Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

QUINOA, O GRÃO RICO EM FERRO, FÓSFORO, CÁLCIO E VITAMINAS.

A Quinoa (Chenopodium quinoa Willd.; Amaranthaceae) é uma planta nativa da Colômbia, Peru e Chile, que produz um grão considerado muito importante à alimentação e à vida do homem no altiplano andino.
Originária das alturas dos Andes e conservada por quechuas e aymarás, com suas 3.120 variedades.
A quinoa, mesmo não sendo tão conhecida no Brasil quanto a soja ou a linhaça, grãos considerados muito benéficos para a saúde, aos poucos começa a fazer parte do cardápio dos brasileiros, que buscam os benefícios desse alimento, rico em ferro, fósforo, cálcio, vitaminas B1, B2 e B3.
A quinoa possui também vitaminas C e E, embora em menores quantidades. Grão originário da Bolívia, a quinoa tem alto poder nutritivo, e além da grande quantidade de vitaminas e minerais, é bastante rica em fibras.
O consumo da quinoa é mais difundido na forma de grãos, podendo ser utilizada no preparo de pães, pudins, mingaus, massas para biscoitos ou panquecas, ou da forma que melhor agradar ao paladar do consumidor. É possível também cozinhar o grão e usá-lo na salada, ou em sopas ou junto com o arroz. No entanto, também as folhas podem ser consumidas refogadas e os botões das flores cozidos como brócolis.
Risoto de Quinoa
Vale lembrar que é recomendável lavar os grãos da quinoa em água quente antes de consumi-los, para que sejam melhor aproveitados os valores biológicos de suas protéinas.
Base da alimentação no império Inca, a quinoa ficou conhecida como grão sagrado. Outros benefícios do consumo desse cereal (que pode ser encontrado também na forma de flocos e farinha), são a prevenção de doenças como câncer de mama, osteoporose e problemas cardíacos. Ajuda, ainda, a melhorar a imunidade e a memória e a recuperar os tecidos.
A Organização das nações Unidades para a Agricultura e Alimentação (FAO) já deu o aval a esse alimento que ainda não está popularizado no Brasil, mas já vem sendo cultivado, já que se adapta a qualquer tipo de solo, seja seco ou úmido e é resistente ao frio e ao calor.
Consumida há 10 mil anos pelos povos indígenas, a quinoa foi redescoberta pelos povos andinos e tem a Bolívia como o seu maior produtor mundial. No Brasil, vem sendo pesquisada desde a década de 80 pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (Embrapa), que tenta adaptá-la ao solo de cerrado e os resultados têm se mostrado promissores, já que as características genéticas da espécie produzida no Brasil não diferem muito da andina.
Após a invasão espanhola, os alimentos autóctones, como a quinoa, o amaranto e a maca, caíram paulatinamente em desuso e foram substituídos pelos grãos consumidos na Europa, como o trigo e a cevada.
Pra você ter uma idéia, este grão possui proteína de alta qualidade, baixo teor de colesterol, além das grandes quantidades de vitaminas e minerais presentes. O sabor é leve, semelhante à soja e a cada dia conquista espaço na mesa dos brasileiros.
Podemos destacar também a quantidade de fibras presente. As fibras colaboram com o bom trabalho intestinal, ajudam no controle dos níveis de colesterol e glicemia no sangue, entre outras funções importantes para o organismo.
Outra vantagem da quinoa é não ter o glúten em sua composição, dessa forma as pessoas com intolerância ao glúten, a chamada doença celíaca, também podem desfrutar deste alimento.
A quinoa pode substituir o trigo na produção de farinha, a soja na produção de óleo, o milho para biodiesel e o arroz na alimentação.

O FURACÃO SANDY PODE SER A MAIOR TEMPESTADE A ATINGIR OS ESTADOS UNIDOS



O furacão Sandy pode ser a maior tempestade a atingir os Estados Unidos quando chegar ao país na noite de segunda-feira, causando ventos fortes e inundações perigosas à Costa Leste, disseram meteorologistas neste domingo.
Sandy pode ter um impacto brutal nas principais cidades da zona que provavelmente será atingida, como Boston, Nova York, Washington, Baltimore e Filadélfia, numa das regiões mais densamente povoadas do país, onde vivem dezenas de milhões de pessoas.
O governo Obama estimou que 50 milhões de pessoas serão atingidas pela passagem do furacão. "Só o tamanho dele, afetando uma área densamente povoada, fará história", disse Jeff Masters, especialista em furacões.
Sandy é uma "super tempestade" rara e híbrida
Meteorologistas disseram que Sandy é uma "super tempestade" rara e híbrida, criada por uma corrente de vento ártico envolvendo uma tempestade tropical, possivelmente provocando 30 cm de chuva em algumas áreas, assim como uma forte nevasca. Autoridades de vários estados que estão no caminho do Sandy tiveram que tomar decisões duras sobre planos de emergência, incluindo retiradas obrigatórias de moradores em áreas costeiras vulneráveis. Multidões correram para comprar suprimentos antes que a tempestade atingisse o continente, na noite de segunda-feira.
A cidade de Nova York vai suspender os serviços de trem, metrô e ônibus na noite deste domingo e fechar escolas na segunda-feira em preparação para o furacão Sandy, disse o prefeito Michael Bloomberg. O governador de Nova Jersey, Chris Christie, ordenou o fechamento de cassinos e começou os preparativos em caso de o estado ter que fechar seus sistemas de ônibus e trens.
Em sua atual rota projetada, o Sandy deve atingir a terra entre a região de Nova York e Nova Jersey e seguir para o interior até Filadélfia e Pensilvânia, disseram os meteorologistas.
Tempestade excepcionalmente grande
Os meteorologistas do Centro Nacional de Furacões dos EUA, em Miami, disseram que ainda era cedo demais para prever precisamente onde a tempestade chegaria à terra, mas que o impacto seria sentido mesmo bem longe do centro do furacão.
Embora os ventos de 120 km/h do Sandy não sejam fortes demais para um furacão, sua extensão tornava-o excepcional. A força dos ventos de um furacão se estendem 280 km a partir de seu centro. Não se esperava que Sandy ganhe força, mas que aumente seu volume. Segundo o site da Administração Nacional Atmosférica e Oceânica (Noaa), o Sandy pode ser a maior tempestade a atingir os Estados Unidos.
Na maré alta, a tempestade poderia aumentar o nível da água do mar em até 3,4 m acima dos níveis normais em Long Island Sound e no porto de Nova York. A tempestade poderia provocar a pior enchente em Connecticut em mais de 70 anos, disse o governador do Estado, Dannel P. Malloy. Sandy estava situado a 420 km a sudeste de Cape Hatteras, na Carolina do Norte, na manhã de domingo, disse o centro de furacões.
A tempestade seguia sobre o paralelo atlântico até a costa dos EUA a 17 km/h, mas deve fazer uma curva acentuada para o oeste em direção à costa dos EUA na noite de domingo.
O Sandy matou ao menos 66 pessoas ao passar pelas ilhas do Caribe, incluindo 51 no Haiti, a maioria em consequência de enchentes relâmpago e deslizamentos de terra, segundo as autoridades.

PESQUISADORES BRITÂNICOS DESENVOLVERAM UM NOVO EXAME MAIS BARATO QUE PODE DETECTAR DIFERENTES VÍRUS E TAMBÉM ALGUNS TIPOS DE CÂNCER.

O exame ainda é um protótipo e revela a presença de uma doença ou de um vírus - mesmo em pequena quantidade no corpo - usando um sistema de cores. Um químico desenvolvido pelos cientistas muda de cor quando entra em contato com o sangue do paciente.
Se um determinado componente da doença ou vírus estiver presente, o reagente químico fica azul. Caso não haja doença ou vírus, o líquido fica vermelho.
A pesquisa do Imperial College de Londres foi divulgada na revista especializada Nature Nanotechnology. 
Novo exame pode ser até dez vezes mais barato
HIV e câncer de próstata
Molly Stevens, do Imperial College, disse à BBC que o novo método "deve ser usado quando a presença de uma molécula-alvo em uma concentração ultrabaixa possa melhorar o diagnóstico da doença".
"Por exemplo, é importante detectar algumas moléculas em concentrações ultrabaixas para verificar a reincidência de câncer depois da retirada de um tumor."
"Também pode ajudar no diagnóstico de pacientes infectados com o vírus HIV cujas cargas virais são baixas demais para serem detectadas com os métodos atuais", acrescentou.
Os primeiros testes do novo exame mostraram a presença dos marcadores para HIV e câncer de próstata. No entanto, serão necessários testes mais amplos antes que o novo exame possa ser usado.
Os pesquisadores do Imperial College de Londres esperam que o novo exame custe dez vezes menos que os exames já disponíveis e, segundo eles, isto será importante em países onde as únicas opções de exames para HIV e câncer são muito caras.
"Este exame pode ser significativamente mais barato (...) o que pode abrir caminho para um uso maior de exames de HIV em regiões mais pobres do mundo", afirmou Roberto de la Rica, pesquisador que participou o desenvolvimento do novo exame.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

“CANYON” MARCIANO É O MAIOR DO SISTEMA SOLAR

Agência Espacial Europeia (ESA) registou agora uma nova visualização do sítio
Marte tem um desfiladeiro maior do que o Grand Canyon. Chama-se Valles Marineris e mede mais de 4000 quilômetros de comprimento, 200 de largura e tem uma profundidade de 10 quilômetros, sendo, assim, o maior do Sistema Solar.
Valles Marineris é o maior desfiladeiro do Sistema Solar
Este acidente geográfico é 10 vezes mais comprido e cinco vezes mais profundo do que o terrestre Grand Canyon.
A Agência Espacial Europeia (ESA) registou agora uma nova visualização do sítio graças a uma imagem obtida com os dados capturados durante as 20 órbitas individuais da sonda Mars Express. Segundo indicam os especialistas, a fotografia mostra a ampla variedade de características geológicas do lugar, demonstrando a complexa história do planeta vermelho.
Grand  Canyon terrestre nos EUA
A ESA informa que a formação do “'canyon” poderá estar intimamente ligada à formação do planalto de Tharsis, onde se encontra o maior vulcão do Sistema Solar, o Olympus Mons. A atividade vulcânica reflete-se na natureza das rochas das paredes do desfiladeiro e nas superfícies circundantes, que se formaram por fluxos sucessivos de lava.
À medida que Tharsis se enchia de magma, durante os primeiros milhões de anos de vida do planeta, a crosta circundante foi esticando-se, rasgando e eventualmente colapsando-se em canais gigantescos. A ESA refere que os deslizamentos de terra também desempenharam um papel importante na formação do complexo, sobretudo nas depressões mais a norte.


LUA TERIA SURGIDO DE COLISÃO ENTRE A TERRA E UMA GIGANTESCA ROCHA ESPACIAL

Uma peculiaridade química encontrada no solo lunar sustenta uma teoria levantada há 37 anos, de que a Lua surgiu de uma colisão apocalíptica entre a Terra e uma gigantesca rocha espacial, afirmam cientistas em um artigo publicado na edição desta quarta-feira da revista científica Nature.
Em 1975, astrônomos propuseram, durante uma conferência, que bilhões de anos atrás nosso satélite natural teria sido criado após um choque entre a Terra infantil e um corpo celeste do tamanho de Marte denominado Theia, que na mitologia grega é a mãe da Lua, ou Selena.
Segundo esya teoria, a colisão derreteu e evaporou Theia e grande parte da nascente crosta terrestre, e o vapor se condensou para formar a Lua.
Isto explicaria porque a Lua é tão grande - tem cerca de um quarto do tamanho da Terra e é o quinto maior satélite no nosso Sistema Solar - e está tão perto de nós.
Por anos, a "Teoria do Impacto Gigante" foi marginalizada até que simulações de computador demonstraram que poderia ser real.
Analisando preciosos grãos de solo lunar trazidos pelas missões Apollo, os cientistas afirmam ter encontrado uma evidência química para validar este conceito. Esta evidência consiste em um pequeno excesso em um isótopo mais pesado, ou uma variante atômica, do elemento zinco.
Este excesso teria ocorrido porque átomos do zinco mais pesado teriam se condensado rapidamente na nuvem de vapor, ao invés daqueles mais leves.
A minúscula, porém relevante, diferença é denominada fraccionação isotópica.
"A magnitude da fraccionação que medimos em rochas lunares é 10 vezes maior do que o visto em rochas terrestres e marcianas", afirmou Frederic Moynier, professor assistente de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade de Washington em St. Louis, Missouri.
"É uma diferença importante", acrescentou.
A fraccionação foi encontrada em 20 amostras de rochas lunares de quatro missões Apollo, que exploraram áreas diferentes da Lua, e de um meteorito lunar.
Elas foram comparadas com 10 meteoritos que foram identificados como tendo origem marciana, inclusive um que pertencia à coleção do Vaticano, e com rochas encontradas na Terra.
Análise feita em um espectrômetro de massa - no qual a luz de uma amostra vaporizada aponta para os elementos contidos - demonstrou que o zinco em geral se esgotou na Lua, mas deixou vestígios de isótopos mais pesados.
A evaporação do zinco em larga escala aponta para um megaevento como a colisão, ao invés da atividade vulcânica localizada, afirmam os cientistas.
"É preciso um tipo de evento de derretimento indiscriminado na Lua para gerar o calor necessário para evaporar o zinco", explicou James Day, do Instituto de Oceanografia Scripps, na Califórnia.
Com este sucesso, afirmam os cientistas, a Teoria do Grande Impacto poderia ser a chave para compreender outro mistério: por que a Terra é tão dotada de água, enquanto a Lua é tão seca?
"Esta é uma pergunta muito importante, porque se estamos buscando vida em outros planetas, precisamos reconhecer que provavelmente são necessárias condições similares", afirmou Day.
"Portanto, compreender como os planetas obtêm tais condições é crítico para entendermos como a vida por fim ocorre em um planeta", acrescentou.
A Lua possui 3.473km de diâmetro, pela gravidade da Terra ser fraca e pelo seu tamanho uma lua natural teria que ser muito menor.
 Se foi um choque que fez surgir a Lua, porque a mesma, a Terra e demais Planetas são redondos?
Na verdade, eles não são exatamente redondos. A causa da “redondeza” dos planetas é a gravidade.
É assim que funciona: a gravidade atrai tudo de forma uniforme em todas as dimensões espaciais. Quanto mais matéria um planeta em formação atrai, mais forte se torna a atração gravitacional em direção ao centro do mesmo.
O resultado natural desta situação é uma esfera. Qualquer desvio da forma esférica tem que contar com alguma força não gravitacional para suportar a puxada da gravidade para baixo. Todos os pequenos desvios fazem isto, desde montanhas até o teu corpo.
Mas este ainda não é o fim da história. As leis do movimento de Newton afirmam que um corpo em movimento tende a continuar em movimento, e a matéria no equador do planeta pode estar viajando com velocidade suficiente para criar um dilatação, como a da Terra.
Então, os planetas não são perfeitamente redondos. Sua redondeza depende da sua massa, tamanho e velocidade de rotação. Os cientistas podem deduzir a massa de um planeta facilmente se ele tiver um satélite (uma lua) aplicando as leis do movimento de Newton à órbita da lua, leis que estabelecem uma relação simples entre a massa do planeta e a velocidade do satélite.