Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

domingo, 10 de abril de 2011

Animais sobrevivem à radiação na área de Chernobyl


A zona de exclusão ao redor da usina nuclear de Chernobyl transformou-se em um santuário ecológico, apesar de ser uma das áreas mais contaminadas do mundo.
Todas as pessoas saíram há 24 anos, deixando toda a área só para os animais, que se multiplicaram. Espécies que não eram vistas havia décadas, como o lince e a coruja gigante, começaram a retornar.
Até mesmo surpreendentes pegadas de ursos, animais que não eram vistos na Ucrânia havia séculos, foram encontradas na região. “Parece que os animais não sentem os efeitos da radiação e ocupam a área, independentemente dos níveis de radioatividade”, diz o ecologista Sergey Gaschak.
“Várias aves estão fazendo ninhos dentro do ´sarcófago´, diz ele, se referindo à estrutura de aço e concreto que foi construída ao redor do reator para conter a radiação, após a explosão em 1986. “Estorninhos, pombos, andorinhas, rabiruivos – eu vi ninhos e encontrei ovos dessas espécies.” Pode haver plutônio na região, mas não há pesticidas, indústrias ou tráfego. E os pântanos não estão mais sendo drenados.
Com exceção do reaparecimento do seu predador, o lobo, não há nada para perturbar a procriação do javali selvagem. A população do animal teria aumentado em oito vezes nos dois anos seguintes à explosão.
Impróprio para comer – A situação não foi assim tão rósea nas semanas seguintes ao acidente no reator de Chernobyl, quando os níveis de radiação eram muito mais elevados.
Quatro quilômetros da floresta de pinheiros vizinha à usina ganharam uma cor marrom-avermelhada, passando a ser conhecida como Floresta Vermelha.
Alguns animais nas áreas mais atingidas também morreram ou simplesmente pararam de se reproduzir. Embriões de ratos simplesmente se dissolveram, enquanto cavalos deixados em uma área de 6 quilômetros da usina morreram quando suas glândulas tireóides se desintegraram.
O gado, na mesma área, também foi fortemente afetado nas tireóides, mas a segunda geração desses animais nasceu surpreendentemente normal.
Ainda é comum para os animais ter níveis altos de radiação que impedem que a sua carne seja consumida. Mas no resto, eles são saudáveis.
Adaptação – Em Chernobyl, há uma distinção entre os animais que vivem em áreas limitadas, como ratos, e animais maiores, como alces, que entram e saem de áreas contaminadas.
Os animais que vivem em áreas maiores têm índices menores de contaminação do que aqueles que ficam mais próximos à usina. Mas há sinais de que as pobres criaturas afetadas pela radiação tenham desenvolvido uma notável capacidade de adaptação.
Sergey Gaschak fez experiências com ratos na Floresta Vermelha – que está voltando a crescer, ainda que com árvores deformadas.
“Marcamos animais e os recapturamos depois”, explica. “Constatamos que os animais da área estão vivendo tanto quanto os de áreas normais.”
O próximo passo foi levar ratos normais para a floresta e fechá-los na Floresta Vermelha. “Eles não se sentiram muito bem”, disse Gaschak. “A diferença entre os animais ´locais´ e os outros ficou bastante evidente”, diz.
Mutação – Em toda a sua pesquisa, Gaschak encontrou somente um rato com sintomas de câncer. Ele encontrou amplos sinais de mutações genéticas, mas nada que afetasse a fisiologia dos animais ou sua capacidade de se reproduzir. “Nenhum bicho de duas cabeças.”
Mary Mycio, autora de Wormwood Forest, uma história da área de Chernobyl, conta que um animal mutante na natureza normalmente morre e é devorado antes que cientistas possam encontrá-lo.
Em geral cientistas se preocupam mais com a população de uma espécie e não com animais específicos. Mas ela também argumenta que os benefícios de ter tirado a população da área superou muito qualquer problema criado pela radiação.
No seu livro, Mary Mycio cita o ambientalista James Lovelock, que escreveu para o jornal inglês The Daily Telegraph, em 2001, sobre a “inesperada evolução” da vida animal da região.
“Fico pensando que pequenos volumes de lixo nuclear vindos de usinas nucleares possam ser estocados em florestas tropicais e outros ecossistemas que precisem de uma vigilância contra a destruição de empreiteiros gananciosos”, ele disse.
Uma grande parte da região afetada pela radiação de Chernobyl, já na Bielo-Rússia, foi oficialmente transformada numa reserva natural.
Sergey Gaschak quer que a Ucrânia faça o mesmo e crie uma reserva nos 2,5 mil km² vizinhos à região. Ao contrário do Partido Verde Ucraniano, Gaschak não se incomoda se o governo levar adiante seus planos de construir um depósito profundo de lixo nuclear na área, com detritos de usinas de todo o país. Ele acredita que a coruja gigante não vai se importar.

Fonte: (BBC Brasil/ Estadão Online)

2 comentários:

  1. Parece que a mãe TERRA sempre dá um jeitinho de proteger algo contra os malefícios causados pelo homem.

    ResponderExcluir
  2. Na verdade a questão é capciosa, os animais estão voltando porque não existem pessoas para caçá-los e estão se adaptando ao meio; ou se estão resistindo e sobrevivendo aos efeitos da contaminação radiotiva? vale um estudo mais profundo!!1

    ResponderExcluir