Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 4 de abril de 2012

TITANIC, 100 ANOS DE UMA VIAJEM QUE NÃO CHEGOU AO SEU DESTINO PLANEJADO

A História do Titanic
A construção do Titanic
Vídeo do lançamento do Titanic ao mar

O que de tão incrível possuiu e possuí este naufrágio que por 100 anos atrai a atenção do mundo?
Os fatos demonstram uma total confiança na embarcação tanto que, com o chegar das primeiras notícias sobre o choque com o iceberg, por certo tempo, ainda se afirmou que a embarcação permanecia flutuando, que nenhuma vida havia sido perdida e a maior questão era a de qual doca nos Estados Unidos, conseguiria receber tão grande embarcação para reparos.
As declarações de seus proprietários e construtores, os elogios da mídia inglesa, tornaram o Titanic “insubmersível”, um navio que ”o próprio Deus” não poderia afundar.
Sua perda para a época foi um golpe tremendo à raça humana e porque não dizer, ao orgulho humano que, com suas conquistas recentes, julgava arrogantemente ter dominado definitivamente a natureza.
Um navio imponente
Cartaz sobre a viajem do Titanic
Majestoso como os Titãs da mitologia grega. Insubmergível diziam os jornais da época. Assim foi o lançamento do Titanic, em 10 de abril de 1912, quando o navio da companhia White Star Line realizou sua viagem inaugural de Southampton (Inglaterra) rumo a Nova Iorque. A previsão para alcançar a cidade americana era uma semana, no dia 17. Antes de rumar definitivamente para o outro lado do Atlântico, o Titanic aportou em Cherbourg, na França, e Queenstown, Irlanda, onde ainda embarcaram passageiros.
Considerado o símbolo da tecnologia do século XX, o Titanic batia todos os outros grandes barcos dos anos 20 com seu luxo e estrutura.
Medindo 270 metros de comprimento, o navio tinha, entre outras coisas, campos de squash, piscina, sala escura para fotógrafos e elevadores. O famoso restaurante, chamado de ‘Café Parisiense’, era decorado ao estilo jacobino, com colunas douradas e objetos de prata finamente fabricados. O barco estava equipado, também, com o sistema Marconi, a mais nova forma de comunicação sem-fios da época.
O navio zarpou com 2.227 pessoas a bordo entre homens, mulheres e crianças, sob o comando do experiente capitão Edward J. Smith, que realizaria sua última viagem antes de se reformar. Os passageiros da terceira classe eram, na maioria, imigrantes que iam para a América em busca de uma chance de trabalho ou fugindo de um passado difícil em seus países.
O Capitão Edward J. Smith
Após a última parada em Queenstown, o navio seguiu viagem pelos mares do Atlântico. Para passar o tempo, alguns passageiros se divertiam dançando ao som da banda, outros faziam apostas sobre a data de chegada a Nova Iorque.
A viagem transcorreu calma durante os quatro dias. Mesmo recebendo avisos de outros navios sobre a existência de icebergs pelo caminho, o capitão Smith não se importou e dizia que o navio era grande demais para ser abatido por um iceberg. Ao contrário, a embarcação continuou navegando em sua velocidade máxima (40km/h) porque, além de ser chamado o mais luxuoso e indestrutível navio existente, os construtores queriam também que ele fosse considerado o mais rápido. Para tanto, deveria alcançar Nova Iorque em menos de uma semana, tempo previsto para a chegada.
Na noite do dia 14 de abril, o comandante Smith já tinha ido dormir e pedira ao 1º oficial, William Murdoch, que assumisse o seu posto e o avisasse de qualquer imprevisto que ocorresse. Por volta de 23h40, o sino do cesto dos vigias tocou três vezes, indicando que algo estava no caminho do Titanic. Murdoch conseguiu ver que surgia à frente do navio uma massa escura de gelo. A ordem foi que se virasse ao máximo a estibordo e se fizesse marcha à ré a toda potência. Entretanto, a medida não foi suficiente para evitar o encontro entre o barco e o iceberg. Parte da massa de gelo arranhou o casco da embarcação sob a linha de água, abrindo um rasgo com mais de 90 metros em seis compartimentos estaques da proa, que foram invadidos pela água.
Um dos construtores do Titanic, Thomas Andrews, que estava à bordo, calculou os estragos causados pelo choque e constatou que o navio tinha duas horas antes de afundar totalmente. Com a inclinação do navio, todos os compartimentos foram tomados pela água, tornando o naufrágio uma certeza matemática e inevitável. O capitão Smith ordenou aos radiotelegrafistas o envio de mensagens de socorro e iniciou os preparativos para que os passageiros abandonassem o navio nos barcos de salvamento. Entretanto, haviam apenas 20 botes que, em sua capacidade máxima, poderiam levar 1.178 pessoas. O número de barcos não foi maior porque os proprietários julgavam que colocar mais deles comprometeria a beleza e o conforto do Titanic.
Sobreviventes
O desespero de tentar se salvar fez com que os primeiros botes saíssem sem a sua capacidade total. Ao final, apenas 705 passageiros conseguiram se salvar. Às 2h20 da manhã do dia 15 de abril, o Titanic submergiu completamente. Os sobreviventes foram resgatados pelo navio Carpathia, da Cunard (que se transformaria na maior rival da White Star Line e a absorveria, tempos depois).
Como um gigante dos mares, construído com a mais alta tecnologia da época, pôde sucumbir nas águas do Atlântico Norte?
Historiadores tentaram responder a essa pergunta, recuperando os acontecimentos que levaram à tragédia do Titanic. Há diversas justificativas para a catástrofe como as condições desfavoráveis do tempo e os defeitos no design e na construção do navio.
A visibilidade dos icebergs localizados no Atlântico Norte foi prejudicada pelo rigoroso frio do inverno de 1912 e pela calmaria dos mares polares. Além disso, a falha de nenhum vigia possuir binóculos a bordo, a capacidade de a água passar facilmente de um compartimento ao outro – devido à baixa altura das divisões entre eles – e a fragilidade do aço utilizado na construção da estrutura do barco – que era o de mais baixa qualidade da época – facilitaram o choque com o iceberg.
Outros motivos salientados pelos historiadores que facilitaram a ocorrência da tragédia foram o despreparo da tripulação em situações de risco, a falta de testes do navio em sua velocidade máxima (40 km/h) e o fato de os operadores do rádio de transmissão ignorarem os avisos de outros barcos sobre a existência de geleiras no caminho.
O Gigante dos mares
 A descoberta dos destroços
Em 1985, o explorador Robert Ballard encontrou o lugar do naufrágio do Titanic no fundo do Oceano Atlântico. O que restou do navio está localizado a mais de 3,5 quilômetros de profundidade, abaixo da ilha canadense de Newfoundland.
Destroços
O Titanic tem se deteriorado com o passar dos anos – a maior parte da madeira, por exemplo, foi comida por moluscos. Entretanto, para o explorador marinho, as ações do homem têm acelerado ainda mais esse processo. As constantes viagens aos destroços do navio, com equipamentos e plataformas pesados, danificam sua estrutura. Além dos ‘caçadores de troféus’ que, desde a descoberta do local exato do naufrágio, já retiraram cerca de 6 mil objetos do fundo do mar.
Em 2001, no intuito de diminuir o impacto da ação humana na destruição do Titanic, a agência do governo norte-americano responsável pelo estudo dos oceanos aconselhou que as atividades de visitação e busca na área interagissem o mínimo possível com o navio e os artefatos que afundaram com ele.

UNESCO PROTEGE OS RESTOS DO TITANIC
Os restos do "Titanic", que naufragou há seis anos depois de se chocar contra um iceberg no Atlântico Norte, estão agora sob a garantia da Convenção da Unesco sobre a Proteção do Patrimônio Cultural Subaquático, informou a organização nesta quinta-feira em um comunicado.
"Os restos do Titanic jazem a 4.000 metros no fundo da quadra de Terranova. Como estão em águas internacionais, nenhum Estado pode reivindicar uma jurisdição exclusiva sobre o local", recordou a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.
"Até agora, o "Titanic" não podia se beneficiar da proteção da Convenção adotada pela Unesco em 2001, pois esta só é aplicada aos restos submersos por pelo menos cem anos", explica o comunicado.
"Dessa forma, os Estados signatários da Convenção poderão proibir a destruição, o saque, a venda e a dispersão dos oMuiobjetos encontrados no lugar. Podem tomar todas as medidas disponíveis para proteger os restos e para que os restos humanos sejam tratados dignamente", afirma ainda.
Quarenta e um Estados ratificaram a Convenção para a Proteção do Patrimônio Cultural Subaquático, que entrou em vigor em 2 de janeiro de 2009.
As águas ao redor dos restos do "Titanic" são geralmente invadidas pelos lixos dos barcos que navegam no setor, como por mergulhadores que colocam flores de plástico ou placas comemorativas no local.
Regularmente são organizadas expedições para recuperar peças que, em seguida, são expostas ou leiloadas.
O "Titanic" naufragou em sua viagem inaugural entre Southampton (Grã-Bretanha) e Nova York, depois de se chocar contra um iceberg na madrugada de 15 de abril de 1912. O naufrágio provocou mais de 1.500 mortos entre os 2.200 passageiros.
Modelo do Titanic na exposição da National Geographic na capital Washington
 Foto de Paul J. Richards/AFP
 Coleção de selos lembra história do Titanic no centenário da tragédia
Uma coleção de selos sobre a história do Titanic começará a ser vendida no Reino Unido a partir de 10 de abril, cinco dias antes da data em que o naufrágio do transatlântico completa cem anos.
Segundo o Royal Mail (serviço público de correios britânico), serão comercializados dez selos comemorativos com relatos da história do navio desde sua construção em estaleiros da Irlanda do Norte.
O Titanic zarpou do porto de Southampton (sul da Inglaterra) em 10 de abril de 1912 com destino a Nova York levando 2.227 passageiros e afundou quatro dias mais tarde, ao se chocar contra um iceberg. O acidente, que se transformou em uma das maiores tragédias marítimas da história, provocou a morte de mais de 1.500 pessoas.
Um porta-voz do Royal Mail, Philip Parker, disse à agência britânica Press Association (PA) que "a história do Titanic e dos correios está estritamente vinculada", pois o serviço postal do país havia se encarregado de transportar cartas e pacotes por meio do navio. Houve ainda a morte de cinco empregados dos correios no desastre: três norte-americanos e dois britânicos, que trabalhavam na área postal do navio, a primeira parte a afundar.
"Acreditamos que estes selos comemorativos recordarão a incrível história do Titanic, que também faz parte da nossa", indicou Parker.
A viagem inaugural do Titanic e a primeira página do jornal "The New York Times" anunciando o naufrágio são algumas das imagens presentes nos selos.

2 comentários:

  1. Olá,linda postagem, copiei pro meu blog e coloquei o endereço do seu blog,como fonte.Tudo bem? Se vc não quiser posso excluí-la.

    ResponderExcluir
  2. Fique a vontade pode copiar qualquer postagem, o importante e difundirmos informações por este Brasil e o mundo afora.
    Obrigado.
    Bjus e Boa Páscoa!

    ResponderExcluir