Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sexta-feira, 25 de maio de 2012

ESTUDO DIVULGA QUE PRODUZIR 1 KG CARNE NO BRASIL PRODUZ TANTO CO2 COMO TRANSITAR 1,6 MIL KM DE CARRO


A produção de um quilo de carne bovina no Brasil pressupõe o gasto de 335 quilos de dióxido de carbono (CO2), exatamente a mesma quantidade consumida em uma viagem de 1,6 mil quilômetros em um automóvel europeu médio.
Especialistas da Áustria e Holanda chegaram a essa conclusão em um recente estudo, cujos resultados foram divulgados nesta quinta-feira pela agência "APA".
No caso da carne de vaca produzida nos Países Baixos, um quilo equivale a 111 quilômetros de automóvel, pois nas duas situações o CO2 emitido é de 22 quilogramas.
Kurt Schmidinger, da Universidade de Viena, e Elke Stehfest, da agência "PBL Netherlands Environmental Assessment Agency", desenvolveram um sistema especial para fazer estabelecer o custo climático dos alimentos.
A maior inovação nestes cálculos é que, além das emissões na produção dos alimentos, o estudo também contabiliza a superfície do pasto para os animais, um fator ignorado até agora, apesar de ser considerado central para a mudança climática.
A razão é que os gramados de grandes superfícies impedem o desenvolvimento de florestas e plantas naturais, que por sua vez atuam absorvendo CO2 da atmosfera, o que combate o efeito estufa.
Segundo os especialistas, a produção de alimentos vegetais é a menos nociva para o meio ambiente.
Fonte: EFE
atual situação de devastação causada pela pecuária
DADOS QUE VOCÊ DEVE SABER
1 – Em 2009 os dados eram: Para cada quilograma de carne bovina produzida são emitidos 13 quilogramas de CO2 equivalente. Isso significa que, ao se alimentar com um quilo de bife, emitia-se a mesma quantidade de gases de efeito estufa de um vôo de 100 quilômetros (O Rastro da Pecuária na Amazônia – relatório do Greenpeace);
2 – Em um hectare, que poderia render 22.500 kg de batata ou outra hortaliça, são produzidos 185 kg de carne. Além disso, o consumo de água é impressionante. Para cada quilo de carne produzido, são necessários 20 a 30 mil litros de água (Fazer churrasco é ruim para o meio ambiente? – matéria da revista Galileu).
O grande problema ambiental da produção de gado o desmatamento necessário 
para a sua produção.
O boi não é só carne
O primeiro ato falho, dessas duas afirmações, está no fato de relacionar a produção de CO2, a ocupação de área e o consumo de água por parte dos bovinos apenas à produção de carne. O boi, como qualquer fornecedor de insumos agropecuários, pecuarista ou profissional da indústria frigorífica sabe, é uma verdadeira fábrica de matéria-prima.
Um bovino adulto, ao ser abatido, gera mais ou menos 202 quilos de carne; 48 quilos de miúdos; 40 quilos de pele (couro); 27 quilos de farinha (de sangue e carne e ossos); 12 quilos de sebo; 0,25 quilos de bile, cálculo biliar e coisas do gênero; 1,22 quilos de pêlo de orelha, cascos, pêlo de rabo, etc. Esses derivados bovinos irão alimentar 49 segmentos industriais diferentes: energia, alimentação, nutrição animal, higiene e limpeza, farmacêutico, moveleiro, calçados, equipamentos de segurança e outros.
Vamos seguir apenas o couro, como exemplo. As indústrias calçadistas, moveleiras, automotivas e de artefatos diversos dependem do couro. As indústrias de gelatina, de cola e de dog toy dependem de subprodutos do couro (raspas e aparas). As indústrias de alimentação, as farmacêuticas e as de cosméticos usam a gelatina. E por aí vai. Quem quiser pode acessar um fluxograma simplificado dos derivados do abate no site do Serviço de Informação da Carne (SIC): http://www.sic.org.br/praqueserve.asp. Estava olhando agora essa figura e realmente me convenci de que a produção e o abate de bovinos é uma maneira bastante eficiente de se usar 30 mil litros de água ou 13 quilogramas de CO2. É bem melhor do que fazê-lo num ineficiente vôo de 100 quilômetros. Outra escorregada, relacionada à emissão de gases de efeito estufa pelosbovinos, está no fato de “análises” desse tipo nunca considerarem o sequestro de CO2 que é realizado pelas pastagens. Parece que só vale inserir o pasto, dentro do sistema de produção de carne, se é para tratar do desmatamento. Sequestro de carbono não conta.



Nenhum comentário:

Postar um comentário