Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

HONG KONG TRANSFORMOU ESCADAS ROLANTES EM MEIO DE TRANSPORTE PÚBLICO



É uma manhã de sexta-feira em Hong Kong, e o chamado para as orações na Mesquita de Jamia se mistura ao clique-claque de outro cartão postal: a Escada Rolante Central.
Trata-se do mais extenso sistema de escadas rolantes do mundo, que conecta o Distrito Financeiro com as ruas residenciais do bairro Mid-Levels.
Escadas rolantes foram a maneira que Hong Kong encontrou para vencer desafios do relevo
Em Hong Kong, escadas rolantes são um meio de transporte público: a Escada Rolante Central-Mil Levels, por exemplo, transporta 85 mil pessoas por dia.
Nas manhãs, por exemplo, fiéis muçulmanos a utilizam para ir à mesquita. Mas 12 horas mais tarde, a cena muda de vez: um rugido de música e conversas em voz alta escapa dos bares de boates.
É nesse horário que a escada rolante mistura trabalhadores de escritório terminando a longa jornada do dia com a turma que se prepara para a noitada.
Colina acima
Cidades com colinas sempre encontraram maneiras criativas de transportar seus cidadãos por terrenos mais acidentados.
São Francisco, por exemplo, tem os bondes. Lyon e Barcelona, os funiculares. E o Rio de Janeiro acena com os teleféricos. Mas Hong Kong foi a primeira a usar a escada rolante como transporte.
Quando o território se tornou uma colônia britânica, em 1842, o então governador-geral, Henry Pottinger, idealizou uma cidade grandiosa, localizada em uma parte mais plana da ilha, e com canais ao estilo de Veneza para transportar pessoas e produtos.
Os planos, porém, foram frustrados pelos militares de Sua Majestade, que ocuparam uma larga extensão das terras baixas e forçaram a construção da cidade entre as colinas íngremes do lado ocidental.
 Sistema Central-Mid Levels foi inaugurado em 1993
Os ricos de Hong Kong se habituaram a construir mansões e casarões nos Mid-Levels, um cinturão de terra plana no Monte Vitória, a montanha de 553 metros que domina a ilha.
Isso começou a mudar apenas na década de 70, quando um boom na construção civil se aproveitou de uma legislação de planejamento urbano leniente e cobriu as encostas com arranha-céus.
Em meados da década seguinte, a área estava superlotada, com uma população de 45 mil pessoas prevista para dobrar nos 20 anos seguintes. Diariamente, o esgoto de canos sobrecarregados vazava para as galerias pluviais. As ruas do distrito estavam entupidas de carros, táxis e ônibus.
A solução apresentada pelo governo da ilha foi idealizar uma rede de escadas rolantes e esteiras que poderiam carregar os pedestres ladeira acima.
"Traçamos os planos em 1984, e a ideia era que as pessoas usassem o sistema em vez de dirigir ou pegar táxis para ir ao trabalho, o que reduziria os congestionamentos", explica o arquiteto Remo Riva, diretor da P&T, empresa de arquitetura e urbanismo que prestou consultoria para Hong Kong.
O projeto-piloto aprovado envolvia 20 escadas rolantes e três esteiras, que se espalhariam por 800 metros de extensão e subiriam 150 metros. De manhã, elas funcionariam no sentido de descida para a hora do rush - e passariam a subir a partir de 10h30.
Controvérsias
À época, lojistas ao longo da rota odiaram o plano e pediram indenizações pela perda de potenciais clientes.
O jornal South China Post fez um trocadilho com a famosa canção do grupo de rock britânico Led Zeppelin e descreveu o projeto como uma "escadaria para o inferno".
Outro apelido jocoso para o sistema foi "lagarta hightech", em alusão aos atrasos na construção. E, para alguns moradores, a inauguração da escada rolante, em 15 de outubro de 1993, foi sinônimo de um eterno zumbido à noite.
Obra causou tensões em Hong Kong e estourou em várias vezes o orçamento
A obra custou US$ 28 milhões (R$ 89 milhões), estourando em mais de seis vezes o orçamento original.
Mas hordas de passageiros quase provocaram tumultos no primeiro dia de operação. E mais de 20 mil pessoas passaram a usar o serviço por dia.
O problema é que logo ficou claro o efeito absolutamente insignificante do sistema nos engarrafamentos.
"Talvez tenha um pouco irrealista esperar que a escada rolante reduzisse substancialmente o fluxo nas ruas", disse, durante uma audiência na Câmara Legislativa, o então secretário de Transportes de Hong Kong, Haider Barma.
Mas ela tornou a rotina de muita gente mais conveniente. Mesmo judeus ortodoxos se dirigindo à sinagoga de Robinson Road receberam autorização para usá-la aos sábados - o dia sagrado em que não é permitido dirigir, de acordo com a Lei Judaica.
E o sistema foi bastante bem-sucedido em um aspecto: valorizou o mercado imobiliário. Bairros em seu percurso hoje são alguns dos mais caros em Hong Kong.
Se motoristas não mudaram seus hábitos, usuários do transporte coletivo adotaram a escada rolante, que virou também uma atração local e internacional, o que alavancou a transformação de Mid Levels em uma região boêmia.
Hong Kong foi construída em terreno montanhoso
Isso ajuda a explicar o porquê de, apesar da Escada Rolante Central-Mid Levels, autoridades de Hong Kong aprovarem a construção de um novo sistema em Centre Street.
Quando esse link finalmente ficou pronto, em 2013, os preços de aluguéis comerciais na região dobraram. E embora a escada rolante tenha apenas 200 metros de extensão, mas de 27 mil pessoas a usam diariamente para "escalar" uma das ruas mais íngremes da ilha.
Porém, quando outro projeto foi proposto para Pound Lane, moradores resistiram à ideia, temendo que a construção fosse trazer multidões e arranha-céus para uma área ainda marcada por estreitas ruas para pedestres.
E há uma má notícia para as dezenas de milhares de pessoas que usam diariamente a Central-Mid Levels: elas terão de buscar uma alternativa no ano que vem, quando o sistema passará por uma rigorosa manutenção para a substituição de peças desgastadas por 25 anos de uso diário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário