Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

segunda-feira, 4 de junho de 2012

OS CAÇADORES DE MEL DO NEPAL

O povo Rai, do Nepal, arrisca sua vida para coletar mel da Apis laboriosa, a maior abelha do mundo. O fotógrafo francês Eric Tourneret explica que o mel é um dos mais valiosos que existem e, por este motivo, não é vendido. Os nepaleses acreditam que nele existem propriedades terapêuticas, apesar de também ter poder tóxico, e dividem o produto entre os vilarejos da região.
Para coletar o valioso mel, homens escalam alturas de mais de 70 m sem sofisticados equipamentos de segurança na tentativa de chegar à abelha himalaia.
"É um trabalho muito perigoso e muitos já morreram executando-o", diz o fotógrafo, que acompanhou os Rai em uma jornada no vale Bung, no nordeste do Nepal. Enquanto um dos homens sobe para derrubar a colmeia com uma vara - segurando-se apenas na escada de bambu -, os outros ficam no chão para coletá-la.
"Apesar de ser uma atividade perigosa, nenhum dos homens parece intimidado em subir (a escada); foram ensinados por seus pais e seus avós", diz o fotógrafo. A prática, porém, torna-se cada vez mais rara à medida que as abelhas se aproximam da extinção.
Fonte: BBC
Para a maioria de nós, um pote de mel está apenas um supermercado de distância. Mas para o povo Rai do Nepal, recolher o mel envolve uma escalada desafiando a morte em escadas e cordas feitas por eles - e uma missão de quatro horas para extrair o precioso néctar nas montanhas do Nepal.
 
Para piorar a situação, os audaciosos caçadores estão sob ataque das abelhas Apis laboriosa, a maior de todas abelhas melíferas do mundo, enquanto empoleiram-se a 80 metros de altura do lado de um penhasco.

O fotógrafo francês Eric Tourneret, 47 anos, que acompanhou um grupo em uma viagem disse: "É um trabalho muito perigoso. Muitas pessoas morrem ao fazê-lo".
Eles usam varas de bambu afiadas para cortar o favo de mel antes de deixá-lo cair no chão para outros membros recolherem. Sua única proteção contra quedas é amarrar seus pés em escadas improvisadas de bambu.
Esse tipo de mel tem um valor alto, mas as pessoas das aldeias preferem não negociá-lo, acreditando que ele tem poderes terapêuticos.
SAIBA MAIS SOBRE AS ABELHAS
Abelha é a denominação comum de vários insetos pertencentes à ordem Hymenoptera, da superfamília Apoidea, aparentados das vespas e formigas. O representante mais conhecido é a Apis mellifera, oriunda do Velho Mundo, criada em larga escala para a produção de mel. As espécies de abelhas nativas das Américas (Novo Mundo) não possuem ferrão.
Classificação zoológica
Reino: Animalia
Classe: Insecta
Ordem: Himenóptera
Sub-ordem: Apócrita
Família: Apidae
Sub-família: Apinae
Super-família: Apoidea
Tribo: Apini
Gênero: Apis
Espécie: Mellifera
A Colmeia
Uma colônia é constituída por cerca de 60.000 a 80.000 operárias, 1 rainha e de 0 a 400 zangões. As abelhas operárias tem origem num ovo feminino fecundado igual ao da rainha, a diferença ocorre com relação a alimentação e o berço, no caso da operária a larva só recebe geléia real até o terceiro dia de vida. Elas realizam todo trabalho na colmeia, obedecendo uma divisão de trabalho regulada pela idade. Durante o segundo e terceiro dia de vida as operárias se dedicam a limpeza dos alvéolos; a partir do quarto dia desempenham a sua mais importante tarefa: a de preparar e cuidar da alimentação das larvas, recebendo o nome de abelhas nutrizes. Do décimo quarto ao décimo oitavo dia, se dedicam a produção de cera e à construção dos favos, são também as que determinam a saída do enxame e abandono de moradia; do décimo nono ao vigésimo dia ficam de sentinelas no alvado, com finalidade de defender a colmeia de qualquer invasor. A partir do vigésimo primeiro dia até a morte, por volta do quadragésimo segundo dia, as abelhas iniciam os trabalhos fora da colmeia, coletando néctar, pólen, resinas e água, e recebem o nome de abelhas campeiras.
Os zangões nascem de óvulos não fecundados, e são bem maiores que as operárias. Não possuem órgão de defesa e nem apêndices de trabalho, por isso suas atividades de restringem unicamente a comer e ficar esperando pelo vôo de fecundação de uma rainha virgem. Possuem órgãos sensoriais extremamente desenvolvidos e podem sentir a presença de uma rainha virgem numa distância de até 16 km. Tem liberdade para circular pelas colmeias do apiário, entretanto quando falta alimento, são expulsos e ficam no alvado até morrer de frio. Quando conseguem fecundar uma rainha, morrem com a prolotação dos seus órgãos sexuais.
A rainha é a única abelha cujos órgãos estão completamente desenvolvidos, isso porque ela é criada numa célula especial, a realeira, e ao contrario das operárias recebem geléia real durante toda vida larvária e adulta. No vôo nupcial chega a copular com 10 a 20 zangões e uma vez iniciada a postura pode colocar mais 3.000 ovos por dia. É responsável pela união da família, através da emissão constante de um feromônio, produzido pela glândula de Thanassof.
Raças de abelhas existentes no mundo:
Região do Mediterrâneo Central e Sul Europeu:
Apis Ligústica
Apis Carnica
Apis Macedônia
Apis Sicula
Apis Cecropia
Região do Mediterrâneo e Norte Europeu:
Apis Mellífera
Apis Ibérica
Apis Sachariensis
Apis Intermissa
Região Meio Oeste Europeu:
Apis Meda
Apis Adami
Apis Cypria
Apis Caucássica
Apis Armênica
Apis Anatolia
Região da África:
Apis Intermissa
Apis Major
Apis Adansonii
Apis Unicolor
Apis Capensis
Apis Monticola
Apis Scutelata
Apis Yementica
Apis Litorea
Região da Ásia:
Apis Koschevnikovi
Apis Nuluensis
Apis Nigrocincta
Apis Dorsata
Apis Laboriosa
Apis Florea
Apis Anderniformis
Subespécies da Apis cerana:
Apis Cerana
Apis Indica
Apis Japônica
Apis Himalaya

Não existem abelhas do Gênero Apis nativas do continente americano, entre as raças citadas, as mais comuns e exploradas são:
Apis mellífera mellífera
Tem sua origem no Norte e Oeste dos Alpes Europeus e na Rússia Central, são conhecidas popularmente como abelhas do Reino, da Europa ou abelha preta. Antes da introdução das abelhas africanas era a raça predominante no Brasil, são grandes com abdômen largo, coloração preta e peludas. Quando puras, são mansas, pouco enxameadeiras e resistentes ao inverno, o cruzamento com italianas produz híbridos agressivos porém bastante produtivos.
Apis mellífera ligustica
Conhecida como abelha italiana é a raça mais criada no mundo. É do mesmo tamanho que a abelha preta e possui o corpo coberto de pelos amarelos compridos, mais acentuados nos três primeiros anéis abdominais. No zangão, a coloração é mais pronunciada e uniforme em todo o corpo. São bastante mansas e pouco enxameadeiras e a rainha é de fácil localização, o que facilita o manejo por parte o apicultor. Produzem opérculos de cor clara e se reproduzem bem, entretanto são pilhadoras na época da florada.
Apis mellifera adansonni
É originária do continente africano. São de porte pequeno e constroem células menores, os zangões são amarelados assim como as operárias. São agressivas, enxameadeiras e migratórias, entretanto são propolizadoras, produtivas nas linhagens selecionadas, madrugadeiras e trabalham até mais tarde. Foi introduzida no Brasil na região de Rio Claro-SP em 1956 para fins científicos e acabou escapando, e no cruzamento com as raças européias aqui existentes, produziu um híbrido que passou a ser chamado de abelha africanizada. Bastante produtivo e ao mesmo tempo muito agressivo, se alastrou rapidamente por todo o continente, sem meios de extermina-los os apicultores se uniram associações com o objetivo de controla-lo e utiliza-lo como excelente produtor de mel. Assim com o desenvolvimento de novas técnicas e a utilização de medidas de segurança, foi possível obter um boa produção de mel e houve um desenvolvimento acentuado na apicultura em nosso País.
Apis mellifera carníca
É originária dos Alpes Austríacos e da Iugoslávia. Possuem anéis cinzas e são populares no Sul do Brasil, nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Estão quase extintas no Brasil, dominadas pelas africanizadas.
Apis mellifera caucásica
É originária da região central da Rússia. Possuem anéis cinzas acentuados, são pouco enxameadeiras e boas propolizadoras. Não são muito difundidas no Brasil.
Fonte: WIESE, Helmuth. Apicultura-novos tempos. 2000.

Um comentário:

  1. achei o programa apresentado pela discovery channel maravilhosa,obra em conjunto de fotógrafos corajosos e do fearless chef,o valente chef gastronômico keniano kiran jethwa,e sua brilhante atuação,acompanhando os caçadores (coletores) do precioso mel silvestre;adorei a matéria,parabéns a todos!!!

    ResponderExcluir