Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

domingo, 17 de abril de 2011

USINA DE FUKUSHIMA SERÁ DESLIGADA EM 6 OU 9 MESES

A Tokyo Electric Power Company do Japão disse neste domingo esperar atingir um "desligamento frio" de sua usina nuclear Fukushima Daiichi, danificada pelo terremoto e tsunami de 11 de março, dentro de seis ou nove meses, estabelecendo um cronograma para colocar sob controle a pior crise nuclear no mundo em 25 anos.
Dentro de três meses a Tokyo Electric disse que espera esfriar os reatores e o combustível usado na usina para um nível estável, e estabelecer uma tendência de declínio para os vazamentos de radiação.
Em mais três ou seis meses, a maior companhia de energia da Ásia, pretende assegurar um "desligamento frio" na usina, um estado no qual a água que está resfriando as barras de combustível fica abaixo de 100 graus celsius e o reator é considerado estável.
Fukushima antes da tsunami
A empresa, conhecida comumente como Tepco, tem enfrentado dificuldades para estabilizar o complexo de Fukushima, que foi seriamente danificada pelo terremoto e tsunami de 11 de março, e tem vazado radiação. A usina está localizada a 240 quilômetros ao norte de Tóquio.
A crise do Japão foi classificada no mesmo nível que o pior acidente nuclear do mundo em Chernobyl, em 1986, apesar de a quantidade total de radiação emitida ser apenas uma fração daquela liberada quando a usina nuclear na Ucrânia explodiu.
A Tepco e o governo estão sob pressão para oferecer um cronograma para a contenção da crise e para esclarecer quando a população que foi removida da área ao redor da usina poderá voltar para casa.
O primeiro-ministro Naoto Kan enfrentou críticas por seus comentários, que depois ele negou ter feito, sugerindo que a população não poderia retornar por 10 ou 20 anos.
Depois de atingir um desligamento frio na usina de seis reatores, a Tepco disse que iria se concentrar nas questões de longo prazo, como selar as estruturas de contenção dos reatores, limpar o solo contaminado e transferir o combustível nuclear para um local seguro de armazenamento.
Dois dos reatores já estão em condição estável.
"Eu acho que é viável, dadas as informações que a Tepco divulgou até agora", disse um professor universitário do Japão sobre o prazo de seis a nove meses. O professor pediu para que seu nome não fosse citado.
"Mas ainda existem tantas questões que não são conhecidas, e quando você multiplica (os dados) desconhecidos por quatro reatores, é difícil dizer se essa é uma meta realista."
Fukushima após a Tsunami
 COMPENSAÇÕES
A Tepco ainda precisa determinar quanto irá pagar aos moradores e empresas prejudicados pela crise. O governo expandiu a zona de exclusão de 20 quilômetros ao redor da usina por conta do alto índice de radiação acumulada.
A JP Morgan estimou que a Tepco teria um prejuízo de 2 trilhões de ienes (24 bilhões de dólares) em compensações no ano fiscal que começou no mês passado, enquanto a Bank of America-Merrill Lynch disse que a conta poderia atingir 130 bilhões de dólares se a crise continuar.
O governo está desesperadamente tentando elaborar um plano para limitar o prejuízo da Tepco, que fornece cerca de um terço da energia do Japão e cuja falência provavelmente iria desestabilizar os mercados financeiros.
A Tepco tinha 91 bilhões de dólares em dívida em suas contas antes da crise de março, e desde então, retirou um empréstimo bancário de 24 bilhões de dólares.
O presidente da Tepco, Tsunehisa Katsumata, disse que a empresa estava considerando vender seus bens e tomar outras medidas de reestruturação para pagar as compensações, mas afirmou que precisaria da ajuda do governo.
"Não podemos responder nada sobre compensações até que o plano do governo seja estabelecido. Nenhuma quantidade de venda de bens seria o suficiente se a Tepco tiver de arcar com toda a compensação", afirmou. "Portanto estamos dizendo que queremos que o governo decida o plano imediatamente."
Fonte: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário