Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sábado, 18 de agosto de 2012

HEMISFÉRIO NORTE VIVE O VERÃO MAIS QUENTE DA HISTÓRIA

Julho de 2012 foi o mês mais quente no hemisfério Norte e o quarto mais quente no mundo desde o início das medições de temperatura, em 1880, segundo a agência para atmosfera e oceanos dos Estados Unidos, a NOAA. Para ilustrar os dados coletados, a Nasa, agência espacial americana, divulgou nesta sexta-feira (17) o mapa acima, mostrando as anomalias no clima em julho.
Temperaturas elevadas em todo o Planeta
O mapa não mostra temperaturas absolutas, e sim a variação de temperatura no mundo em relação a média de 1951-1980. As áreas em branco indicam que a temperatura ficou “normal”, ou seja, dentro da média. Em vermelho estão as áreas onde se mediram temperaturas mais quentes do que média, e quanto mais escuro o tom de vermelho, maior a variação, podendo chegar a 4ºC.
Chama a atenção a forte onda de calor localizada nos Estados Unidos, que resultou em seca e incêndios florestais, e no Ártico, causando uma redução recorde na cobertura de gelo da Groenlândia. Em grande parte do Brasil, o mês de julho também foi mais quente do que o normal.
Pesquisadores costumam evitar ligar eventos climáticos específicos ao aquecimento global, mas a forte onda de calor e o avanço nas pesquisas estão mudando esse comportamento. O pesquisador da Nasa James Hansen, por exemplo, publicou recentemente um estudo mostrando que o calor extremo no verão está mais frequente, e que isso é resultado das mudanças climáticas. Segundo o estudo, variações extremas do clima, no passado, atingiam cerca de 1% do planeta. A partir de 2006, no entanto, pelo menos 10% do planeta vivencia, por ano, eventos climáticos extremos.
O estudo de James Hansen pode ser acessado na íntegra no PNAS, em inglês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário