Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

O INVERNO QUE VIROU VERÃO EM SÃO PAULO

A cidade de São Paulo fez 33,9 graus ontem. Quebrou o recorde do dia 16, com 33,5 graus. A previsão para hoje é novo recorde, com 34 graus. E até o fim da semana podemos chegar a 36 graus, batendo o recorde histórico absoluto. Desde 1961 não havia tanto calor no inverno. Naquela ocasião, a máxima foi de 35,2 graus.
Embora o planeta esteja se aquecendo por causa do acúmulo na atmosfera de gases poluentes derivados da atividade humana, como o gás carbônico e o metano, não dá para atribuir diretamente o calor desta semana às mudanças climáticas. A meteorologia sempre registrou altos e baixos.
O gráfico abaixo, feito pelo projeto Berkeley Earth Surface, mostra a evolução das temperaturas médias na cidade de São Paulo desde 1850. A linha preta é a média anual. Observando o sobe e desce dela, dá para ver como um ano pode ser diferente do outro. A linha preta permite enxergar melhor a tendência de longo prazo. Ela mostra a média de temperatura dos dez últimos anos em cada período. Ela corta os anos fora do padrão e exibe com clareza a tendência de aquecimento na cidade.
Gráfico com os valores do aumento da temperatura - Berkeley Earth Surface
A média de temperatura, que oscilava abaixo dos 19 graus, agora fica na faixa dos 20 graus. Não é pouca coisa. Basta lembrar que apenas 5 graus em média nos separam das temperaturas de hoje e o auge da última era glacial, há 50 mil anos.
O aquecimento de São Paulo é em parte atribuído a própria urbanização. Na medida que a densa Mata Atlântica foi substituída por cimento, asfalto e aço, o clima local foi ficando mais próximo de um deserto.
Termômetro de rua marca sensação térmica de 36°C na avenida Luiz Carlos Berrini, zona sul de São Paulo
Mas não é só o desmatamento de São Paulo que explica o calor. Ele também faz parte de uma tendência mais ampla. O mês de julho teve o verão mais quente da história no Hemisfério Norte. O Ártico neste período chegou à menor superfície de gelo no verão.
É claro que esse tempo quente de agora pode ser explicado por condições passageiras. Por outro lado, na medida em que o clima vai mudando, é possível supor que ondas de calor assim tendem a ficar cada vez mais frequentes, até se tornar a norma. Ou até começarmos a experimentar coisa pior.
Atualização: Às 15 horas, os termômetros chegaram a 34,1ºC na zona norte da cidade. 
UM INVERNO QUENTE
É impossível dizer que o veranico que bateu recordes de calor no inverno de algumas cidades brasileiras foi provocado pelo aquecimento global. Os termômetros atingiram marcas inéditas em lugares como São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. São variações que sempre ocorreram. O sobe e desce dos recordes faz parte da variabilidade climática normal. Você só enxerga um sinal de mudança climática nas médias, e não nos eventos extremos. E há razões para acreditar que, em média, as temperaturas das grandes cidades do mundo, inclusive as brasileiras, estão aumentando.
Rio de Janeiro, praia lotada em pleno inverno
É o que mostra um levantamento exaustivo feito pelo grupo de cientistas do projeto Berkeley Earth Surface, liderado pelo físico americano Richard Muller, da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Richard, inicialmente crítico das certezas gerais sobre o aquecimento global, decidiu há dois anos montar um grupo de pesquisas independentes para avaliar o comportamento das temperaturas ao redor do mundo. Conseguiu vários financiadores, entre os quais a Fundação Charles Koch. A fundação, criada por Charles Koch, dono de indústrias de petróleo, apoia pesquisas e campanhas para desacreditar as evidências das mudanças climáticas provocadas pelo homem.
Ao longo de dois anos, Richard coletou dados de 39 mil estações de medições meteorológicas. Para garantir transparência total no processo, bem como a análise por qualquer pessoa do mundo, todos os dados e os códigos de computador usados nos estudos estão disponíveis online, para quem quiser baixar e analisar por si próprio. Ao longo da pesquisa, Richard reviu sua posição inicial e passou a concordar com a voz corrente dos cientistas sobre as mudanças climáticas. Hoje, usa seus dados para mostrar como a Terra está esquentando rapidamente por efeito dos gases poluentes emitidos pela atividade humana.
Os dados da pesquisa já resultaram em informação prática de temperatura que pode ser consultada online para qualquer lugar do mundo. A média brasileira subiu 1,5 grau Celsius de 1985 para cá.
Fonte: Blog do Planeta/G1

2 comentários:

  1. Este assunto está muito contraditório mas o calor em SP está insuportável, causando muito transtorno na saúde pública.

    ResponderExcluir
  2. Se está calor, já é contraditório mesmo, deveria estar frio!!!

    ResponderExcluir