Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

PESQUISADORES DESCOBRIRAM, NOS CORREDORES DO MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL DE LONDRES, AQUELE QUE PODE SER O MAIS ANTIGO DINOSSAURO CONHECIDO, COM 245 MILHÕES DE ANOS

O misterioso fóssil está há décadas no acervo do museu, e agora identificou-se que ele provavelmente era um dinossauro que viveu há cerca de 245 milhões de anos - 10 a 15 milhões a mais do que qualquer amostra anteriormente descoberta.
O Fóssil, do "Nyasasaurus parringtoni", tinha mais ou menos o tamanho de um cão labrador. Ele deve seu nome ao lago Niassa, na África Oriental, e ao cientista Rex Parrington, da Universidade de Cambridge, que recolheu o fóssil próximo ao lago, na década de 1930.
"Foi o caso de olhar para o material com um par de olhos frescos", disse à Reuters Paul Barrett, do Museu de História Natural, que participou do estudo. "Isso fecha uma lacuna nos registros fósseis e faz recuar a existência dos dinossauros."
Um estudo anterior desse fóssil, na década de 1950, havia sido inconclusivo, segundo Barrett. "Era um mistério sobre o que era... Virou esse animal mítico."
Pintura do artista de Nyasasaurus parringtoni, ou dinossauro mais antigo ou o parente mais próximo dos dinossauros já descobertos. Nyasasaurus parringtoni podia ter até 10 metros de comprimento, pesava talvez £ 135 e se alimentava de répteis do gênero Stenaulorhynchus. Crédito: (c) Museu de História Natural de Londres / Mark Witton)
Duas características no fóssil de Londres, junto com uma amostra semelhante localizada posteriormente no Museu Sul-Africano Iziko, na Cidade do Cabo, trazem fortes indícios de que o animal era um dinossauro.
Os tecidos ósseos do antebraço mostram marcas de crescimento rápido, comum em dinossauros, e também apresentam a chamada crista deltopeitoral alongada, que ancorava os músculos do antebraço, algo exclusivo dos dinossauros.
"Embora só conheçamos o 'Nyasasaurus' de fragmentos fósseis, a anatomia do osso do antebraço e dos quadris tem características que são únicas para os dinossauros, o que nos deixa confiantes de que estamos lidando com um animal muito próximo da origem dos dinossauros", disse Barrett.
Os pesquisadores acreditam que o Nyasasaurus provavelmente andava ereto, com 1 metro de altura até o quadril, 2 a 3 metros da cabeça à cauda, e 20 a 60 quilos de peso.
Ele viveu numa época em que os continentes estavam unidos em uma vasta massa de terra chamada Pangea. A área da Tanzânia onde os fósseis foram achados ficava no sul da Pangea, o que incluía as futuras África, América do Sul, Antártida e Austrália.
Matéria em:


Nenhum comentário:

Postar um comentário