Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

sábado, 8 de junho de 2013

CIENTISTAS CONSEGUEM FAZER “TELETRANSPORTE QUÂNTICO” DE ÁTOMOS DE GÁS


Segundo os cientistas, este foi um avanço fundamental, embora o mais importante ainda esteja por vir.

Jornal GGN - Cientistas do Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhage, na Dinamarca, anunciaram, nesta semana, que conseguiram fazer o “teletransporte quântico” de átomos gás césio a uma distância de 50 cm. Resultado de aprimoramento de processo similar realizado em 2006, o feito foi publicado na revista científica Nature Physics. De acordo com a pesquisa, os cientistas fizeram vários experimentos de teletransporte de “nuvens de átomos”, todas com sucesso.
O processo de teletransporte ocorre com uso de dois recipientes de vidro, posicionados a meio metro um do outro e dentro de uma câmara carregada com campo magnético. Em ambos, há “nuvens” contendo bilhões de átomos de gás césio. Um dos recipientes é atingido por um facho de luz laser, que se funde com a nuvem de átomos do gás por meio de um fenômeno quântico “estranho”. A luz e os átomos do gás césio ficam sincronizados entre si em um processo ainda não totalmente compreendido pelos cientistas.
A fusão quântica entre as partículas do laser e os átomos do gás só é possível porque a luz incidida possui um comprimento de onde específico. Ao serem atingidos pela luz, os elétrons dos átomos do gás césio reagem, tornando-se em uma espécie de “agulhas magnéticas”, que apontam na mesma direção. A orientação dos elétrons – para cima ou para baixo – permite que o gás passe a registrar informações “quânticas” de sentido lógico, como nos computadores: 0 e 1 (falso e verdadeiro).
Como funciona
O gás, por sua vez, emite fótons (partículas de luz) que contêm a informação quântica. Essa luz, então, é enviada a uma velocidade de 200 metros por segundo para o outro recipiente de gás. A informação quântica presente na luz do laser é “lida” por um detector, que envia de volta ao primeiro recipiente a informação referente ao padrão das direções dos elétrons dos átomos do gás césio do segundo recipiente. O padrão do direcionamento dos elétrons – a informação “quântica” – é ajustado em relação ao sinal do detector. O ajuste, de acordo com a pesquisa, completa o processo de teletransporte.
Uma das dificuldades encontradas pelos cientistas era que a informação quântica repassada entre os recipientes era perdida quando a luz atravessava a superfície do vidro dos frascos. Para resolver o problema, os pesquisadores usaram um revestimento de parafina no interior de cada recipiente, fazendo com que os átomos de gás não perdessem sua a codificação (posicionamento dos elétrons) ao esbarrar no vidro. A solução, conforme explica o professor Eugene Polzik, integrante da equipe, não foi tão fácil como parece.
Comunicação quântica
Além do processo de fusão quântica – um dos primeiros passos para o teletransporte –, os cientistas também precisaram desenvolver um detector sensível o suficiente para fazer a leitura de informação quântica dos fótons da luz laser. Os pesquisadores avisam, contudo, que o experimento controlado em laboratório ainda não tem previsão para ser aplicado no cotidiano. Mas explicam que a distância usada nos experimentos – 50 cm –, que não chega a ser surpreendente, é uma limitação física do laboratório, não da técnica de teletransporte.
“Poderíamos aumentar a distância, se tivéssemos o espaço e, em princípio, poderíamos teletransportar informações, por exemplo, para um satélite”, explica Eugene Polzik, destacando que os resultados representam um importante passo para o desenvolvimento de uma rede de comunicação quântica no futuro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário