Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 8 de março de 2017

ESTUDO QUESTIONA CAPACIDADE DAS ÁRVORES DE ABSORVER GÁS CARBÔNICO



Não há quem não tenha aprendido na escola que umas das funções mais importantes das árvores é ajudar a regular o gás carbônico na atmosfera.
Mas um novo estudo realizado na Austrália questiona as estimativas sobre a quantidade de dióxido de carbono (CO2) que árvores poderiam retirar da atmosfera.
Árvores não conseguem armazenar tanto CO2 quanto se pensava anteriormente, revela pesquisa
 realizada na Austrália. Direito de imagem FREEIMAGES
Segundo cientistas da Universidade da Western Sydney University, árvores não conseguem armazenar tanto dióxido de carbono (CO2) quando se pensava.
Os experimentos põem em dúvida a tese de que níveis crescentes de CO2 na atmosfera intensificariam o desenvolvimento (o chamado efeito de fertilização) das árvores - que se "alimentam" do carbono retirado do ar através da fotossíntese - aumentando assim a absorção do gás.
O estudo foi publicado na revista científica Nature Climate Change.
Segundo os cientistas, a pesquisa também indica que, por este motivo, levantamentos internacionais sobre o armazenamento de gás carbônico nas florestas podem estar superestimados.
Eles analisaram, por cinco anos, eucaliptos nos limites de Sydney que foram artificialmente bombardeados por altas doses de dióxido de carbono lançadas por tubos a 28 metros de altura.
O objetivo do experimento era simular os níveis de CO2 na atmosfera previstos para 2050.
A fotossíntese das árvores estudadas aumentou em 19% em três anos, mas – como elas crescem em uma região de solo pobre – a intensificação do processo não teve o impacto esperado no seu crescimento.
Como resultado, mais gás passou a ser absorvido, porém este aumento também não foi significativo, segundo os cientistas, diante do intenso bombardeio de CO2 sofrido pelas plantas.
Os cientistas afirmaram que os resultados tendem a ser mais contundentes em solo de pior qualidade, com baixas taxas de fósforo ou nitrogênio.
Eles acrescentaram que isso poderia ter implicações importantes para outras regiões com florestas tropicais e subtropicais.
Este texto faz parte da série #SoICanBreathe, dedicada a problemas causados pela poluição

Nenhum comentário:

Postar um comentário