Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

domingo, 13 de novembro de 2016

O MISTERIOSO LAGO GIGANTE ESCONDIDO EMBAIXO DE VULCÃO NOS ANDES


O reservatório se encontra a 15 quilômetros de profundidade do vulcão Uturuncu, na Bolívia

Uma espécie de lago gigantesco foi descoberto na Bolívia - mas não é possível chegar até ele.
Isso porque o reservatório de água fica a 15 quilômetros de profundidade, embaixo do vulcão Uturuncu, nos Andes.
A água do lago está misturada com magma, massa mineral em estado de fusão que determina as erupções vulcânicas. Sua análise poderia ajudar a compreender por que e como as erupções acontecem.
O lago também poderia ser uma evidência de que a água da Terra não é proveniente de cometas ou asteroides - ela já estaria no interior do planeta desde sua formação.
Volume extraordinário
A descoberta foi realizada por Jon Blundy, da Universidade de Bristol, na Inglaterra, e por cientistas franceses, alemães e canadenses enquanto estudavam uma estranha anomalia embaixo do vulcão Uturuncu.

Uturuncu é um vulcão semiadormecido que tem mais de 6 mil metros de altura
Estudando essa condutividade elétrica, os cientistas constataram o tamanho do reservatório de água: 1,5 milhão de quilômetros cúbicos - volume comparável ao do maior lago da América do Norte, o Superior.
Mil graus Celsius
A equipe de Blundy examinou rochas expelidas em uma erupção do Uturuncu há 500 mil anos. Elas foram misturadas com água e submetidas a condições similares às presentes a 15 quilômetros de profundidade.
Essas condições incluem uma pressão 30 mil vezes maior que a atmosférica e temperaturas superiores a 1 mil graus Celsius.
"Reproduzimos em laboratório o que acontece a grandes profundidades na Terra", explicou Blundy.
Os pesquisadores determinaram a porcentagem de água em que a condutividade da rocha era a mesma que no magma abaixo do Uturuncu.
"Calculamos que a anomalia contém entre 8% e 10% de água", afirmou.
Mas essa água não pode ser extraída.
"Ela está misturada com rocha parcialmente derretida a uma temperatura entre 950 e 1 mil graus Celsius, por isso não é acessível."
Microcosmos
A água no magma pode ajudar a explicar a composição da crosta do planeta.
Essa água ajuda na formação de rochas como a andesina - que recebeu este nome por ser encontrada na região dos Andes. Isso ocorre quando o magma no manto terrestre, composto de basalto, sobe até a crosta.
 Água embaixo do Uturuncu não é acessível
A andesina é uma rocha ígnea vulcânica, e o magma andesítico é muito rico em água - embora ela se transforme em vapor durante a erupção.
"O processo no Uturuncu é um microcosmo da formação da crosta continental", disse Blundy.
'O pouco que sabemos'
Blundy e seus colegas ainda não sabem exatamente o papel da condutividade nas erupções.
Mas detectaram misteriosos casos similares de condutividade na zona vulcânica Taupo, na Nova Zelândia, e no Monte Santa Helena, no Estado de Washington, nos Estados Unidos.
Magma que conduz eletricidade também foi detectado sob o Monte Santa Helena, nos EUA
É provável que a condutividade nesses casos também seja indício de reservatórios secretos como o do Uturuncu.
"O estudo nos faz lembrar o pouco que sabemos sobre a água na crosta e no manto terrestres", disse Steve Jacobsen, da Universidade Northwestern, em Illinois.
De onde veio a água da Terra?
Jacobsen e sua equipe descobriram em 2014 um reservatório de água que corresponde a três vezes o volume do oceano, situado a 700 quilômetros de profundidade.
Essas descobertas são novos indícios de que há grandes quantidades de água no interior da Terra - e que podem ter dado origem aos oceanos.
E é possível que a água que torna o planeta habitável já estivesse presente na nuvem de pó que se condensou para formar o planeta. Assim, ela não teria chegado à Terra em cometas ou asteroides com gelo, como apontam algumas teorias.
Os cientistas dizem que a água e a condutividade no magma podem ter um impacto crucial.
"Esperamos que nossos resultados melhorem nossa capacidade de interpretar os sinais de atividade sísmica", disse Jacobsen.
E essa interpretação poderia resultar em uma capacidade maior para prever erupções devastadoras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário