Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

domingo, 16 de setembro de 2012

PLANTAS DA AMAZÔNIA REGULAM O CLIMA DA REGIÃO

Vegetação altera a química atmosférica
Segundo um estudo publicado na revista «Science», realizado por uma equipe de investigadores internacionais, as plantas da floresta Amazônia, no Brasil, determinam o clima. O grupo de trabalho recolheu amostras de ar numa torre localizada a 80 metros de altura para analisar no acelerador de partículas norte-americano e descobriu que a vegetação existente na floresta brasileira, libertam pequenas partículas de potássio que fazem com que chova.
Os cientistas que realizaram a experiência afirmam que 90 por cento das partículas de aerossóis, responsáveis por agregar água atmosférica em gotículas de chuva, contêm essas pequenas doses de potássio.
Plantas libertam pequenas partículas de potássio no ar
(Imagem: Jason Auch)
Os investigadores já sabiam da existência de sais de potássio em suspensão, mas não sabiam quais a sua origem. Consideram que o potássio apenas pudesse estar contido em partículas orgânicas maiores, e só apareceria depois de se degradar e não em pequenas partículas com 20 nanómetros.
Para o estudo, climatólogos do Instituto Max Planck de Química, na Alemanha, mediram as concentrações de elementos em partículas através de uma técnica especial de microscopia – que gerou feixes especiais de luz em dois grandes aceleradores de partículas, um em Berlin e outro na Califórnia. A descoberta revelou mais um mecanismo usado pela floresta para tentar reter água.
Os investigadores defendem que as plantas desenvolveram essa capacidade por seleção natural ao longo de milhares de anos. No entanto, a equipe gostaria de saber se “as plantas adquiriram essa capacidade de uma forma darwinista clássica ou se é apenas um subproduto criado por outros tipos de pressão evolutiva".

Nenhum comentário:

Postar um comentário