos últimos anos.
Fonte: Reuters