Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

GLÚTEN E SEUS EFEITOS DANOSOS NAS PESSOAS QUE NÃO PODEM CONSUMI-LOS

Glúten refere-se às proteínas encontradas no endosperma do trigo (um tipo de tecido vegetal). É base para fazer farinha.
O glúten nutre embriões vegetais durante a germinação e pode, posteriormente, afetar a “elasticidade” de uma massa, o que por sua vez afeta a textura (na hora de mastigar) de produtos feitos de trigo
Ele é composto de duas proteínas diferentes: gliadina e glutenina. Embora o glúten “verdadeiro” seja por vezes definido como sendo específico do trigo, o glúten é parte comum de outros grãos de cereais, incluindo centeio e cevada, porque estes grãos também contêm compósitos feitos a partir de proteínas prolaminas e glutelinas (como a gliadina e a glutenina, respectivamente).
Algumas pessoas são intolerantes ao glúten, ou seja, seus corpos produzem uma resposta imunológica anormal quando quebra o glúten de trigo e grãos relacionados durante a digestão.
Comer glúten, as proteínas que ocorrem naturalmente no trigo, cevada e centeio pode ser fatal para pessoas com doença celíaca.
A forma mais conhecida de intolerância ao glúten é a doença celíaca. Quando alguém com doença celíaca consome glúten, provoca uma resposta imune que danifica seus intestinos, impedindo-os de absorver nutrientes vitais.
Apesar de ser muito antiga, o conhecimento científico a respeito da doença era fraco até algumas décadas atrás. Como ela não tem um sintoma característico, o diagnóstico torna-se difícil e muitas pessoas nem sabem que possuem a condição – o que pode atrapalhar muito na sua qualidade de vida. Estima-se que 1% da população mundial tenha doença celíaca e não saiba, o que pode representar quase duas milhões de pessoas no Brasil.
Segundo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da doença celíaca do Ministério da Saúde brasileiro, a doença atinge pessoas de todas as idades, mas compromete principalmente crianças de 6 meses a 5 anos de idade. Também é observada com frequência maior em pacientes do sexo feminino. Por ser de caráter hereditário, é imprescindível que parentes em primeiro grau de celíacos se submetam ao teste para sua detecção.
Entre outros tipos de intolerância ao glúten, há a alergia ao trigo, que é uma alergia alimentar clássica marcada por reações de pele, respiratórias ou gastrointestinais aos alérgenos de trigo.
Recentemente, os cientistas também descobriram uma outra forma potencial de intolerância, chamada de sensibilidade ao glúten. Depois de consumir glúten, os pacientes podem experimentar muitos sintomas da doença celíaca, tais como diarreia, fadiga e dor nas articulações, mas não parecem ter intestinos danificados.
Nos casos de intolerância ao glúten, os médicos normalmente recomendam uma dieta livre da proteína. Os pacientes devem evitar comer todo e qualquer alimento e ingrediente que contenha glúten, incluindo pão, cerveja, batata frita, macarrão e até mesmo algumas sopas (salvo as que indiquem “não conter glúten”).
Nos últimos anos, muitas pessoas sem intolerância já tentaram fazer dietas sem glúten. Especialistas alertam que fazer essa dieta sem precisar pode ser prejudicial para a saúde de uma pessoa, já que alimentos sem glúten são muitas vezes deficientes em nutrientes. [LiveScience, DuvidasFrequentes - FENALCEBRA, G1]

Nenhum comentário:

Postar um comentário