Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

A GRANDE BARREIRA DE CORAIS DA AUSTRÁLIA ESTÁ ENCOLHENDO DEVIDO AS MUDANÇAS CLIMÁTICASA GRANDE BARREIRA DE CORAIS DA AUSTRÁLIA ESTÁ ENCOLHENDO DEVIDO AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

A Grande Barreira de Corais da Austrália perdeu mais da metade de sua extensão nos últimos 27 anos como consequência das tempestades, da depredação provocada por estrelas do mar e do embranquecimento causado pelas mudanças climáticas, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira.
Os arrecifes poderão continuar se deteriorando nas mesmas proporções até 2022 se nada for feito para proteger a Grande Barreira, advertem cientistas do Instituto Australiano de Ciências Marinhas e da Universidade de Wollongong, no estado de Nova Gales do Sul.
"A perda da metade da cobertura coralina original é uma fonte de enorme preocupação porque é sinônimo de perda de hábitat para dezenas de milhares de espécies" marinhas, avaliam os pesquisadores, que reuniram 2.258 estudos científicos feitos nas últimas três décadas sobre o tema.
Os ciclones tropicais de forte intensidade -34 no total desde 1985- foram responsáveis por quase a metade (48%) da degradação da Grande Barreira, seguidos por uma espécie de estrela do mar, a 'Acanthaster planci', de tipo invasivo, chamada de "coroa-de-espinhos", que se alimenta de algas (42%).
Grande Barreira de Corais em 2009 -  Foto de Great Barriier Reef Marine Park/AFP
Dois graves episódios de embranquecimento ocorreram em 1998 e em 2002, relacionados com o aumento da temperatura dos oceanos, e tiveram "um impacto nefasto de grande magnitude", em particular nas porções centrais e setentrionais do arrecife.
No entanto, um dos autores do estudo, Hugh Sweatman, afirma que a barreira tem a possibilidade de se reconstituir.
"Mas a reconstituição leva entre 10 e 20 anos. Atualmente, os intervalos entre os problemas são curtos demais para uma reconstituição completa", disse.
Classificada pela Unesco como patrimônio mundial, a Grande Barreira se estende por cerca de 345.000 quilômetros quadrados ao longo da costa australiana, e constitui o mais vasto conjunto coralino do mundo, com cerca de 3.000 sistemas e centenas de ilhas tropicais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário