Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

terça-feira, 14 de agosto de 2012

8 NOVAS ESPÉCIES ENCONTRADAS EM CAVERNA, SÃO IDENTIFICADAS POR CIENTISTAS ISRAELENSES

Cientistas israelenses completaram a identificação e a classificação de oito novas espécies de animais encontradas em uma caverna milenar e isolada, entre elas um escorpião e sete espécies de crustáceos transparentes e sem olhos.
"A caverna é muito especial em termos de desenvolvimento de sua fauna. Tem um ecossistema único porque é totalmente endêmico. Essas espécies se desenvolveram nesta caverna durante milhões de anos e não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo", explicou à Agência Efe o professor Amos Frumkin, diretor da pesquisa do Departamento de Geografia da Universidade Hebraica de Jerusalém.
Segundo o especialista, "as espécies classificadas são datadas provavelmente da pré-história adiantada, mas permaneceram totalmente isoladas durante milhões de anos, sem contato com o exterior".
Crustáceo transparente e sem olhos - Foto Amos Frumkin
A caverna foi descoberta em 2006 em uma pedreira de uma fábrica de cimento situada na cidade de Ramle, aos arredores de Tel Aviv, e ao longo destes anos os cientistas trabalharam em vários laboratórios do mundo para descrever e classificar as espécies encontradas, já que a ideia era comprovar que elas não existiam em nenhum outro lugar.
O resultado da pesquisa revela sete espécies de artrópodes, da mesma família que os caranguejos, e um escorpião - ao que seus descobridores deram o nome de Israchanani -, todos eles cegos.
A particularidade destes animais é que todos eles vivem da energia que procede da água sulforosa e sua sobrevivência não está baseada na fotossíntese, já que todos viviam sob ausência absoluta de luz.
"Na água há microorganismos, bactérias, que usam este sulfureto através da quimiossíntese para produzir energia. Estes microorganismos são devorados por outros, que, por sua vez, também são devorados por outros, até chegar aos carnívoros. Há toda uma cadeia alimentícia na caverna, onde todos os organismos, menos um que está em disputa, são endêmicos e únicos", explicou.
O investigador adverte que "é muito importante preservar o lugar porque trata-se de um ambiente único e muito interessante em termos científicos para responder perguntas como, por exemplo, quanto tempo estão aqui? Ou qual é a história geológica e biológica do sistema?", apontou Frumkin.
A caverna, que está a 100 metros de profundidade, se estende ao longo de 2,7 quilômetros, sendo que sua caverna central possui 40 metros de comprimento.
O local é composto de pedra caliça e, em tempos pré-históricos, esteve coberto pelo Mar Mediterrâneo. Ao sair do contato com a água salgada, a água chuva acabou criando erosões e espetaculares cavernas em seu interior, entre elas uma repleta de estalactites e estalagmites.
Frumkin alerta sobre os perigos que espreitam a este pequeno ecossistema e adverte que "a redução da umidade poderia fazer com que água externa seja absorvida pela caverna que, além disso, está agora muito mais próxima da superfície devido à extração da pedreira". EFE

Nenhum comentário:

Postar um comentário