Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

PESQUISADORES FOTOGRAFAM PELA 1ª VEZ FILHOTE DE TATU-CANASTRA



Uma equipe de pesquisadores registrou no Pantanal o que dizem ser as primeiras imagens já feitas de um filhote de tatu-canastra (Priodontes maximus).
As fotos inéditas do tatu foram feitas na Hotel Fazenda Baía das Pedras, no município de Aquidauana, no Pantanal sul-matogrossense.
Desde novembro de 2011 a equipe do Projeto Tatu-Canastra Pantanal monitora uma fêmea adulta da espécie com a ajuda de rádiotelemetria e armadilhas fotográficas.
Em junho de 2012 a fêmea foi observada pela primeira vez compartilhando sua toca com um macho adulto. Eles permaneceram juntos por alguns dias mas, depois, o macho desapareceu e nunca mais foi visto.
Armadilhas foram instaladas para flagrar mãe e filhote no pantanal (Crédito: Pantanal Giant Armadillo Project/ Fazenda Baía das Pedras)
A fêmea continuou com seu comportamento e alimentação normais até que, em novembro, o comportamento mudou. Em vez de mudar de toca periodicamente, ela começou a reutilizar a mesma toca por mais de 30 dias.
A partir daí, a equipe de pesquisadores começou a monitorar mais de perto a toca até que, três semanas depois, as armadilhas fotográficas conseguiram capturar o focinho do filhote quando a fêmea entrava de volta na toca.
A primeira foto de corpo inteiro do filhote foi tirada cerca de quatro semanas após o nascimento, quando os dois animais mudavam de toca e o filhote seguiu a mãe por aproximadamente 200 metros.
"Documentar o nascimento de um filhote de tatu-canastra é um passo extraordinário que nos ajudará a compreender a biologia e reprodução desta espécie tão enigmática para que finalmente possamos conservá-la", afirmou Arnaud Desbiez, coordenador do Projeto Tatu-Canastra Pantanal.
Os cientistas já tinham observado rastros de um tatu-canastra adulto seguido de outro menor, o que, de acordo com eles, potencialmente confirma a gestação de apenas um filhote por vez.
No entanto, os pesquisadores ainda não sabem, por exemplo, qual é o intervalo entre uma gestação e outra.
"Isso ilustra a importância de estudos de longo prazo e a necessidade de árdua dedicação da equipe a fim de obter as informações cruciais para a conservação de espécies raras", disse Desbiez.
Vulnerável
O projeto que levou às fotos inéditas teve início em 2010 no pantanal (crédito:
Kevin Schafer/ Pantanal Giant Armadillo Project/ Fazenda Baía das Pedras)
O tatu-canastra pode chegar a 1,5 metro (incluindo a cauda) e pesar cerca de 50 quilos. Ele tem enormes garras, que podem chegar a medir até 20 centímetros, e hábitos noturnos.
O habitat do tatu-canastra está espalhado por toda a América do Sul. Ele é encontrado em florestas tropicais e também no cerrado, mas seu comportamento reprodutivo ainda é pouco conhecido.
A espécie está classificada como "vulnerável" pela Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em Inglês).
A queda da população do tatu-canastra pode estar associada à perda de habitat natural.
Os pesquisadores do projeto relatam que a maior parte dos moradores da área onde eles concentram os estudos do tatu-canastra, muitos deles nascidos e criados na região, relatam nunca ter visto o animal, acreditando que ele já estava extinto na região.
O Projeto Tatu-Canastra Pantanal teve início em julho de 2010, na Fazenda Baía das Pedras e é uma parceria com a ONG escocesa Royal Zoological Society of Scotland, além da ONG brasileira Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) e outras instituições em vários países.

Nenhum comentário:

Postar um comentário