Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

LUA TERIA SURGIDO DE COLISÃO ENTRE A TERRA E UMA GIGANTESCA ROCHA ESPACIAL

Uma peculiaridade química encontrada no solo lunar sustenta uma teoria levantada há 37 anos, de que a Lua surgiu de uma colisão apocalíptica entre a Terra e uma gigantesca rocha espacial, afirmam cientistas em um artigo publicado na edição desta quarta-feira da revista científica Nature.
Em 1975, astrônomos propuseram, durante uma conferência, que bilhões de anos atrás nosso satélite natural teria sido criado após um choque entre a Terra infantil e um corpo celeste do tamanho de Marte denominado Theia, que na mitologia grega é a mãe da Lua, ou Selena.
Segundo esya teoria, a colisão derreteu e evaporou Theia e grande parte da nascente crosta terrestre, e o vapor se condensou para formar a Lua.
Isto explicaria porque a Lua é tão grande - tem cerca de um quarto do tamanho da Terra e é o quinto maior satélite no nosso Sistema Solar - e está tão perto de nós.
Por anos, a "Teoria do Impacto Gigante" foi marginalizada até que simulações de computador demonstraram que poderia ser real.
Analisando preciosos grãos de solo lunar trazidos pelas missões Apollo, os cientistas afirmam ter encontrado uma evidência química para validar este conceito. Esta evidência consiste em um pequeno excesso em um isótopo mais pesado, ou uma variante atômica, do elemento zinco.
Este excesso teria ocorrido porque átomos do zinco mais pesado teriam se condensado rapidamente na nuvem de vapor, ao invés daqueles mais leves.
A minúscula, porém relevante, diferença é denominada fraccionação isotópica.
"A magnitude da fraccionação que medimos em rochas lunares é 10 vezes maior do que o visto em rochas terrestres e marcianas", afirmou Frederic Moynier, professor assistente de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade de Washington em St. Louis, Missouri.
"É uma diferença importante", acrescentou.
A fraccionação foi encontrada em 20 amostras de rochas lunares de quatro missões Apollo, que exploraram áreas diferentes da Lua, e de um meteorito lunar.
Elas foram comparadas com 10 meteoritos que foram identificados como tendo origem marciana, inclusive um que pertencia à coleção do Vaticano, e com rochas encontradas na Terra.
Análise feita em um espectrômetro de massa - no qual a luz de uma amostra vaporizada aponta para os elementos contidos - demonstrou que o zinco em geral se esgotou na Lua, mas deixou vestígios de isótopos mais pesados.
A evaporação do zinco em larga escala aponta para um megaevento como a colisão, ao invés da atividade vulcânica localizada, afirmam os cientistas.
"É preciso um tipo de evento de derretimento indiscriminado na Lua para gerar o calor necessário para evaporar o zinco", explicou James Day, do Instituto de Oceanografia Scripps, na Califórnia.
Com este sucesso, afirmam os cientistas, a Teoria do Grande Impacto poderia ser a chave para compreender outro mistério: por que a Terra é tão dotada de água, enquanto a Lua é tão seca?
"Esta é uma pergunta muito importante, porque se estamos buscando vida em outros planetas, precisamos reconhecer que provavelmente são necessárias condições similares", afirmou Day.
"Portanto, compreender como os planetas obtêm tais condições é crítico para entendermos como a vida por fim ocorre em um planeta", acrescentou.
A Lua possui 3.473km de diâmetro, pela gravidade da Terra ser fraca e pelo seu tamanho uma lua natural teria que ser muito menor.
 Se foi um choque que fez surgir a Lua, porque a mesma, a Terra e demais Planetas são redondos?
Na verdade, eles não são exatamente redondos. A causa da “redondeza” dos planetas é a gravidade.
É assim que funciona: a gravidade atrai tudo de forma uniforme em todas as dimensões espaciais. Quanto mais matéria um planeta em formação atrai, mais forte se torna a atração gravitacional em direção ao centro do mesmo.
O resultado natural desta situação é uma esfera. Qualquer desvio da forma esférica tem que contar com alguma força não gravitacional para suportar a puxada da gravidade para baixo. Todos os pequenos desvios fazem isto, desde montanhas até o teu corpo.
Mas este ainda não é o fim da história. As leis do movimento de Newton afirmam que um corpo em movimento tende a continuar em movimento, e a matéria no equador do planeta pode estar viajando com velocidade suficiente para criar um dilatação, como a da Terra.
Então, os planetas não são perfeitamente redondos. Sua redondeza depende da sua massa, tamanho e velocidade de rotação. Os cientistas podem deduzir a massa de um planeta facilmente se ele tiver um satélite (uma lua) aplicando as leis do movimento de Newton à órbita da lua, leis que estabelecem uma relação simples entre a massa do planeta e a velocidade do satélite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário