Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

domingo, 13 de março de 2011

CATÁSTROFES AMBIENTAIS NA HISTÓRIA


 Gaia está inquieta.
 "Quando agredida, a natureza não se defende. Apenas se vinga."
 Albert Einstein

Assistir os noticiários televisivos em qualquer faixa de horário tem sido uma verdadeira tortura nos últimos dias, isso porque estamos passando por inúmeras transformações sociais e intensas mudanças ambientais. O mundo em que vivemos muda em todos os seus aspectos, dia a dia e mês após mês. Algumas mudanças são imperceptíveis; outras, espetaculares e inclusive devastadoras.Mais de 800 vulcões perfuram a crosta do planeta; muitos deles formam um cinturão de fogo em volta do Oceano Pacífico. Os terremotos fazem tremer o planeta, ondas gigantes arrasam as ilhas do Pacífico e até mesmo as regiões de Alagoas e Pernambuco, conhecidos estados do Nordeste. No entanto, ainda existem muitas perguntas sem resposta. Porque a terra está distribuída de modo tão desigual entre os hemisférios norte e sul? O que provoca a erupção dos vulcões? Um dos que irei abordar aqui será a erupção do Vesúvio que arrasou com Pompéia. Porque existe tanta atividade geotérmica na Islândia, um dos países mais frios do mundo? Os geólogos que procuram a explicação destes mistérios estão em dívida com duas grandes perturbações intelectuais que mudaram de forma radical a nossa imagem no mundo. A primeira teve lugar há duzentos anos e estabeleceu as bases da geologia moderna. A segunda iniciou nos anos sessenta e seus ecos ainda ressoam no mundo acadêmico. Perceberam do que se trata? A teoria das placas tectônicas, conhecida vulgarmente como deriva continental. O precursor da primeira onda de idéias revolucionárias vivida pela geologia foi o escocês James Hutton (1726-1797), o primeiro a sugerir que a história geológica do nosso planeta foi um processo contínuo. Sei que esse assunto é geografia, mas suas teorias são consideradas pelos historiadores como a base primordial das ciências geológicas modernas. A divulgação de suas teorias à ciência foi assombrosa. Mas em 1620, o escritor e filósofo inglês Francis Bacon havia comentado a curiosa coincidência entre a costa oriental da América do Sul e a costa Ocidental da África. No entanto, foi o alemão Alfred Wegener (1880-1930) quem defendeu por primeira vez, entre 1912 e 1915, a hipótese científica da deriva dos continentes. Suas teorias não foram bem aceitas e só foram reconhecidas quando ficaram confirmadas por evidências modernas, baseadas no fato irrebatível do paleomagnetismo.
Porém, embora estas teorias expliquem muito, não conseguem explicar todos os grandes mistérios da Terra. 

A MÁQUINA DO CLIMA – Lendas e tradições do clima

A predição do tempo está carregada de dificuldades porque grande parte do funcionamento da atmosfera continua imerso em mistério. Embora os atuais comunicados meteorológicos se baseiam numa rede global de instrumentos de observação extremamente avançados e utilizem modelos informáticos da atmosfera incrivelmente complicados, sua precisão dista muito de ser perfeita.

Estes falhos de predição, principalmente a nível local, fazem que muitas pessoas tendam a confiar mais nas fórmulas tradicionais do que nas predições científicas.

Dita tradição se compões de sinais, refrão e versos que indicam as possíveis mudanças de tempo. Fazem parte da sabedoria popular de todas as culturas e foram transmitidas por tradição oral através dos séculos. Alguns nada mais são do que pareados sem muito sentido que não parecem muito confiáveis, como por exemplo:

Se em novembro vês voar os patos, no inverno passarão maus pedaços.

Se a aranha tece sua teia ao meio-dia, amanhã terás bom dia.

São ditados sem graça.

Outros se baseiam na atenta observação do comportamento de animais e plantas em relação às mudanças climáticas.

O aspecto do céu costuma ser considerado um indicador do tempo que se espera. Aí vai outro ditado:

O cerco de sol molha o pasto, o cerco de lua ao pastor enxuga.

Arco-íris madrugador, para o pastor mal presságio; arco-íris pela tarde, ao pastor há de alegrar-lhe.

Ambos estão fielmente baseados na observação, já que o arco-íris se forma quando há gotas de chuva no lado oposto ao sol: ao entardecer, o arco-íris se vê ao leste; pela manhã, ao oeste.

No hemisfério norte, as chuvas mais fortes costumam ser trazidas pelos ventos do oeste, assim que um arco-íris matinal indica que se aproxima mal tempo, enquanto que visto pela tarde é sinal que a chuva se afasta.

Nos dias de chuva é comum ouvir alguém dizer: quando vejo no céu um azul suficiente para fazer um capote de marinheiro, é que vai escampar.

Também neste caso a observação indica que depois de um prolongado período de chuva, o aparecimento de fragmentos de céu azul entre as nuvens é um indício confiável de que estas vão se atenuando e o tempo vai melhorar.


ANIMAIS QUE AJUDAM A METEOROLOGIA

Alguns animais parecem especialmente sensíveis às mudanças meteorológicas. Diz-se que quando as andorinhas voam alto pressentem bom tempo e em algumas partes da Europa se utiliza as rãs como substitutos populares do barômetro.

Para isso, coloca-se uma rã num frasco de vidro cheio de água até a metade, junto com uma pequena escada. De acordo com a tradição, quando se aproxima a chuva a rã permanece na água, coaxando sem parar. Se o tempo vai melhorar, a rã sobe a escada; quanto mais alto ela subir, melhor vai ser o tempo.

Na grande exposição de Londres de 1851, foi apresentado um engenhoso sistema de predição de tormentas, idealizado pelo doutor Merryweather, Yorkshire. Quando se aproximava uma tormenta, as sanguessugas das garrafas entravam em atividade e faziam soar uma campainha. O doutor tentou convencer o Governo para que instalasse uma rede de aparelhos como este por toda a parte, mas o plano foi rejeitado. Veja a foto do invento.



Observa-se que muitas plantas fecham suas pétalas quando aumenta a umidade do ar, anunciando chuva. Essas plantas leitores são conhecidas como o barômetro dos pobres.

É surpreendente o número de pessoas que parecem ser sensíveis à aproximação de uma tormenta e que asseguram ser capazes de prever o tempo porque o sentem nos ossos.

Percebi através das leituras que fiz para escrever essa postagem que muitos erros, costumes errôneos formam um determinado pensamento positivista do fato. Por exemplo é comum acreditar que antes de um inverno muito severo, a natureza se prepara produzindo abundância de alimentos para os animais.

Se fosse possível controlar a fúria das tormentas e acabar com a estiagem provocando chuvas, incontáveis vidas seriam salvas, evitando-se terríveis devastações.

Durante séculos, as tentativas de controlar a meteorologia se limitaram, sem êxito, a ritos mágicos, sacrifícios, soar dos sinos, disparo de canhões e lançamento de fogos.

Os cientistas tentaram vencer a fúria dos furacões, subestimando a complexidade da atmosfera. Muitas experiências não conseguiram os resultados esperados e algumas produziram resultados desastrosos, o que demonstra o pouco que sabemos sobre funcionamento dos nossos sistemas climáticos.

E o pior, para complicar as coisas, descobriu-se que uma mudança climática produzida numa parte do mundo podia afetar a meteorologia de lugares muito distantes, colocando em manifesto o perigo que resulta interferir no clima.

O melhor a se fazer é conhecer melhor os misteriosos processos que determinam a meteorologia.       
   EFEITO GAIA – O enigma do clima.

Nos 3.500 milhões de anos transcorridos desde a origem da vida, o clima da Terra experimentou grandes variações. Parece de certo modo ter se mantido acolhedor para permitir a sobrevivência de plantas e animais, apesar de que a radiação solar tem aumentado ao longo do tempo.

Essa relação natureza/homem pode ser explicada através do chamado Efeito Gaia, que controla o clima, a ecologia e a evolução do planeta.
Prever a longo prazo a evolução futura do clima planetário é algo tão especulativo como ler o futuro numa bola de cristal, mas não resta a menor dúvida de que o nosso clima reflete o equilíbrio entre a energia recebida do sol, a quantidade que a Terra utiliza e armazena para manter um meio ambiente que permita a vida e a quantidade de energia que devolve ao espaço.

Com relação aos gases que contribuem com o efeito estufa, o mais importante deles é o dióxido de carbono, responsável pela metade do aquecimento previsto para o próximo século. Durante os 100 últimos anos, a concentração de todos os gases estufa foi aumentando e a temperatura global aproximadamente meio grau centígrado.

Parte do aumento ficou encoberto pelas flutuações climáticas naturais, porém, o aquecimento se confirmou na década de 80, quando ocorreram os 6 anos mais calorosos de todo o século.

Quase todos os cientistas estão de acordo em que se a concentração de gases segue aumentando, a temperatura global a meados deste século terá ascendido de 1,5 a 4,5ºC. Pode ser que pareça pouca diferença, mas o planeta nunca esteve tão quente desde o último período glacial.

O aquecimento global provocaria a expansão da água das camadas superiores dos oceanos, com a conseqüente elevação do nível do mar, contribuindo com o derretimento dos glaciares. O nível do mar já subiu no mundo todo cerca de 15 cm ao longo do século XX, como conseqüência do “leve” efeito estufa que teve lugar até agora.

Deve-se tratar esse assunto com o realismo que merece. Se o banco de gelo da Antártida ocidental derretesse e se desintegrasse em poucos séculos, produziria uma elevação catastrófica de cerca de 5 metros. Os cálculos mais moderados prevêm uma elevação de 90 cm para finais do século XXI, prestem atenção leitores, século XXI! Isso seria suficiente para criar situações desastrosas nas ilhas e costas.
 Glaciólogo serra um pedaço de amostra de gelo extraída na Antártida

Mas falta de alerta não foi. O primeiro aviso sobre consequências do efeito estufa foi dado em 1896 pelo cientista sueco Svante Arrhenius (1859-1927), porém, ninguém prestou atenção. Agora, embora ainda seja possível reduzir ou atrasar o aquecimento global, já é impossível detê-lo porque as atuais concentrações de gases estufa condenaram o planeta a um aquecimento de 0,5 a 1ºC.

Sei que a combustão do carvão é o fator que mais contribui para o efeito estufa em todo o mundo, já que desprende dióxido de carbono.
Esse é o efeito Gaia, a solução não cai do céu.
   
ALGUMAS CATÁSTROFES AMBIENTAIS NA HISTÓRIA

JAPÃO TERREMOTO E TSUNAMI - 2011

A Natureza Agindo à sua Maneira.
As imagens da devastação causada pelo terremoto de magnitude 8,9 no Japão é absolutamente devastador. Foi o pior terremoto da história do Japão, e foi um dos cinco maiores tremores de terra que já foi gravado. O terremoto de magnitude 8,9 desencadeou um tsunami que foi absolutamente inédita em que parte do mundo. 30 paredes de pé de água varreu até 6 milhas para o interior. Carros e casas foram empurrados pela água correndo como se fossem brinquedos para crianças. Desde o primeiro tremor, houve mais de 100 tremores de magnitude 5.0 ou superior. Centenas de corpos foram descobertos até agora, e de acordo com um relatório, 88.000 pessoas estão desaparecidas. Não se pode dizer o quão alto o número de mortos será eventualmente. Grandes áreas de terra são completamente debaixo de água e 4,4 milhões de domicílios no Japão nordeste não têm eletricidade.
Japão Maior Terremoto da História
As autoridades japonesas aumentaram neste domingo para 1.353 o número de mortos e para 1.085 o de desaparecidos pelo terremoto e posterior tsunami de sexta-feira, mas temem que as vítimas superem amplamente as dez mil. A Polícia de Miyagi, província mais afetada pelo terremoto, acredita que haverá pelo menos dez mil mortos, enquanto outras fontes não descartam que o número possa ser maior.
Só em Minamisanriku, localidade litorânea de Miyagi totalmente arrasada pelo tsunami que seguiu o terremoto de 9 graus na escala Richter, 9,5 mil pessoas ainda não foram localizadas.
Outras 1.167 pessoas estão desaparecidas na província de Fukushima, de acordo com as autoridades locais.
Na apuração oficial, segundo a agência local "Kyodo", também não estão incluídos outros 600 corpos que foram localizados nas províncias de Miyagi e Iwate, ambas no litoral do Pacífico.
Os números oficiais falam de mais de 20.800 edifícios destruídos e que 450 mil japoneses tiveram que ser evacuados de suas casas por vários motivos, entre eles 200 mil deslocados pelos riscos em uma usina nuclear em Fukushima.
Além disso, mais de 100 mil militares japoneses serão desdobrados para socorrer as vítimas, ajudados por resgatistas e pessoal especializado de quase 70 países, entre eles os Estados Unidos, que colocaram à disposição do Japão o porta-aviões Ronald Reagan.
 
POMPÉIA | VULCÃO VESÚVIO

O vulcão Vesúvio, que há mais de 2 mil anos matou 3 mil habitantes de Pompéia e deixou a cidade italiana escondida durante séculos, está ameaçando os moradores mais uma vez. Autoridades italianas estão oferecendo o equivalente a R$ 90 mil para os moradores da encosta do vulcão irem para um local mais seguro.
As equipes que monitoram as atividades do Vesúvio afirmam que ele pode entrar em erupção a qualquer momento. Atualmente, Pompéia tem uma população de 600 mil habitantes. De acordo com a Globonews poucas pessoas demonstraram interesse em deixar suas casas.

A história de Pompeia
Os primeiros vestígios da fundação de Pompeia datam do século VII a.C. Segundo os arqueólogos, o primeiro núcleo de habitantes se instalou 25 metros acima do nível do mar, numa margem do rio Sarno e a poucos metros da praia. Durante os primeiros séculos, Pompéia recebeu a influência das civilizações gregas e etruscas, que dominavam a atual região da Campânia, no sul da Itália.

A várias dezenas de quilômetros de Pompeia fica Paestum, um dos mais importantes encraves da Magna Grécia, com imponentes templos gregos. No século IV a.C. a cidade teve uma grande chegada de samnitas (antigo povo da região), que desceu das montanhas em direção ao litoral, e Pompeia viveu uma forte urbanização.
Entre os anos 343 e 290 a.C., os samnitas foram derrotados pelos romanos, que conquistaram a Campânia. Pompeia passou a fazer parte da "Res Pública Romana", e no século I a.C. virou município. No ano 80 a.C., se rebelou e pediu dignidade política e social igual à de Roma. Depois de ser cercada pelas tropas de Cornélio Sila, se rendeu e passou a ser uma colônia do Império.
Entre 27 a.C. e 37 d.C., Pompeia teve sua época de esplendor. Foram construídos belos edifícios privados e públicos. O melhor momento foi na época dos imperadores Augusto e Tibério. No ano 62 d.C. houve um forte terremoto que deixou grandes estragos na cidade. Em 24 de agosto de 79 d.C., em plena reconstrução da cidade, ocorreu uma erupção do Vesúvio que a sepultou.

Corpos petrificados

L’AQUILA | TERREMOTO NA ITÁLIA

Ao menos 207 pessoas morreram e outras 1.500 ficaram feridas em decorrência do terremoto de 6,3 graus na escala Richter que atingiu a região de Abruzzo, no centro da Itália, na madrugada de uma segunda-feira (06/04/2009), segundo confirmou o premiê italiano, Silvio Berlusconi. 

O epicentro do tremor, que ocorreu às 3h32 do dia 06/04/2009 (horário local), 22h32 de domingo (horário de Brasília), foi localizado a 10 quilômetro de L'Aquila, 68 quilômetros a oeste da cidade de Pescara e 95 km ao nordeste de Roma. O Instituto de Geofísica dos EUA afirma que a magnitude do tremor foi de 6,3 graus, no entanto, o Instituto Nacional de Geofísica da Itália diz que foi de 5,8 graus.

Equipes de resgate usaram escavadeiras e as próprias mãos na busca por sobreviventes. Mais de 24 horas depois de que o tremor sacudiu a região, equipes de emergência retiraram dois estudantes na manhã da terça-feira (07/04/2009) dos escombros de prédios em L'Aquila.



HAITI | TERREMOTO
Um grande terremoto de magnitude 7,0 na escala Richter atingiu o Haiti, o país mais pobre da América, por volta das 19h50 (horário de Brasília) na terça-feira do dia 12/01/2010. Um alerta de tsunami para partes do Caribe, incluindo a República Dominicana, Cuba e Bahamas chegou a ser emitido pelo Centro para Alertas de Tsunami no Pacífico, mas no referido mês foi retirado.
Uma das vítimas desse terremoto foi a fundadora da Pastoral da Criança e da Pessoa Idosa a doutora Zilda Arns.


GOLFO DO MÉXICO | PETRÓLEO | MAIOR DESASTRE AMBIENTAL DA HISTÓRIA

Irei dedicar uma postagem especial sobre esse desastre da BP no Golfo do México que é considerado um dos maiores desastres ambientais da história.


REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO

Chuvas causam centenas de mortes na Região Serrana do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro (Brasil), , (Imagens: Antonio Lacerda).=. As chuvas que castigam o sudeste do Brasil atingiram nesta quarta-feira a Região Serrana do Rio de Janeiro, contabilizando ao menos 905 mortos (, dezenas de desaparecidos e um rastro de lodo e destruição em bairros inteiros, situação que as autoridades classificaram de “crítica”. Nesta quarta, as fortes chuvas caíram com força em Teresópolis, município que fica a 91 quilômetros da capital fluminense, onde foram confirmadas mais de novecentosmortes, um número que pode aumentar na medida em que avançam os trabalhos de resgate. Os temporais que começaram a cair na noite de terça-feira 13 de janeiro de 2001, atingiram também as cidades vizinhas de Nova Friburgo e Petrópolis.
 Video da Tragédia que se abateu sobre as cidades serranas do RJ

PERNAMBUCO E ALAGOAS | ENCHENTES
As enchentes causadas pelas chuvas que caem desde a semana passada em Pernambuco e Alagoas já deixaram pelo menos 41 mortos, de acordo com informações dos governos de ambos os Estados.
Quase 100 mil tiveram que deixar suas casas, e o número de desaparecidos passa de 1,5 mil.
O governo federal já anunciou a liberação de R$ 300 milhões para começar a reconstrução das áreas atingidas pelas enchentes. Em reunião com os governadores de ambos os Estados na segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não faltarão recursos para socorrer a população.
Nesta terça-feira, o Gabinete de Crise do governo deve voltar a se reunir para discutir o montante a ser liberado, além de outras formas de ajuda. O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse que isso será avaliado por representantes da Casa Civil e do Gabinete de Segurança Institucional.
"Ainda não estão fechadas estimativas de recursos e isto será detalhado amanhã na reunião do Gabinete de Crise”, disse Padilha, segundo a Agência Brasil.
“O presidente Lula orientou a mobilizar todos os recursos federais dos Ministérios da Defesa, do Exército e da Integração. O que demos segurança para os dois governadores e para a população dos estados é que não faltarão recursos do governo federal.”
Inicialmente, o governo quer garantir a provisão de comida, água e energia elétrica. A Secretaria Nacional de Defesa Civil já liberou 12 mil cestas de alimentos para Pernambuco e 8 mil para Alagoas. Além disso, o governo alagoano recebeu outras 23 mil cestas básicas de outros Estados.

 Pernambuco

 Alagoas


AJUDE AS VÍTIMAS DESSES DESASTRES AMBIENTAIS
CRUZ VERMELHA




Upado e adaptado do Blog: http://pistasdahistoria.blogspot.com


2 comentários:

  1. Difícil viver sabendo que tragédias monumentais acontecem por toda parte. Nosso planeta está completamente revoltado.

    ResponderExcluir
  2. Tudo isto tem uma só explicação, sãos mudanças, inquietações, "naturais" do planeta, para suportar as pressões antropológicas que exercemos sobre ele, nos últimos séculos. Já Dizia Hesse: "O Homem é o Lobo do Homem".

    ResponderExcluir