Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

PODERIA UM TESTE DE VISÃO SIMPLES IDENTIFICAR OS ESTÁGIOS INICIAIS DA DOENÇA DE ALZHEIMER?

Condição progressiva e de consequências severas, o mal de Alzheimer normalmente demanda uma série de testes para ser detectado precocemente e, assim, permitir que o tratamento seja iniciado sem demora. Embora ainda não haja cura para a doença, é possível desacelerar sua progressão e aumentar a qualidade de vida do paciente.
“Contudo, pacientes com demência muitas vezes acham difícil completar esses testes, devido a uma falta de clareza em seu entendimento e a lapsos em sua atenção ou motivação”, aponta o pesquisador Trevor Crawford, do Centro de Pesquisa sobre Envelhecimento da Universidade de Lancaster (Inglaterra).
Pesquisadores diz que um teste de visão simples pode ajudar detectar os primeiros sinais de Alzheimer
Recentemente, porém, Crawford e seus colegas realizaram um estudo e perceberam que um teste de visão simples pode ajudar a diagnosticar sinais da doença. Para chegar a essa conclusão, eles reuniram quatro grupos de participantes: 18 pacientes com mal de Alzheimer, 25 pacientes com mal de Parkinson, 17 jovens saudáveis e 18 adultos saudáveis.
O teste consistia em acompanhar com os olhos os movimentos de um ponto de luz em um monitor. Em determinado momento, era pedido que eles parassem de olhar a luz, ação que os pacientes com mal de Alzheimer tiveram dificuldade de realizar – eles cometeram em média 10 vezes mais erros nessa atividade do que os demais participantes.
“Esses erros estavam fortemente ligados à memória espacial de trabalho”, explica Crawford. Os pesquisadores também avaliaram o desempenho da memória desses pacientes, e os resultados, somados, mostram que o teste de visão pode ser promissor na identificação da doença mesmo em estágio inicial. Apesar das conclusões animadoras, vale ressaltar que ainda são necessárias mais investigações.

SMITHSONIAN - SEPTEMBER 2012 (INGLÊS)

Smithsonian - September 2012
Smithsonian - September 2012
English | PDF | 107 pages | 47.5MB
Smithsonian Magazine takes you on a journey through history, science, world culture and technology with breathtaking images from around the world.
(Revista Smithsonian leva você a uma viagem através da história, da ciência, da cultura mundial e da tecnologia com imagens deslumbrantes de todo o mundo).

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

AS CONSEQUÊNCIAS DE DEGELO RECORDE NO ÁRTICO - UMA MORTE ANUNCIADA

O Ártico perdeu mais gelo marinho neste ano do que em qualquer outro período desde que registros por satélite começaram a ser feitos, em 1979, segundo a Nasa (a agência espacial americana).
Cientistas que calculam as perdas afirmam que isso é parte de uma mudança fundamental.
Além disso, o gelo marinho geralmente atinge seu ponto mais baixo em setembro, então acredita-se que o derretimento deste ano vá continuar.
Segundo a Nasa, a extensão de gelo marinho caiu de 4,17 milhões de km² em 18 de setembro de 2007 para 4,10 milhões de km² em 26 de agosto de 2012.
A cobertura de gelo marinho aumenta durante o frio dos invernos no Ártico e encolhe quando as temperaturas voltam a subir. Mas, nas últimas três décadas, satélites observaram um declínio de 13% por década no período de verão.
A espessura do gelo marinho também vem diminuindo. Sendo assim, no total o volume de gelo caiu muito – apesar de as estimativas sobre os números reais variarem.
Joey Comiso, o principal pesquisador no Goddard Space Flight Center da Nasa, disse que o recuo deste ano foi causado pelo fato do calor de anos anteriores ter reduzido o gelo perene – que é mais resistente ao derretimento.
"Diferentemente de 2007, as temperaturas altas no Ártico neste verão não foram fora do comum. Mas nós estamos perdendo o componente espesso da cobertura de gelo", disse Comiso.
"Assim, o gelo no verão fica muito vulnerável."
Ártico perdeu mais gelo neste ano do que em qualquer outro período desde 1979
Morte inevitável
Segundo Walt Meier, do National Snow and Ice Data Center, que colabora nas medições da cobertura de gelo, "no contexto do que aconteceu nos últimos anos e ao longo dos registros de satélite, isso é um indicativo de que a cobertura de gelo marinho do Ártico está mudando fundamentalmente".
O professor Peter Wadhams, da Universidade de Cambridge, disse à BBC que "diversos cientistas que trabalham com medição de gelo marinho previram alguns anos atrás que o recuo iria se acelerar e que o verão Ártico se tornaria livre de gelo em 2015 ou 2016".
A previsão, na época considerada alarmista, agora está se tornando realidade, diz ele. E o gelo ficou tão fino que irá inevitavelmente desaparecer.
"Medições de submarinos mostraram que (a região) perdeu pelo menos 40% de sua espessura desde os anos 1980. Isso significa uma inevitável morte para a cobertura de gelo, porque o recuo de verão é agora acelerado pelo fato de que enormes áreas de água aberta permitem que tempestades gerem grandes ondas, as quais quebram o gelo restante e aceleram seu derretimento", afirmou.
"As implicações são graves: a maior área de água aberta reduz o albedo médio (refletividade) do planeta, acelerando o aquecimento global; e nós também estamos vendo a água aberta causar derretimento do permafrost (solo composto por terra, gelo e rochas congelados), liberando grandes quantidades de metano, um poderoso gás causador do efeito estufa", disse.
Ameaças e oportunidades
As opiniões variam sobre a data da morte do gelo marinho de verão, mas as notícias mais recentes causam pessimismo.
Um recente estudo da Universidade de Reading, na Grã-Bretanha, usou técnicas estatísticas e computadores para estimar que entre 5% e 30% da perda recente de gelo se deve à Oscilação Multidecadal do Atlântico – um ciclo natural do clima que se repete a cada 65 a 80 anos. Está em uma fase quente desde meados dos anos 1970.
Mas o restante do aquecimento, estima o estudo, é causado pela atividade humana – poluição e desmatamento de florestas.
Se o gelo continuar a desaparecer no verão, haverá oportunidades, assim como ameaças.
"As implicações são graves: a maior área de água aberta reduz o albedo médio (refletividade) do planeta, acelerando o aquecimento global; e nós também estamos vendo a água aberta causar derretimento do permafrost (solo composto por terra, gelo e rochas congelados), liberando grandes quantidades de metano, um poderoso gás causador do efeito estufa" (Prof. Peter Wadhams, da Universidade de Cambridge).
Alguns navios já estão economizando tempo ao navegar por uma rota antes intransitável ao norte da Rússia.
Companhias de petróleo, gás e mineração estão brigando para explorar o Ártico – apesar de sofrerem forte oposição de ambientalistas. O Greenpeace tem protestado contra exploração pela gigante russa Gazprom.
Entre as muitas ameaças, o aquecimento é ruim para a vida selvagem do Ártico. Graças à influência do gelo marinho nas correntes de jato, as mudanças podem afetar o clima na Grã-Bretanha.
As mudanças – caso ocorram – poderiam abrir depósitos congelados de metano que iriam aquecer ainda mais o planeta.
Oceanos mais quentes podem levar a um maior derretimento da cobertura de gelo da Groenlândia, o que contribuiria para a elevação do nível do mar e para mudanças na salinidade do mar, que por sua vez poderiam alterar as correntes oceânicas que ajudam a controlar nosso clima.

SCIENTIFIC AMERICAN MIND - JULY/AUGUST 2012 – INGLÊS

SCIENTIFIC AMERICAN MIND

Scientific American Mind- August 2012
Inglês | True PDF | 13 MB
Scientific American Mind is a bimonthly American popular science magazine concentrated on psychology, neuroscience, and related fields. By analyzing and revealing new thinking in the cognitive sciences, the magazine is able to focus on the biggest breakthroughs in these fields. Scientific American Mind is published by Scientific American and was started in 2004.

SCIENTIFIC AMERICAN - AUGUST 2012 - INGLÊS

Scientific American - August 2012
Inglês | 104 pages | True PDF | 30.85 MB

NOVO TRATAMENTO SIMPLIFICADO PARA A AIDS

Uma nova pílula única diária para combater a Aids - que combina duas drogas já autorizadas - foi aprovada para adultos portadores do vírus HIV, informou nesta segunda-feira a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA).
Chamado de Stribild, este comprimido único diário proporciona um tratamento completo contra a Aids e faz parte de opções cada vez mais simples contra o HIV, destacou a Administração de Drogas e Alimentos (FDA, sigla em inglês).
"Através da pesquisa continuada e do desenvolvimento de medicamentos, o tratamento para os infectados com o HIV tem evoluído de múltiplas pílulas para apenas um comprimido" diário, destacou Edward Cox, diretor do Bureau de Produtos Antimicrobiais da FDA para avaliação de medicamentos.
"Novas combinações de medicamentos para o HIV, como o Stribild, ajudarão a simplificar os tratamentos".
O novo remédio, fabricado pela Gilead Sciences na Califórnia (oeste), foi testado em mais de 1.400 pacientes em dois testes clínicos e os resultados mostraram que o Stribild é tão eficaz ou mais que outras duas combinações de tratamentos, reduzindo o HIV a níveis indetectáveis em nove entre dez pacientes após 48 semanas de ingestão.
Antirretrovirais como o Stribild, ajudarão a simplificar os tratamentos
 Foto de Adek Berry/AFP/File
Stribild combina Truvada - emtricitabina e tenofovir contra uma enzima que o HIV usa para se reproduzir - ao Elvitegravir, outra substância que combate uma enzima, associado ao Cobicistat, que potencializa os efeitos do Elvitegravir.
O medicamento foi testado em pacientes adultos não previamente tratados de Aids. A FDA afirma que serão necessários mais estudos para determinar a segurança entre crianças e mulheres e se há interação com outras substâncias.
Stribil tem alguns efeitos colaterais, que incluem problemas no fígado e nos rins, acúmulo de ácido láctico no sangue e enfraquecimento dos ossos, mas a Gilead afirma que durante os testes "a maioria dos efeitos adversos foi leve ou moderada".
O medicamento provoca enjôos e diarreia entre os pacientes.
"As terapias que atendem às necessidades individuais dos pacientes são fundamentais para melhorar a manutenção do tratamento e seu potencial de sucesso", afirmou o presidente da Gilead, John Martin.
Para que o medicamento chegue aos pacientes com HIV nos países com menos recursos, onde milhões de pessoas não têm opções efetivas de tratamento, estão sendo desenvolvidos genéricos com a autorização e a ajuda da Gilead, em parceria com várias empresas indianas e com a Medicines Patent Pool, organização sem fins lucrativos que promove a fabricação de medicamentos genérico.
Fonte: AFP