Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sexta-feira, 6 de maio de 2011

O BRASIL PRETENDE CRIAR MAIS 02 ESTADOS – ISTO É PREOCUPANTE.

A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira a realização de plebiscitos sobre a divisão do Pará e a criação de dois novos Estados: Tapajós e Carajás.
Estado do Pará
 A matéria que trata da consulta popular sobre o Estado de Tapajós retornará ao Senado por ter sofrido alterações na Câmara. Já a proposta de plebiscito para a criação do Estado de Carajás segue para ser promulgada.
As propostas, uma vez validadas como leis, definem que o plebiscito ocorra em até seis meses. Após aprovação pela população diretamente interessada, é enviado um projeto de lei complementar ao Congresso para a criação das novas unidades federativas.
Se a população decidir pela criação dos dois Estados, o Pará não deixará de existir, mas terá seu território divido em três.
Caso seja criado, Tapajós irá abranger 58 por cento do território do Pará e terá 27 municípios da região oeste do Estado. Carajás englobará 39 municípios ao sul e sudeste do Pará. 
(Reuters)

POR QUE PREOCUPANTE?
Em linhas gerais, o Estado do Pará possui uma Área (km²): 1.253.164,49. É o segundo maior estado do país em superfície, mais de 16% do território nacional (o maior é o estado do Amazonas), o que representa mais de duas vezes o território da França. RELEVO: planície amazônica a N, depressões e pequenos planaltos. O relevo é baixo e plano; 58% do território se encontram abaixo dos 200 metros. As altitudes superiores a 500 metros estão nas serras de Carajás, Caximbinho e Acari. O relevo do estado apresenta três aspectos distintos que incluem (1) o planalto Norte-Amazônico, formado quase integralmente por terrenos cristalinos, representando uma das parcelas do planalto das Guianas, onde se encontram as serras de Acari e Tumucumaque (cerca de 850 metros de altitude); (2) a planície Amazônica, faixa sedimentar estreita e alongada no sentido sudoeste-nordeste, através da qual corre o rio Amazonas; e (3) o planalto Sul-Amazônico, que se constitui parcela do planalto Central brasileiro, elevando-se em direção ao sul, onde se encontra a serra dos Carajás.
AQUI VEM O GRANDE DILEMA: A VEGETAÇÃO

Mangues no litoral, campos na Ilha de Marajó, cerrados e a Floresta Amazônica.
A vegetação é rica, exuberante. São cinco tipos de cobertura vegetal, todos enquadrados na classe de formação de "floresta tropical pluvial":
Mata de terra firme, com grande potencial madeireiro ($$$$$$$$$$).
Ou seja, mais desmatamentos para o desenvolvimento dos estados a serem criados, pois não se cria um estado e não se deixa ao deus dará (expressão derivada da idéia de que quem está abandonado, à própria sorte), tem que se investir na pecuária, na agricultura, em indústrias, em novos empreendimentos, novas hidroelétricas, pois a demanda de energia consequentemente será alta, quem paga a conta? A Floresta. Será que ninguém pensa na probabilidade de que, em vez de estarmos criando novos estados, estamos, sim, incentivando a destruição da floresta amazônica e consequentemente a desertificação do norte brasileiro?
Como já vimos com a implantação de projetos de colonização e a política de incentivos a grandes empreendimentos iniciada na década de 60, como Carajás e Tucuruí, que atraem recursos e migrantes à região, mas também provocam graves danos à floresta Amazônica. De acordo com o Ibama, já foram destruídos 20% do 1,1 milhão de km² da cobertura vegetal original. Devastada, sobretudo pela ação ilegal de madeireiras, a mata perde, em média, 17 km² de área por dia. A decadência do extrativismo, uma das consequências do desmatamento, deixa inúmeras famílias paraenses sem meios de garantir seu sustento.

Não sou contra os Paraenses e nem em quem vive, nas localidades a serem criados os novos estados, estou preocupado com a consequência deste empreendimento que, talvez, em vez de beneficiar alguns, vai é prejudicar milhões.
Criando-se os novos estados a natureza “agradece”.

7 comentários:

  1. O desmatamento daquela região é coisa muito antiga e há alguns combatentes que vez ou outra denunciam. Tenho a impressão que estão querendo justificar a devastação, desviando a atenção pelos novos empreendimentos. Aquela região de florestas deveria ser intocável e protegida por Lei. Mas há interesse real de proteger? Caminham a passos largos para a destruição. SÃO OS OLHOS MALDITOS DA GANÂNCIA!!!!

    ResponderExcluir
  2. o futuro da amazônia, já foi traçado, é virar deserto. Sempre os FDP dos governantes arrumam um jeitinho para derrubar árvores e explorar a madeira. Fico indignado com uma situaçao desta, vivendo os efeitos e as consequêcias que o desmatamento traz.

    ResponderExcluir
  3. Somos algumas vozes que gritamos quase que solitariamente.

    ResponderExcluir
  4. Me sinto um "porco" grito, grito, grito... e no final acabo na panela. Acho que gritar não é o bastante.

    ResponderExcluir
  5. rsrsrsrsrsrsrsr. Como sou infeliz!!!! Minha única arma não vale nada.

    ResponderExcluir
  6. Delan
    nos que moramos aqui no sul do Pará é que sabemos a importância da criação do estado de Carajás, agente quando precisa de arruma alguma coisa na capital BELÉM é muito dificultoso e longe ela fica do outro lado do estado do Pará...
    OBS...
    Jogar pedra na janela é fácil, quero vê é ser a janela

    ResponderExcluir
  7. Não estou jogando pedra em ninguém, amigo. Estou prevendo o futuro, porque os governantes não investem no sul do seu estado? Preferem agora criar um novo Estado. Ou seja empurrar o problema para outro. Posso te dar um bom exemplo, o Estado de Minas Gerais tem uma política de não deixar os municípios que fazem limítrofes com o estado do Rio crescer, sabe o que acontece, os moradores destas cidades resolvem suas vidas nas cidades do Estado do Rio, quem saí perdendo em arrecadação é Minas Gerais.Uma política desigual em que o povo é que sofre. Como disse, não tenho nada contra os Paraenses,a minha preocupação é com a questão de criar estado e depois deixá-lo ao deus dará. Olha o Acre, Rorraima, Rondônia, o governo federal investem pouco nestes estados, e só investem porque são divisas de países.

    ResponderExcluir