Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

domingo, 10 de outubro de 2010

COMO ALTERAR O SEU DESTINO GENÉTICO

Afinal, os genes não explicam tudo

os genes não explicam tudo

O novo domínio da Epigenética vem mostrar que o ambiente e as opções de vida podem influenciar o nosso código genético - e o dos nossos filhos.
Num artigo escrito JOHN CLOUD e publicado na revista Visão, podemos ficar a saber mais sobre esta ciência chamada Epigenética.

(...) Os geneticistas começam a reconhecer que talvez tenhamos ignorado com demasiada facilidade um naturalista que antecipou a Epigenética moderna - e que os darwinistas sempre denegriram. Jean-Baptiste Lamarck (1744-1829) defendia que a evolução podia ocorrer dentro de uma geração ou duas. Afirmava que os animais absorviam certas características durante a sua vida devido ao ambiente e às opções. O mais célebre exemplo lamarckiano: as girafas adquiriram o seu longo pescoço porque os seus antepassados recentes o tinham esticado para alcançarem as folhas altas, ricas em nutrientes.
Darwin, pelo contrário, argumentava que a evolução não funciona mediante o fogo do esforço, mas através da seleção fria e imparcial. Pelo pensamento darwinista, as girafas ficaram com o seu longo pescoço num percurso milenar, porque esses genes específicos tinham, muito lentamente, adquirido uma vantagem. Darwin, 84 anos mais novo do que Lamarck, era o melhor cientista, e ganhou a partida. A evolução lamarckiana passou a ser vista como um disparate científico. Mas a Epigenética obriga, agora, os cientistas a reavaliarem as ideias de Lamarck.
Mas como podemos aproveitar o poder da Epigenética? Antes da resposta, é preciso esperar pela elaboração completa do mapa epigenômico, que irá requerer grandes avanços na capacidade de computação. Quando concluído, o Projecto Epigenômico Humano (já em curso na Europa) fará o Projeto do Genoma Humano parecer os trabalhos de casa que os alunos do século XV faziam com o ábaco.
O potencial é, pois, tremendo. Durante décadas, andamos a tropeçar em enormes calhaus darwinianos. Pensávamos que o DNA era um código indelével com que nós, os nossos filhos e os filhos deles teríamos de viver. Agora, é possível imaginar um mundo em que podemos martelar o DNA, moldá-lo à nossa vontade. Os especialistas em Genética e em Ética vão levar muitos anos a descortinar as implicações, mas não tenhamos dúvidas: a era da Epigenética já chegou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário