Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Empresas vão reduzir teor de sódio nos alimentos industrializados

Brasília – O Ministério da Saúde e a indústria de alimentos fecharam acordo para reduzir o teor de sódio em 16 categorias de alimentos processados, como massas instantâneas, pães e bisnagas, nos próximos quatro anos.
Ao diminuir a quantidade de sódio nos produtos alimentícios industrializados, a ideia é estimular o brasileiro a ingerir menos sal. O consumo excessivo está ligado ao aumento da incidência de doenças crônicas, como a hipertensão e problemas cardíacos. Os dados mais recentes mostram que o brasileiro consome, em média, 9,6 gramas de sal por dia, quase duas vezes mais que o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
O compromisso prevê uma redução gradual da taxa de sódio para ser cumprida até 2012 e, depois, intensificada nos dois anos seguintes. No caso das massas instantâneas, a meta é uma queda de 30% na quantidade de sódio em um ano, ou seja, limitada a 1,9 grama até 2012.
Nas bisnaguinhas, a meta é reduzir 10% do total de sódio: o limite será 531 miligramas, em 2012, e 430 miligramas, em 2014.
Em julho, o governo e as empresas voltam a se encontrar para definir o percentual de redução de sódio para o pão francês, bolos prontos, mistura para bolo, salgadinhos de milho e batatas fritas. Até o final do ano, será definido o teor máximo para biscoitos, embutidos, caldos, temperos, margarinas, maioneses, laticínios e refeições prontas.
 “A Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] vai acompanhar a execução desse acordo”, informou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), Edmundo Klotz, as empresas ainda estudam as alternativas que serão usadas para tirar o sódio dos produtos, mantendo o sabor e a cor. “Devem ter alterações [gosto], mas poderão ser imperceptíveis”, explicou.
Em novembro de 2010, a Anvisa constatou teores elevados de sódio em vários alimentos industrializados. O macarrão instantâneo apresentou a maior quantidade de sódio. Também aparecem na lista a batata palha e os refrigerantes light e diet à base de cola e guaraná.
 
Carolina Pimentel, da Agência Brasil
Fonte Yahoo: Lílian Beraldo

Nota do Blog: Demorou-se muito para tomar uma decisão como esta. E quanto ao alto teor de açúcar  nos alimentos? Bem que poderiam providenciar a diminuição dos mesmos, pois o diabetes também está a níveis preocupantes em nossa população.

6 comentários:

  1. Somos obrigados sim a ser médicos de nós mesmos! Penso que quase tudo que existe para ser ingerido, sejam alimentos ou remédios, devemos desconfiar das eficácias. A ganância sempre fala mais alto.

    ResponderExcluir
  2. Viva o MINOJO, o fastfood de final de noite, aquele pequeno sache de tempero pode matar qualquer pessoa hipertensa. Recomendo a todos um cálice de vinho do que um pacote de Minojo. rrrsrsrrsrsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkk. Gostei disto. Mas lí algo que achei importantíssimo. O sal sempre foi o vilão, mas já está sendo visto como nada ofensivo para o organismo, já q é eliminado quase que totalmente, através da urina. Na verdade é o sódio o único responsável pelas doenças atribuídas ao sal. Vale a pena pesquisar.

    ResponderExcluir
  4. É verdade o sal, não é o vilão. O que nos faz mal é o Sódio em demasia, e outros produtos como: conservantes, acidulantes, corantes e etc... Que vão se acumulando no organismo humano provocando doênças crônicas. Isto me faz lembrar das tintas com alto teor de chumbo, que eram usadas para pintar porcelanas, muito usadas nas mesas de nossas residências até os anos de 1980, que com o passar do tempo descobriu-se que a maioria das pessoas que faziam uso de tais porcelanas no seu dia a dia, estavam contaminadas com chumbo. Na verdade estão nos contaminando com produtos que à maioria da população nem sabe o nome e o pior nem o efeito colateral. Viva (menos) a geração Fastfood!!!.

    ResponderExcluir
  5. Estamos pagando um preço altíssimo com a industrialização inconsequente e abarrotados com informações que desvirtuam da verdade. Tentam colocar a culpa em produtos que sempre foram inocentes.

    ResponderExcluir
  6. Sódio em demasia, como qualquer outro componente químico, faz mal à saude. Na verdade a política dos alimentos tem que ser revista, pois tem muita porcaria misturada ao que se coloca na mesa da população mundial, porisso o alto índice de doênças crônicas. E ainda se fala em qualidade de vida, deveriam termos como o exemplo a nossa índia que tem mais de um século de vida, se alimenta de coisas naturais, não ingere comida ou bebida de "branco".

    ResponderExcluir