Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sábado, 20 de junho de 2015

ESPANHA É O PAÍS EUROPEU COM MAIS ESPÉCIES AMEAÇADAS



País vizinho alberga 85 mil espécies de animais e plantas, 54% das descritas na Europa
Espanha é o país europeu onde se concentra a maior percentagem de espécies ameaçadas de todo o continente. Este é o resultado de um estudo da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) publicado no princípio do mês, baseado na Lista Vermelha Européia, o catálogo que indica o grau de ameaça das espécies européias em perigo. Portugal está terceiro lugar em número de espécies ameaçadas.
Espanha concentra uma grande proporção de espécies ameaçadas a nível europeu e tem a importante responsabilidade de as proteger no seu território. É preciso que haja mais e melhor ação para melhorar a situação destas espécies”, refere o estudo, recordando que Espanha, como Estado-membro da União Européia, se comprometeu a travar a perda de biodiversidade até 2020.  
Segundo a UICN, Espanha alberga aproximadamente 85 mil espécies de animais e plantas, o que representa 54% do total das espécies descritas na Europa e poderá representar mais de 5% da biodiversidade mundial.
O lince ibérico é uma das espécies ameaçadas de extinção
O estudo assegura que 38% das espécies que fazem parte da Lista Vermelha Européia estão presentes no país, a percentagem mais alta dos estados europeus. Em segundo está Grécia, que tem 32% das espécies da Lista, e Portugal, com 22% de espécies em risco.
Estes dados são preocupantes tanto mais que as políticas de biodiversidade estão “praticamente abandonadas” pelas administrações estatal e autônomas. “O Ministério da Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente centra os seus esforços em modificar a normativa ambiental com graves consequências como a falta de proteção e os desregulamento”.
As Comunidades Autônomas têm, por seu lado, “apoiado projetos que teoricamente favorecem o crescimento econômico mas que, na verdade, têm graves consequências ambientais e sociais”, denuncia o grupo Ecologistas en Acción, que ontem organizou, em Madrid, um debate para analisar a situação da biodiversidade.
No país vizinho estão ameaçados 19% dos mamíferos, 24% de répteis, 7% de anfíbios, 37% de peixes de água doce, 5% de borboletas, 8% de libélulas, 6% de escaravelhos, 26% de moluscos terrestres, 34% de moluscos de água doce e 26% de plantas vasculares. “Do total de espécies estudadas no país, mais de uma quinta parte estão ameaçadas e pelo menos 10% estão ameaçadas a nível europeu”, refere ainda o estudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário