Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

CIENTISTAS ENCONTRAM FONTE DE MISTERIOSAS ONDAS DE RÁDIO NO ESPAÇO


Baseada em observatório nos EUA, equipe descobre que ondas de rádio no espaço partem de uma galáxia anã

Elas são um dos grandes quebra-cabeças da astronomia moderna. Mas uma descoberta recente pode ajudar a desvendar o mistério de ondas de rádio captadas no espaço.
Como o nome sugere, as Rajadas Rápidas de Rádio (ou Fast Radio Bursts - FRBs, em inglês) são um fenômeno astrofísico que consiste em pulsos de ondas de rádio de curta duração - milésimos de segundos - mas bastante potentes.
O fato de serem muito breves, combinado com a dificuldade de determinar sua localização, criaram mistério em torno da origem dessas ondas.
Mas uma equipe de astrônomos anunciou agora ter descoberto que a fonte de uma dessas rajadas seria uma outra galáxia.
A revelação é um passo importante para solucionar o mistério, que já gerou dezenas de explicações possíveis - desde buracos negros até inteligência extraterrestre.
As primeiras FRBs foram descobertas em 2007, em um arquivo de um telescópio australiano. Astrônomos realizavam outra pesquisa quando se depararam com um novo fenômeno: uma rajada de ondas de rádio, captada em 2001.
Desde então, outras 18 rajadas foram descobertas.
Outra possível explicação já apresentada é que as ondas são geradas por uma magnetar - estrela de neutrôns com um campo magnético poderoso
Teorias diversas
"Não seria exagero dizer que há mais teorias sobre o que elas realmente seriam do que o número descoberto até agora de FRBs", afirmou o autor do estudo, Shami Chatterjee, da Universidade de Cornell, em Nova York (EUA).
Ele e sua equipe usaram radiotelescópios sofisticados do observatório Very Large Array (VLA), no Estado americano do Novo México.
Com a ajuda de equipamentos de alta resolução, os cientistas conseguiram determinar de maneira precisa a localização de um desses flashes de onda, conhecido como FRB 121102.
O FRB 121102 tem uma característica peculiar: já ocorreu diversas vezes.
"Quando registramos, no ano passado, que um desses flashes estava se repetindo, derrubamos muitas das hipóteses levantadas até agora. Isso porque sabíamos que ao menos essa fonte não podia ser gerada de uma explosão. Tinha de ser algo em que o mecanismo que a estava produzindo sobrevivesse até o próximo flash", explicou o cientista.
"Então, determinamos que essa rajada vinha de uma galáxia anã, mais de três bilhões de anos-luz da Terra." Tamanha distância reforça a ideia do quanto são poderosas essas ondas de rádio.
A pesquisa foi divulgada na revista científica Nature e apresentada em um congresso de astronomia no Estado americano do Texas.
Observatório VLA no Estado americano do Novo México permitiu identificar as ondas de rádio em alta resolução
Dúvidas
O professor Heino Falcke, que também pesquisa FRBs mas não está envolvido no estudo, destacou a importância das novas descobertas. No entanto, ressaltou que ainda há diversos fatores ligados a essa onda que seguem sendo um enigma.
Fonte de ondas de rádio estão a 3 bilhões de anos-luz da Terra
Para ele, uma das dúvidas que ainda precisam ser mais estudadas é o motivo pelo qual esse FRB "tão espetacular" está em uma galáxia tão pequena.
O professor Chatterjee e sua equipe informaram que as pesquisas vão continuar para determinar mais detalhes sobre o fenômeno, inclusive se todos os FRBs são produzidos da mesma maneira ou possuem origens diferentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário