Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

terça-feira, 19 de junho de 2012

AMERICANOS E GRUPOS BRASILEIROS SE UNEM PARA RESTAURAR FLORESTAS

Representantes de diversas agências das Nações Unidas firmaram hoje (16/6) um compromisso de fazer com que os aspectos sociais, econômicos e ambientais não sejam tratados isoladamente nos programas de cooperação internacional para o desenvolvimento.
A China um dos maiores produtores do mundo, que em nome do capitalismo e do lucro, degradam a qualidade de vida dos funcionários e, é país mais poluidor do planeta.
Digo isto porque 99% das empresas mundiais estão usando se sediando na China e usando mão de obra barata (em torno de 60 reais mês) para fabricação de produtos que são vendidos para outros países com preços exorbitantes. Como alcançar os três pilares do desenvolvimento  desta forma se a ONU não se pronuncia a respeito deste tipo de poder econômico?
Estados Unidos, Ruanda e uma coalizão de grupos brasileiros prometeram nesta segunda-feira restaurar ao menos 18 milhões de hectares de florestas, em um dos primeiros compromissos do "Desafio de Bonn", que busca recuperar 150 milhões de hectares de terras desmatadas até 2020.
Desmatamento ilegal no Pará, encontrado em dezembro de 2011
 Foto de Lunae Parracho/AFP
Ao menos 15 milhões de hectares serão restaurados "em 20 linhas divisórias de água em florestas, incluindo regiões tribais, através dos Estados Unidos", disse Elise Golan, diretora de desenvolvimento sustentável do departamento americano de Agricultura, à margem do Rio+20.
Dois milhões de hectares serão restaurados em Ruanda e ao menos um milhão de hectares, na mata atlântica no sudeste do Brasil, com o trabalho de uma coalizão de agências governamentais, ONGs, empresas e uma aliança de povos indígenas.
A União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês), que apoia a iniciativa, afirma que restaurar estes 150 milhões de hectares de floresta trará benefícios econômicos de mais de 80 bilhões de dólares, além de reduzir a chamada "brecha de emissões" - a diferença entre a atual produção de gases do efeito estufa e o necessário para levá-la a um nível mais seguro - em entre 11% e 17%.
"A maior iniciativa de restauração (de florestas) do mundo já está em curso, e trará enormes benefícios mundiais em renda, segurança alimentar e combate ao aquecimento global", disse Marton-Lefevre, chefe da IUCN.
"Convocamos outros países e proprietários de terras a seguir este exemplo".
Desde 1992, o manto vegetal de florestas primárias no mundo teve uma redução de 300 milhões de hectares, uma área quase do tamanho da Argentina.
As maiores perdas ocorreram em regiões tropicais de grande biodiversidade. Já no hemisfério norte, a recuperação superou o desmatamento.
Segundo a Organização da ONU para Alimentação e Agricultura (FAO), 350 milhões das pessoas mais pobres do mundo, incluindo 60 milhões de indígenas, dependem das florestas para sua subsistência diária e sobrevivência a longo prazo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário