Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sábado, 1 de setembro de 2012

EXCESSO DE E-MAILS LEVAM A INFOBESIDADE

Se você não consegue administrar as mensagens que inundam seu correio eletrônico e não consegue priorizar o fluxo cada vez maior de informações, é provável que esteja sofrendo de "infobesidade", ou excesso de mensagens e informações, um mal que afeta, cada vez mais, trabalhadores do mundo inteiro.
A "infobesidade", tradução do inglês para "information overload", pode ser definida como "a doença da sobrecarga de informação", explica à AFP Caroline Sauvajol-Rialland, professora da Université Catholique de Louvain e da Sciences Po de Paris.
O principal responsável por este mal é o e-mail, que se tornou a principal ferramenta de trabalho e de comunicação nas empresas.
"É um verdadeiro sofrimento. As pessoas entram em uma situação de angústia constante e de frustração porque não conseguem acompanhar o fluxo contínuo que, em consequência, leva a uma sensação de impotência e a um forte estresse", esclarece a professora.
"Somos ao mesmo tempo receptores e usuários da informação, e ainda transmissores de informação, ou seja, somos as principais vítimas dessa sobrecarga, mas também os principais atores", acrescenta.
Thierry Venin, do Centro Nacional francês de Pesquisa Científica, aponta que "a urgência gera a urgência".
"Assim que recebemos um e-mail, temos que responder imediatamente, caso contrário, o remetente nos pergunta se recebemos sua mensagem. Um minuto livre? Rápido, chequemos nossas caixas de entrada para ver se há algo novo! Há um aspecto viciante", adverte.
Em uma pesquisa sobre o estresse no trabalho, mais de 80% dos entrevistados estima que as ferramentas eletrônicas aumentam a quantidade de informação para lidar e impõem intervalos de tempo cada vez menores.
O excesso de informações atinge, cada vez mais, trabalhadores do mundo inteiro.
Foto de Robyn Beck/AFP/
Um dia sem e-mail
Cerca de 90% dos executivos também considera que o ritmo de trabalho é muito acelerado.
Além disso, o fato de ser "frequentemente interrompido no trabalho" é o fator de maior estresse para 74% dos empregados.
O Observatório da Responsabilidade Social das Empresas (ORSE) publicou no fim do ano passado um estatuto que incentiva as empresas a usarem melhor seu e-mail, que pode se transformar, segundo o ORSE, "em uma ferramenta devastadora".
Conscientes do problema, empresas como a Canon França estimulam seus 1.800 funcionários a não utilizarem este tipo de comunicação uma vez a cada três meses, para assim privilegiar o contato pessoal.
De acordo com o ORSE, 56% dos usuários passam mais de duas horas por dia administrando sua correio eletrônico e 38% recebe mais de 100 mensagens diárias. Além disso, 65% declararam que checam seus e-mails a cada hora, mas que, na verdade, fazem isso com uma frequência ainda maior, às vezes a cada cinco minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário