Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

ESTUDO REVELA QUE O APARECIMENTO DOS SERES HUMANOS SE DEU PELA EXTINÇÃO DOS DINOSSAUROS



De acordo com uma nova pesquisa, os antigos parentes mais próximos dos mamíferos – os cinodontes terápsidos – não só sobreviveram à maior extinção em massa de todos os tempos, 252 milhões de anos atrás, como também deram início aos primeiros mamíferos conhecidos – e, consequentemente, a nós, seres humanos.
Os primeiros mamíferos surgiram no período Triássico, há mais de 225 milhões de anos. Esses primeiros exemplares incluíam pequenos animais similares ao musaranho, como o Morganucodon, que habitava as terras que agora pertencem à Grã Bretanha, o Megazostrodon, da África do Sul, e o Bienotherium, que vivia no que hoje conhecemos como China.
Eles possuíam dentes semelhantes aos nossos, porém modificados (incisivos, caninos e molares), além de grandes cérebros. Provavelmente tinham também sangue quente e eram coberto por pelos – todas características que os diferenciam de seus ancestrais répteis e que contribuem para o sucesso de hoje dos mamíferos.
 No entanto, uma nova pesquisa sugere que esse conjunto de características únicas foi surgindo gradualmente durante um longo espaço de tempo. O estudo levanta a hipótese de os primeiros mamíferos surgiram como resultado da extinção em massa do fim do período geológico Permiano, que acabou com 90% dos organismos marinhos e com 70% das espécies terrestres.
A pesquisa foi conduzida em conjunto pela Universidade de Lincoln, no Reino Unido, o Museu Nacional, em Bloemfontein, na África do Sul, e a Universidade de Bristol, também no Reino Unido, e foi publicada nesta semana pela revista científica “Proceedings of the Royal Society B”.
O autor principal do estudo, Marcello Ruta, palaeobiólogo evolutivo da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade de Lincoln, Grã Bretanha, diz que as extinções em massa são sempre vistas como um viés totalmente negativo. “No entanto, no caso dos cinodontes terápsidos, que compreendiam um número muito pequeno de espécies antes da extinção, foi algo realmente positivo, uma vez que eles foram capazes de se adaptar e preencher muitos nichos diferentes no período Triássico, de carnívoros a herbívoros”.
A coautora do estudo, Jennifer Botha-Brink, do Museu Nacional, em Bloemfontein, África do Sul, lembra que, durante o período Triássico, os cinodontes estavam divididos em dois grupos: os cinognatos e os probainognatos.
“Os primeiros eram principalmente herbívoros e os segundos se alimentavam principalmente de carne. Os dois grupos pareciam se expandir e desaparecer de forma aleatória – os primeiros eram encontrados em maior quantidade em um dado momento, e em instantes distintos, o outro grupo prevalecia”, conta.
“No final, os probainognatos se tornaram mais diversificados e mais variados em questão de adaptações, e deram origem aos primeiros mamíferos cerca de 25 milhões de anos após a extinção em massa”.
O professor Michael Benton, da Universidade de Bristol, Grã Bretanha, e também coautor da pesquisa, acrescenta que quando um grupo maior, como o dos cinodontes, se diversifica, é a forma do corpo ou a quantidade de adaptações que se expande primeiro. “A diversidade, ou número de espécies, aumenta depois que todas as morfologias disponíveis para o grupo foram experimentadas”, completa.
Os pesquisadores concluíram que a diversidade dos cinodontes aumentou de forma constante durante a recuperação da vida após a extinção em massa. Isto sugere que não há diferença particular na diversidade morfológica entre os primeiros mamíferos e seus predecessores imediatos, os cinodontes. [Science Daily]

Nenhum comentário:

Postar um comentário