Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O Homem não descende do macaco !


Contrariamente ao cenário admitido desde Darwin, o Homem não descende do macaco, ele próprio é um macaco, tendo partilhado um "ancestral comum" com o chimpanzé. É esta a história verdadeira apresentada em duas revistas : National Geographic e Sience & Vie.

A vida é frágil na África, mas alguns restos mortais têm uma história para contar.
A bacia de Afar localiza-se mesmo em cima de uma falha, em alargamento, da crosta terrestre. Ao longo das eras, os vulcões, os terramotos e a lenta acumulação de sedimentos convergiram entre si para enterrar as ossadas e, muito mais tarde, as devolverem à superfície sob a forma de fósseis.

De acordo com o paleoantropólogo Tim White, da Universidade da Califórnia, "há milhões de anos que morrem pessoas neste lugar. De vez em quando, temos a sorte de descobrir aquilo que delas resta".
No ano passado, Outubro, o projeto de investigação Middle Awash, co-dirigido por Tim White juntamente com os colegas Berhane Asfaw e Giday Wolde Gabriel, anunciou um achado produzido 15 anos antes: a descoberta do esqueleto de um membro da família humana morto há 4,4 milhões de anos num local denominado Aramis, cerca de trinta quilómetros a norte do lago Yardi. Pertencente à espécie Ardipithecus ramidus, esta adulta (batizada "Ardi") tem mais de um milhão de anos do que a famosa Lucy e fornece informação sobre um dos problemas-chave da evolução: a natureza do antepassado que partilhamos com os chimpanzés.


Por mais sensacional que seja, o Ardipithecus ramidus representa um mero momento no nosso percurso evolutivo, desde a época em que éramos obscuros símios até nos tornarmos na espécie que detém nas suas mãos o destino do planeta. À superfície da Terra, não existe lugar melhor do que o curso médio do Awash para observar o modo como esta transformação teve lugar. Além de Aramis, os estratos ali existentes representam outros 14 períodos cronológicos diferentes e proporcionaram a descoberta de hominídeos (membros da nossa exclusiva linhagem, igualmente denominados hominíneos), desde formas ainda mais antigas e primitivas do, que o Ardipithecus ramidus até representações iniciais do Homo sapiens.
Para Tim White muitas destas "janelas temporais" situam-se em tão estreita proximidade que se poderia literalmente passar de uma para outra no curso de um par de dias.


Adaptado de um artigo publicado na revista National Geographic - Julho 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário