Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

segunda-feira, 7 de maio de 2012

OS RECURSOS DO PLANETA ESTÃO EM “XEQUE” PELO EXCESSO DE CONSUMO E AUMENTO DA POPULAÇÃO

Novo relatório da Royal Society de Londres foi apresentado no mês passado
Os altos níveis de consumo dos países industrializados e o excesso de população em países em desenvolvimento são dois dos principais problemas referidos no relatório «People and the Planet», publicado ontem pela Royal Society de Londres.
Dirigida pelo biólogo John Sulston (Nobel de Fisiologia/Medicina em 2002), uma equipe de 22 cientistas estudou a ligação entre a população global e o consumo e as suas implicações num planeta com recursos limitados.
Paul Nurse, presidente da Royal Society (e também Nobel de Fisiologia/Medicina em 2001), afirma, no prefácio do relatório final, que as “rápidas e globais alterações na população humana juntamente com nível sem precedentes de consumo promoveram mudanças profundas na saúde humana, no bem-estar e no meio ambiente”.
África é o maior desafio: a população aumentará 2 mil milhões de habitantes
durante este século, diz Ekliya Zulu
A combinação desses fAtores tem “consequências a longo prazo para o planeta”, que é limitado nos seus recursos. Esse impacto, que está a sentir-se nas gerações atuais e vai continuar a sentir-se nas futuras, levanta muitas preocupações “e desafia-nos a considerar a relação entre população e planeta”.
Durante quase dois anos, os investigadores estudaram a fundo as atuais tendências sociais, econômicas e ambientais para tentar perceber que futuro espera a humanidade nos próximos 100 anos.
O relatório alerta para a pressão de crescimento da população que ano passado atingiu os sete bilhões de habitantes. Em meados deste século, haverá mais 2,3 bilhões de novos habitantes (o atual número de habitantes da China e da Índia juntas).
Relatório foi publicado em abril no
É “vital que os países em desenvolvimento controlem a sua população, sendo também necessária uma melhor distribuição de riqueza”. O maior desafio vai ser África, “onde a população aumentará 2 bilhões durante o século XXI”, diz Ekliya Zulu.
Para isso é necessário promover a saúde reprodutiva e programas voluntários de planeamento familiar. Quando o crescimento populacional desacelera, “as mulheres ganham mais poder e isso significa mais dinheiro para os que menos têm e mais oportunidades de educação”.
Para que a vida no planeta seja sustentável será também necessário que “os países desenvolvidos moderem o consumo e tomem medidas drásticas para diminuir as emissões de CO2”, diz o investigador Jules Pretty. É também necessário “tirar da pobreza 1300 milhões de pessoas que vivem com menos de 1,25 dólares por dia”.
Outro ponto essencial do relatório afirma que “população e meio ambiente não podem ser vistos como assuntos separados. As alterações demográficas e tudo o que estas envolvem devem ser alvo de discussão económica e ambiental”. Os investigadores sugerem ainda que desenvolvam novos sistemas socioeconômicos.
«Fornecer orientações aos governantes e população é o objetivo maior»
Este relatório, diz Paul Nurse, não é uma declaração definitiva sobre estes temas, mas uma visão geral dos impactos da população humana e do consumo no planeta. Levanta questões sobre a melhor forma de aproveitar as oportunidades que as mudanças na população podem trazer e como evitar os impactos mais negativos.
O objetivo do estudo é fornecer orientações para os governantes e informar o público interessado com base numa avaliação pragmática com os melhores dados disponíveis. O âmbito do estudo foi global e reconhece explicitamente variações regionais na dinâmica populacional e na desigualdade dos padrões de consumo à volta do mundo.

2 comentários:

  1. Muito interessante! Então é preciso informar os governantes? Eu só queria entender!!!

    ResponderExcluir
  2. A espécie "governante" só toma providência depois do problema instalado, ou seja, não enxergam um palmo diante do nariz a não ser dinheiro e poder.

    ResponderExcluir