Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 1 de março de 2017

HORA DE DESLIGAR O CELULAR



Desconectar é um direito. Desconectar do trabalho, desconectar do celular. Daí a necessidade de reconhecer o direito a desconectar.

Hipnotizados.
De cabeça baixa. Absortos com a tela, pulando de uma conversa do WhatsApp para outra, num esforço para responder às mensagens que se amontoam. Checando a bolinha vermelha do Facebook, o email, o Snapchat, a última curtida no Instagram. Pendentes também do grupo de mensagens instantâneas que o chefe inventou de criar para passar instruções a qualquer momento, na hora que for, tanto faz, vamos estar sempre aí, disponíveis, acessíveis, localizáveis, preparados para vestirmos o macacão do funcionário disposto. Essa é a norma que aparentemente se impôs na cultura trabalhista (e das relações sociais) sob a luz das novas tecnologias; algo sobre o que, talvez, não tivemos muito tempo para refletir. É possível viver assim? É conveniente?
Tecnologia, ajuda ou atrapalha?
A hiperconectividade se instalou sem regras de etiqueta, sem códigos de conduta definidos, sem protocolos, sem tempo para processarmos seu impacto. Mas os comportamentos sociais, às vezes abusivos, já criaram a necessidade de legislar, como acaba de fazer a França. Desconectar é um direito. Desconectar do trabalho, desconectar do celular. Daí a necessidade de reconhecer o direito a desconectar.
Existe um código – variável, com diferentes versões, mas estabelecido – sobre como se portar à mesa com outros comensais. Sobre o que fazer se um idoso entra no vagão metrô. Do que dizer quando alguém faz algo por nós, “muito obrigado”. Sobre o celular, porém, ninguém nos ensinou nada. Nós o desbloqueamos entre 80 e 110 vezes por dia, segundo estudos da Apple e do fabricante de aplicativos Locket. Ele se instalou tão rapidamente nas nossas vidas que não houve tempo de consolidar normas de convivência. Predomina o uso desordenado, caótico, às vezes selvagem. E assim vamos levando.
A França, como sempre pioneira em questões trabalhistas, foi a primeira a tomar providências. Desde 1º. de janeiro, todas as empresas com mais de 50 funcionários devem estabelecer, em comum acordo com a força de trabalho, horários determinados de conexão ao celular e à Internet. Os empregados têm o direito de desfrutar de 11 horas de descanso entre duas jornadas de trabalho.
Não é o único lugar onde medidas desse tipo foram adotadas. Mais de cem municípios da Catalunha (nordeste da Espanha) já aderiram a uma reforma que pretende “humanizar” os horários, a fim de que as pessoas possam recuperar suas vidas fora do escritório – o que significa não marcar reuniões para depois das 16h e não enviar e-mails a partir das 18h, numa iniciativa batizada de Rede de Cidades e Povoados pela Reforma Horária. Na Alemanha, a Volkswagen implantou um bloqueio de acesso ao email do celular entre 18h15 e 7h da manhã seguinte. Está em marcha um processo de certa desconexão.
 “A hiperconectividade é prejudicial à saúde, como o tabaco”, diz o filósofo Puig Punyet
“É necessário abrir um debate jurídico, sociológico e político”, afirma Víctor Salgado, advogado especializado em novas tecnologias. “Todos nós estamos sendo teletrabalhadores, os assuntos do trabalho continuam nos atingindo ao chegar em casa, sentimos a pressão de precisar responder. E, se a comunicação se dá por uma conta do WhatsApp, e é possível comprovar se as pessoas leram ou não a mensagem, aí já é uma invasão máxima”, argumenta. Samantha A. Conroy, doutora em Filosofia Corporativa e pesquisadora de gestão de Recursos Humanos da Universidade Estadual do Colorado (EUA), concorda. “O seu sucesso numa empresa pode depender de você estar sempre disponível”, afirma, por telefone. Ou, dito de outra forma: sua continuidade, principalmente em mercados de trabalho voláteis, depende de você estar ligado. Além disso, muita gente (numerosos autônomos, por exemplo) não pode se dar ao luxo de desligar o celular, sob o risco de perder trabalho.
Uma pesquisa feita nos Estados Unidos por Conroy e por seus colegas Liuba Belkin, da Universidade Lehigh, e William Becker, da Universidade Tecnológica da Virgínia, e cujos resultados preliminares foram apresentados em julho, salienta que o problema não é só a necessidade de dedicar tempo a responder e-mails em horários impróprios, mas também o “estresse antecipatório” acarretado pela expectativa de receber um email que precisará ser respondido. “Essa expectativa é que leva o empregado a não poder se desconectar. Ele sente a pressão de precisar ficar checando o email, de estar preparado para responder se for necessário.”
Conroy conta que as 567 pessoas entrevistadas no estudo admitiram dedicar em média quase oito horas semanais a responder emails fora do horário de expediente. O título do estudo é Exaustos, Mas Incapazes de Desconectar.
A legislação francesa, portanto, deve satisfazer a uma silenciosa demanda latente. Segundo um estudo de 2015 da consultoria Eléas, 37% dos trabalhadores da França usam o e-mail ou outras ferramentas profissionais fora do horário de trabalho. Na Espanha, a cifra chega a 67%, de acordo com um levantamento da consultoria de RH Randstad, que aponta também que 41% dos trabalhadores afirmam se sentir pressionados a responder emails e telefonemas durante suas férias.
 “Estamos num momento de hiperconsumo das novas tecnologias”, diz Enric Puig Punyet, autor de La Gran Adicción (“a grande dependência”, inédito no Brasil), um livro que trata da hiperconectividade. “E já vemos os inconvenientes: dependência, ansiedade, falta de gestão do próprio tempo, o mau uso que as empresas fazem dessas tecnologias”, acrescenta Puig, doutor em Filosofia. Ele não está convencido de que a solução seja impor leis, ainda mais se forem tão vagas quanto a francesa, mas elogia o fato de a questão estar sendo discutida. “Deveríamos buscar uma sociedade que entenda que esta hiperconectividade é prejudicial para a saúde, como o tabaco.”
Um homem com seu tablet em um restaurante de Barcelona. ALBERT GARCIA
A capacidade de se conectar em qualquer lugar, a qualquer momento, tampouco pode ser demonizada. Para começar, há atividades em que isso é inescapável. Deixando de lado os abusos de quem acha que o trabalho é a única coisa que existe – um em cada três empregados escoceses afirma que seus chefes consideram que o emprego deve estar acima da vida pessoal e familiar, segundo um estudo do instituto YouGov –, as novas ferramentas representaram, em muitos casos, uma libertação. Agilizaram o trabalho. Permitem que se possa cumprir as tarefas em qualquer lugar, a qualquer hora. Uma flexibilidade que é muito bem-vinda, por exemplo, na hora de conciliar. “Foram criadas novas oportunidades de emprego, novos trabalhos que podem ser feitos de casa”, salienta, falando por telefone de Londres, a psicóloga Anna Cox, diretora-adjunta do UCLIC, um centro de estudos da interação entre humanos e computadores do University College London (UCL). “A qualidade de vida dos trabalhadores melhorou, eles estão mais produtivos. As novas tecnologias tiveram um impacto realmente positivo”, acrescenta.
Essa estudiosa dos equilíbrios entre a vida pessoal e a vida profissional considera que uma lei como a francesa não é necessária. “Fico preocupada quando as empresas e os Governos adotam políticas que nos levam a 20 ou 40 anos atrás, que dificultam que possamos trabalhar com flexibilidade”, diz. A imposição de obstáculos para que um trabalhador possa, por exemplo, se organizar para apanhar os filhos às 17h e continuar trabalhando em casa por mais duas horas depois disso, graças às novas ferramentas, parece um atraso.
Cox considera que a situação ideal é que o funcionário possa escolher. Haverá os que desejam fronteiras claras entre vida pessoal e trabalhista, e outros que as preferem flexíveis. E, em todo caso, sempre restará a opção de usar aplicativos que diferenciem esses âmbitos: duas contas de email, dois celulares... O desafio é que os empregados possam comunicar de alguma forma uma mensagem que não seja entendida como uma manobra de evasão: agora não estou trabalhando.
Desconectar é saudável. 
“Estar constantemente conectado ao trabalho cria um estresse que não é bom para o cérebro nem para muitos outros órgãos”, afirma, sem rodeios, Javier de Felipe, neurocientista do Centro Superior de Pesquisas Científicas da Espanha e um dos coordenadores do Projeto Cérebro Humano, iniciativa europeia de pesquisa cerebral.
Junto com as mensagens relevantes que entram diariamente na nossa vida por alguns dos canais que mantemos abertos (mensagens instantâneas, redes sociais, emails) se infiltram também dezenas de partículas de comunicação que configuram um emaranhado, puro ruído, que só serve para turvar e eventualmente adormecer as nossas mentes.
Vivemos permanentemente em alerta, dispostos a responder a um novo estímulo, a uma nova dose de adrenalina gerada por uma bolinha na tela.
 “Os estudos demonstram que somos cada vez menos capazes de tolerar o tempo que estamos a sós com nossos pensamentos. Precisamos nos conectar com nós mesmos.” É o que diz, por e-mail, a prestigiosa psicóloga Sherry Turkle, do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), autora de Reclaiming Conversation (“recuperando a conversa”, inédito no Brasil), em que convida a utilizar com inteligência as novas ferramentas tecnológicas. “A cultura de estar sempre conectado abala a criatividade das pessoas, sua capacidade de ficarem sozinhas, suas relações. No final, sua produtividade sofre, assim como o seu bem-estar.”
As fronteiras entre vida pessoal e profissional se esfumam cada vez mais. E, se há um espaço onde isso ganha corpo, é nos smartphones, que parecem aliviar algumas das mais profundas necessidades humanas. Quando nos submergimos neles, conseguimos nos relacionar, mantemos a mente ocupada e evitamos enfrentar a solidão, os nossos pensamentos. Quase sempre aparece alguém em um grupo do WhatsApp, no Facebook, no Instagram ou no Snapchat que nos oferece, por um instante, a ilusão de que não estamos sozinhos.
Mas estamos. Diante de uma tela. Diante de duas telas. Sozinhos.
A conexão permanente, de fato, parece se adequar muito bem à natureza humana. Somos uma espécie social, precisamos nos relacionar com outros, e a tecnologia nos permite desenvolver essa faceta. Além disso, somos curiosos, como bem aponta Nuria Oliver, especialista em novas tecnologias e inteligência artificial e diretora científica de dados da Data-Pop Alliance: “Acessamos as informações, os estímulos, 24 horas por dia: a Internet não fecha nunca”.
FRANÇA PROTEGE EMPREGADOS DA ‘COMBUSTÃO’ PROFISSIONAL
Os franceses querem ser a ponta de lança do direito a se desconectar, em parte como resposta aos múltiplos casos de burnout [esgotamento, combustão] ocorridos nos últimos anos por causa da pressão profissional. Em 2008 e 2009, por exemplo, houve 35 suicídios na France Telecom (atual Orange). Também ocorreram casos na Renault. Já há no país empresas como a Axa, a própria Orange e La Poste (correio), que adotaram, antes mesmo da entrada da lei em vigor, medidas que desobrigam o funcionário de responder a e-mails fora do horário de trabalho.
A redação final do texto legal, porém, ficou um tanto indefinida e muito aberta à interpretação feita em cada escritório. São as empresas que devem definir em comum acordo com os trabalhadores as medidas a serem tomadas para garantir a desconexão.
Assim, pouco a pouco, vamos perdendo a capacidade de tolerar o tédio, uma das fontes da criatividade. Quando alguém fica entediado, precisa inventar algo para matar esse tempo. É difícil resistir à tentação de abrir uma mensagem ou checar se houve alguma nova curtida no nosso último post numa rede social. “É fácil entrar no círculo vicioso da tecnologia”, diz Oliver.
É paradoxal. Às vezes nos queixamos da avalanche de emails de trabalho a qualquer hora, da entrada contínua e maciça de WhatsApps de todo tipo, das mensagens que nos distraem, daquelas que nos vemos obrigados a responder. Mas tampouco podemos viver sem elas, e respondemos. Mensagem chama mensagem. Emitimos pequenas partículas de comunicação, réplica, bobagem, tréplica. É divertido, sim; às vezes, um pouco chato. E não paramos de alimentar a fera.
 “Sofremos os inconvenientes da hiperconexão, mas nos mantemos conectados”, diz Amparo Lasén, socióloga da Universidade Complutense de Madri. “Sentimos o esgotamento, mas nos tornamos os solicitantes dessa hiperconexão. Parece difícil dizer: “Te amo muito, mas não preciso responder sempre todos os teus WhatsApps.” diz a socióloga Lasén
E, sobretudo, parece difícil deixar claro que em lugar nenhum está escrito que é preciso responder na hora.
As expectativas de disponibilidade, afirma Lasén, são cada vez maiores. Exige-se cada vez mais rapidez na resposta. Algo que, quando as demandas se multiplicam, e dependendo do ambiente profissional, transforma o trabalho em uma atividade de malabarismo avançado.
Ocupar-se digitando no celular entretém; às vezes, vicia; em outras, ajuda a mitigar um vazio qualquer.
Afinal de contas, o aparelho sempre oferece algo para fazer, uma missão a cumprir, algo que dá sentido a um dia que, de resto, provavelmente não será glorioso.
A emissão contínua de mensagens, em todo caso, não é só coisa nossa. Obedece a uma lógica, é algo que as grandes empresas tecnológicas fomentam, é algo que pulsa na arquitetura das redes, que lhes proporciona conteúdo, que permite monetizar: manter o usuário conectado gera business. “Quanto mais tempo passamos conectados, mais rentáveis somos para essas companhias”, diz Enric Puig Punyet. “Se não existisse esse modelo de negócio, não estaríamos todos levando a Internet no bolso atualmente.”
Estamos, todos nós, acima das medidas que empresas ou Governos adotem. Todos temos, no dia a dia, nossa pequena parcela de responsabilidade nesse assunto, e todos podemos contribuir para uma existência um pouco menos enlouquecida.
Uma coisa é que alguns não nos deixem desconectar. Outra, é que nos desconectemos.
Fonte: El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário