Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

O AQUECIMENTO GLOBAL VAI FAZER A NEVE DESAPARECER?


A Times Square de Nova York ainda terá neve em 2050?

Um "snowmageddon", ou armagedon de neve, se tornou quase uma tradição anual nos Estados Unidos. Hoje é difícil ver um ano sem alguém, em algum lugar, em meio a uma intensa tempestade de neve. Os "sortudos" mais recentes foram os moradores de Nova York.
Considerando que o mundo está cada vez mais quente em decorrência das mudanças climáticas por ação humana, esse fenômeno pode parecer estranho para alguns. Se o mundo está esquentando, essas nevascas não deveriam ser mais raras?
Uma resposta – que sempre aparece depois de uma forte tempestade de neve – é dizer que o aquecimento global é um "mito".
Mas mesmo se você concordar com o amplo consenso científico sobre a realidade da mudança climática, a força das nevascas ainda pode ser algo intrigante. Talvez o planeta ainda não tenha esquentado o suficiente para derreter toda a neve?
A resposta verdadeira é bem surpreendente. Nevascas extremas são uma consequência esperada de um mundo mais quente.
Pode parecer paradoxal, mas isso porque costumamos acreditar que o clima frio é a única condição para a neve.
Na verdade, nevascas precisam de algo mais para acontecer: uma boa quantidade de umidade atmosférica. Em geral, essa umidade se forma em massas de ar quente, porque a atmosfera pode comportar 7% mais vapor d’água sempre que a temperatura sobe 1ºC.
Tais bolsões de ar quente se tornaram mais comuns com a mudança climática, e ajudam a explicar o que ocorreu na costa leste dos EUA neste inverno no hemisfério Norte.
Em parte por consequência do aquecimento global, o oceano Atlântico é mais quente hoje do que há algumas décadas. O resultado é que o ar sobre o Atlântico também está mais quente e úmido.
Quando esse ar quente encontrou o ar frio e seco do Ártico, formou-se uma tempestade de inverno – e estavam dadas as condições para uma nevasca gigantesca.
Imagem de satélite mostra a dimensão da última nevasca nos EUA
Daqui em diante, a costa leste dos EUA pode esperar eventos climáticos extremos por muitos anos, porque os ingredientes para os "armagedons de neve" irão continuar a ocorrer. O oceano Atlântico seguirá abastecendo a região com ar quente e úmido no inverno e o Ártico manterá suas remessas de ar frio e seco para o sul.
"É possível que em 30 anos o Ártico perca todo o gelo por pequenos períodos no pico do verão, mas no inverno a região continuará congelada", diz Kevin Trenberth, pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica, em Boulder (EUA). "Então o ar frio continental continuará a se formar."
Mudanças climáticas, porém, são complexas. Mesmo se um planeta mais quente ajuda a criar condições para nevascas extremas em algumas regiões, isso não significa necessariamente que haverá mais neve como um todo.
"Na comparação com as precipitações anuais de neve, eventos extremos de neve respondem de forma diferente à mudança do clima", afirma Paul O’Gorman, do MIT (Massachusetts Institute of Technology).
Em um estudo de 2014, O'Gorman usou modelos computacionais para investigar como nevascas moderadas e intensas no hemisfério norte poderão mudar de padrão no final do século, caso as emissões de gases estufa continuem altas.
Para regiões localizadas a menos de 1000 metros acima do nível do mar e que costumam ter temperaturas abaixo de zero no inverno, a conclusão é que as chances de nevascas extremas irão cair, em média, apenas 8%. Mas o total de neve a atingir essas áreas em cada inverno pode cair até 65% em média.
"Há regiões em que o total de neve estacional deverá cair, enquanto a intensidade de nevascas extremas não mudará muito, ou ate crescerá", afirma O'Gorman.
A tempestade deixou o leste dos EUA coberto em branco
A própria estação de neve também deverá diminuir no futuro. O começo e o fim do inverno serão mais quentes no hemisfério Norte, então, segundo Trenberth, qualquer precipitação nesses períodos será em forma de chuva, e não de neve.
Em outras palavras, clima com neve poderá de fato ser mais raro no futuro, e a estação em que a neve se forma será mais curta, mas os "armagedons" de gelo deverão ser tão intensos como os de hoje.
Essa é uma má notícia para negócios que dependem da neve. "Muitos resorts de neve da costa leste dos EUA sairão do mercado por força da natureza mais esporádica das tempestades de neve, a não ser que encontrem novas oportunidades", prevê Trenberth.

Nenhum comentário:

Postar um comentário