Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

IBOGAINA NO COMBATE AS DROGAS

A dependência é um processo longo e doloroso e se instala no organismo, cresce e domina a pessoa. A internação é obrigatória. Depois do período de desintoxicação, crises de abstinência ainda provocam febre, náuseas, dores.  Durante meses, necessidades vitais, como alimentação e sono ficam comprometidas. Vive-se um período tenso, em relações familiares e sociais se deterioram, a carreia entra em colapso, a recaída é iminente. Para enfrentar esse panorama sombrio, cientistas americanos apostam na ibogaina, um alucinógeno usado em rituais africanos. A ideia é que ela funcione como um antídoto ás droga mais conhecido.

Partes da planta
 No Congo e no gabão, é comum o uso da ibogaina, extraída da casca da raiz da planta Tabernanthe Iboga, em rituais religiosas, de caça e de iniciação sexual. Ingerida em altas quantidades, ela provoca alucinações. Em concentrações menores, os nativos a utilizam como anestésico e remédio para fadiga. A cura pela ibogaina tem a experiência científica, mas também um caráter místico. Na farmacologia, tem uma ação desvendada. Ela ataca uma ação comum a todos os narcóticos no cérebro, que promovem o aumento da concentração de dopamina, um dos principais neurotransmissores (substâncias que fazem a comunicação entre neurônios). Essa elevação provoca uma imediata sensação de bem-estar e uma tendência de repetição de comportamento. Com o consumo continuo, a produção e a concentração desse neurotransmissor ficam condicionados ao uso de drogas e fatores a ela associados. |Se uma pessoa é alcoólatra, por exemplo, o simples fato de entrar em um bar já estimula a beber e faz com que ela se sinta melhor. Na falta da droga, ocorre uma espécie de falha de comunicação entre os neurônios e o organismo entra em colapso.
A Tabernanthe Iboga
O que os cientistas não conseguem explicar é o lado místico da planta. As características psicoativas da substancias levam o dependente a uma realidade extrassensorial e a uma busca pelas respostas por seus desvios comportamentais.  Visto que a ibogaina abre as portas  da percepção e possibilita rever o passado. Seria, principalmente, um desencadeador para um processo de autoconhecimento.
O viciado em drogas é uma pessoa doente no corpo, na mente e no espírito. A ibogaina “é um remédio secular para um problema moderno”, afirma a psiquiatra Débora Mash, professora titular de Neurologia da Universidade de Miami.
Segundo o prof° Rogério Souza do IBTA (Instituto Brasileiro de Terapias Alternativas), a ação da ibogaina deu-se o aumento dos níveis de dopamina, serotonina e da GDNF (Proteína responsável pela produção de conexões neurais.
O prof° Rogério Souza diz ainda que o IBTA (Instituto Brasileiro de Terapias Alternativas) é o único na aplicação da IBOGAINA  na região de Campinas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário