Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

terça-feira, 12 de novembro de 2013

TUFÕES, COMO O HAIYAN, PODEM TER VELOCIDADES SUPERIORES A 251 KM/H



Imagem de satélite da NASA mostra a formação do tufão Haiyan antes de tocar o solo nas Filipinas (Foto: NASA / Via AFP Photo)
Tufão, furacão e ciclone são o mesmo fenômeno, explicam meteorologistas. Tempestade Haiyan se formou no Pacífico e atingiu as Filipinas.
O tufão Haiyan, que se formou na região do Pacífico ocidental e que atingiu as Filipinas nesta sexta-feira (8), já causou a morte de ao menos três pessoas e obrigou a retirada de mais de 120 mil de suas casas na área central do país.
De acordo com o governo filipino, que o batizou de Yolanda, já é uma das maiores tempestades que atingiu o país e meteorologistas norte-americanos alegam que a força dos ventos converte Haiyan, de categoria 5, a mais alta, num fenômeno pode ser um dos mais violentos registrados no mundo e o mais potente a tocar a terra em toda a história.
Até esta sexta, Haiyan se encontrava sobre a Ilha de Samar, 600 km a sudeste de Manila e havia atingido o solo das Filipinas nesta madrugada, hora local, com rajadas de 275 km/h.
Segundo a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), órgão americano responsável pelos mares e pela atmosfera, um tufão é o mesmo tipo de perturbação meteorológica que um furacão e um ciclone.
A diferença está apenas no nome recebido em determinada região. As tempestades que ocorrem na área do Pacífico ocidental (que banha parte da Ásia), recebem o nome de tufão.
No Oceano Atlântico Norte, Mar do Caribe, Golfo do México (costa dos Estados Unidos, México e América Central) e Norte Oriental do Pacífico, a perturbação é batizada de furacão. Já na região do Oceano Índico e no Pacífico Sul (onde estão Austrália e Nova Zelândia), a tempestade ganha o nome de ciclone.

Mas como um tufão se forma?
O fenômeno climático é resultado da combinação de alta temperatura na superfície do oceano, em decorrência da radiação solar, grande quantidade de chuvas e queda da pressão do ar.
Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), esse sistema costuma se formar em áreas próximas à Linha do Equador e a temperatura do mar nesses casos tem que estar, em média 2º C a 3º C acima do normal.
O aumento do processo de evaporação da água na superfície do mar forma nuvens de chuva e provoca uma queda da pressão atmosférica na superfície do mar. Isso provoca mais evaporação e chuvas, além de ventos que se intensificam e começam a se movimentar no oceano (em espiral), podendo atingir o continente.
O processo de giro do furacão está associado à rotação da Terra, e seu surgimento é descrito por um processo conhecido como efeito Coriolis. É esse efeito também o responsável por estabelecer a trajetória do furacão, uma vez que ele surge sobre o oceano.
Velocidade
Assim como os furacões e ciclones, os tufões se dividem em cinco categorias de força pela escala Saffir-Simpson. Fenômenos classificados na categoria 1 têm ventos de até 152 km/h. Tempestades com ventos entre 153 km/h e 176 km/h estão na categoria 2.
Tempestades com ventos entre 177 km/h e 207 km/h são classificados na categoria 3. Na categoria 4, os ventos têm velocidade entre 209 km e 250 km. Já os tufões classificados na categoria 5 são aqueles que registram ventos com velocidade acima de 251 km/h, de acordo com o meteorologista do Inmet.
Enquanto houver água embaixo do tufão para alimentá-lo, a tempestade continua forte e avança em sua trajetória até atingir a costa.
Quando toca o continente, o processo é interrompido, pois o combustível da tempestade ficou para trás, fazendo com que ela perca energia. No entanto, ao se dissipar, o fenômeno já terá causado estragos em regiões costeiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário