Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sexta-feira, 6 de abril de 2012

MALÁRIA MORTAL ASSOLA A TAILÂNDIA E MIANMAR

Um tipo de malária mortal, resistente aos tratamentos farmacológicos disponíveis, se espalha rapidamente na fronteira entre Tailândia e Mianmar, fazendo crescer a preocupação de uma epidemia incontrolável, anunciou um grupo de cientistas nesta quinta-feira.
Dois estudos publicados nas prestigiosas revistas científicas The Lancet e Science mostraram que a doença se espalha rapidamente em um novo território e em uma área identificada do genoma do parasita, que poderia ser responsável pela mutação que lhe permite sobreviver.
A malária é uma doença transmitida por um mosquito e é causada por um parasita, o 'Plasmodium falciparum'. Mata 1,2 milhão de pessoas ao ano no mundo, segundo estimativas do Instituto de Métrica e Avaliação da Saúde da Universidade de Washington, em Seattle (noroeste).
A malária resistente ao tratamento padrão, a artemisina, foi confirmada no Camboja em 2006 e desde então se expandiu 800 km a oeste da fronteira entre Tailândia e Mianmar, afirmaram os cientistas.
Ao estudar 3.202 pacientes ao longo da fronteira noroeste da Tailândia, perto de Mianmar, entre 2001 e 2010, e medir o tempo que levavam para tirar uma infecção do sangue após o tratamento, os cientistas conseguiram demonstrar um aumento gradativo da resistência ao remédio.
O número de infecções que desapareceram do sangue cresceu lentamente de 0,6% dos casos tratados em 2001 para 20% em 2010.
No oeste do Camboja, 42% dos casos de malária eram resistentes entre 2007 e 2010, o que indica que a região da Tailândia e Mianmar está rapidamente situando-se a níveis parecidos aos do Camboja.
"A resistência determinada geneticamente à artemisina em 'P. falciparum' surgiu ao longo da fronteira Tailândia-Mianmar pelo menos há oito anos e desde então aumentou substancialmente", destacou o estudo da The Lancet.
Um paciente faz check-up para o tratamento de malária em Mae Sot, perto da fronteira 
entre a Tailândia e Mianmar, em abril de 2003 - Foto de AFP
"Esta passagem de aumento da resistência alcançará os níveis encontrados no oeste do Camboja entre dois e seis anos", acrescentou.
A pesquisa da revista Science se concentrou no que estava tornando estes parasitas diferentes e encontrou que uma região no cromossomo 13 do parasita estava fortemente associada à lenta limpeza da infecção no sangue.
Os cientistas sequenciaram os genomas de 91 parasitas 'P.falciparum' do Camboja e do oeste da Tailândia e os compararam com parasitas do Laos, onde a resistência aos últimos medicamentos baseados na artemisina não ocorreu ainda.
Encontraram sete genes que poderiam ser responsáveis por tornar o parasita resistente ao tratamento e que poderia explicar o aumento de 35% na resistência no sudeste asiático.
"Temos visto o aparecimento de resistência à malária frente a nossos melhores medicamentos e estes parasitas resistentes não estão restritos apenas ao oeste do Camboja", afirmou o principal autor do estudo, François Nosten, diretor da Unidade de Pesquisas de Malária de Shoklo, especializada no estudo e tratamento da malária na região de Tailândia e Mianmar.
"Isto é extremamente preocupante e indica que estamos em uma corrida contra o tempo para controlar a malária nestas regiões antes de que a resistência ao medicamento piore e se desenvolva e propague mais", afirmou.
Os estudos foram financiados pela organização sem fins lucrativos Wellcome Trust e Centros Nacionais de Saúde dos Estados Unidos. A equipe de cientistas esteve formada de cientistas do Centro de Medicina Tropical da universidade de Oxford, no Reino Unido, e do Instituto de Pesquisa Biomédica do Texas, nos Estados Unidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário