Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sábado, 14 de abril de 2012

A AMAZÔNIA PODE DESAPARECER EM 50 ANOS

A Amazônia desaparecerá em 50 anos devido ao desmatamento e mudança climática, de acordo com previsões do Greenpeace.
A Amazônia é a maior floresta primária deixada no planeta e abriga mais biodiversidade do que qualquer outro lugar na Terra. No entanto, a única floresta tropical está presa entre duas forças destrutivas: desmatamento e mudança climática.
Nas últimas quatro décadas, só no Brasil, a Amazônia perdeu um quinto de sua superfície (cerca de 700.000 km2), o que representa uma área maior que a França. Se a taxa de desmatamento continuar a este ritmo, a Amazônia pode desaparecer dentro de 50 anos. Até agora, estima-se que já perdeu quase 18% da floresta amazônica.
Brasil ocupa a quarta posição no ranking dos países que emitem gases de efeito estufa (GEE), tornando-se um país-chave na luta contra as alterações climáticas. 75% dessas emissões brasileiras de GEE provenientes de desmatamento.
"Precisamos encontrar uma solução permanente e definitiva para salvar o planeta e as últimas florestas antigas, especialmente da Amazônia, que atualmente enfrenta grandes ameaças. Estamos perigosamente perto do que poderia ser um ponto de não retorno e perder a oportunidade de salvar uma das florestas mais importantes do nosso planeta", disse Luis Ferreirim, ativista da Agricultura e Florestas, do Greenpeace Espanha.
A expansão das culturas agrícolas (soja e gado) são as principais causas do desmatamento, um problema que é precedida pelo desmatamento legal e ilegal com destino à indústria madeireira.
Os últimos dados mostram que nos últimos três anos, a taxa de desmatamento vem diminuindo. O sucesso (rsrsrsrsr) na luta contra o desmatamento é devido a um conjunto de políticas e medidas de governança, tais como: maior controle por parte do governo brasileiro, um maior envolvimento das autoridades judiciais, a expansão e melhoria de áreas protegidas, operações da polícia e da luta contra a corrupção e o sucesso de iniciativas da sociedade civil.
Mas há novas ameaças. O debate atual sobre a reforma do Código Florestal no Brasil destaca a fragilidade do governo na Amazônia e a importância de influenciar a sua proteção. O novo código coloca em risco milhões de hectares, mesmo antes de ser aprovado. Embora o desmatamento vem diminuindo, em abril de 2010 viu um aumento no desmatamento em Mato Grosso, até 800% sobre o ano passado.
O avanço do desmatamento na Amazônia - 2008. FOTO: Greenpeace
Nota:
A Amazônia tem câncer e a opinião pública brasileira não sabe por que a imprensa está míope.
Nos últimos dias, dados preliminares de desmatamento da região foram anunciados como "boa notícia" ao mostrar que a destruição reduziu velocidade, quando apenas querem dizer (se comprovados) que o tumor causou a amputação de parte menor do corpo.
Enquanto governo e imprensa fazem festa, o paciente morre. Procedimentos essenciais do jornalismo determinam a desinformação sobre o desaparecimento da maior floresta do mundo.

2 comentários:

  1. A raça humana é mesmo o pior ser vivente, principalmente aqueles que são eleitos para comandar países e pelo que vemos a situação de catástrofe total é mesmo o destino certo para toda humanidade. Tenho pena da humanidade que estará por aqui nos próximos 50 anos.

    ResponderExcluir
  2. Daqui a 50 anos não existirá mais nada. O homem é o lobo do Homem!

    ResponderExcluir