Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quarta-feira, 11 de abril de 2012

DINAMARCA VAI INVESTIR EM ENERGIA RENOVÁVEL

A Dinamarca anunciou que, até o final desta década, irá produzir um terço de sua energia a partir de fontes renováveis – principalmente energia eólica, mas também através de energia solar e queima de “biomassa”.
Mais ambiciosamente, o governo dinamarquês estabeleceu uma meta de usar energias renováveis em todo o país até 2050.
O que torna o anúncio da Dinamarca ainda mais incomum é que ele ganhou o apoio de todo o espectro político do país.
Lykke Friis, por exemplo, é uma porta-voz do oposicionista Partido Liberal, uma entidade pró-negócios. Para ela, a decisão de abandonar os combustíveis fósseis é uma questão de planejamento financeiro.
Por exemplo, se você quiser argumentar que a energia renovável sai mais cara, a energia de combustíveis fósseis também sai cara para a Dinamarca.
“Não importa o que fizermos, teremos um aumento no preço da energia, simplesmente porque as pessoas na Índia e China querem ter um carro, querem viajar”, disse ela. “É por isso que temos uma ambição clara de sermos independentes de combustíveis fósseis: de modo que não sejamos vulneráveis a grandes flutuações no preço da energia”.
Os choques do petróleo no início da década de setenta foram um golpe especial para a Dinamarca. Com poucas fontes de energia próprias, o país viu os preços se multiplicarem, e isso levou à aceitação generalizada de que um novo caminho precisava ser tomado.
A energia nuclear nunca foi seriamente considerada, com grande oposição dos políticos e da sociedade civil. Portanto, muito antes de outros países, a Dinamarca começou a desenvolver as energias renováveis, e agora é uma espécie de líder mundial, particularmente no campo da energia eólica.
Energia eólica, limpa e renovável
 Problemas
Na Usina Avedøre, perto de Copenhague, cerca de mil megawatts de energia estão sendo gerados a partir de energias renováveis, o suficiente para sustentar 250 mil casas. Lá existem algumas turbinas eólicas gigantes, mas a maioria da energia vem de duas plantas de biomassa, queimando palha e outros tipos de resíduos industriais.
Muitas mudanças e adaptações foram necessárias para que a Dinamarca chegasse a essa usina. E ainda faltam muitas.
Para começar, há o desafio de armazenar a energia produzida por fontes renováveis, para uso quando o sol não estiver brilhando, ou o vento estiver parado. Engenheiros estão estudando propostas para gerar eletricidade quando calor estiver disponível, e então usá-lo mais tarde. Eles também esperam expandir o número de carros elétricos na Dinamarca, que poderiam agir de forma eficaz como baterias recarregáveis. Mas tudo isso está na fase de desenvolvimento.
Outro desafio é a distribuição. Centrais convencionais estão localizadas perto de vilas e cidades. Se os parques eólicos forem construídos em alto-mar, tal como previsto, em seguida, uma ampla rede de cabos terá de ser construída para trazer essa energia para a terra, nos lugares onde os consumidores a utilizam.
Grandes investimentos vão ser necessários. E é por isso que muitos críticos não concordam com essa decisão dinamarquesa, que eles acreditam que pode acabar com o crescimento econômico do país.
Porém, qualquer outra fonte de energia está sujeita a flutuações de preço. E o que a Dinamarca quer é estabilidade. O ministro da energia Martin Lidegaard reconhece que não pode calcular o preço de uma transição completa para as energias renováveis, mas argumenta que ainda faz sentido financeiro, e não apenas para a Dinamarca.
“Estou 100% certo de que, não só outros países poderiam ter energia renovável, como vão fazer isso, simplesmente por causa do desenvolvimento dos mercados”, disse.
O novo compromisso da Dinamarca com as energias renováveis ainda tem de ser debatido pelo Parlamento do país. Mas com quase todos os políticos apoiando o movimento, a aprovação deve ser uma formalidade.
Depois disso, porém, o trabalho real começará: a transformação deste objetivo ambicioso em uma realidade física.
Fonte: BBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário