Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

segunda-feira, 28 de maio de 2012

REAÇÃO EM CADEIA LEVA A MORTE DE CORAIS

Equipe internacional descobre passos que levam a destruição dos recifes de corais
A depleção de oxigênio e a acidez do meio ambiente criam uma reação em cadeia que leva à morte dos corais. Investigadores do Max Planck Institute para a Microbiologia Marinha, em Brema (Alemanha) em colaboração com colegas australianos, italianos e do Sultanado de Omã estudaram como é que estes animais marinhos morrem quando expostos à sedimentação.
Miriam Weber mediu as concentrações de oxigênio.
(Crédito: C. Lott/HYDRA Institute/Max Planck)
A formação de recifes de corais cobre a superfície das regiões tropicais costeiras, a 30 graus do Sul e Norte do Equador. Os pólipos de coral constroem os esqueletos de carbonato que se formam nos recifes há centenas de milhares de anos. A fotossíntese das algas simbióticas dentro dos pólipos produz oxigênio e carbo-hidratos de dióxido de carbono e água, alimentando-os ao mesmo tempo.
Desde os anos 80 que o processo de descoloração está em estudo: temperaturas elevadas de um para três graus induzem as algas a produzir toxinas. Os pólipos reagem expelindo as algas e o recife de corais vai perdendo a cor. Sem uma relação simbiótica o coral apenas sobrevive algumas semanas.
As zonas costeiras com excesso de erosão e onde os rios expelem sedimentos orgânicos para o mar, são prejudiciais para os corais, já que podem morrer rapidamente quando exposto à sedimentação. Miriam Weber, cientista do Max Planck Institute, explica que “a combinação de depósitos de sedimento e elevada matéria orgânica com microrganismos pode causar a morte súbita de corais”. A investigadora refere ainda que para conseguirem “controlar estes parâmetros físicos, químicos e biológicos realizaram várias experiências, no Instituto Australiano para as Ciências Marinhas, em condições controladas em grandes contentores, para que pudessem imitar o habitat natural”.
Três recifes de corais em estudo na costa australiana.
(Crédito:M. Weber/HYDRA Institute/Max Planck)
Três fases do desgaste
A equipe conseguiu assim recriar os passos que levam à deterioração dos corais. O primeiro verifica-se quando uma camada de dois milímetros de sedimento enriquecida por compostos orgânicos cobre os corais, a luz é bloqueada e leva as algas a parar a sua fotossíntese.
Na segunda fase, se os sedimentos forem organicamente enriquecidos, a digestão do material orgânico através da atividade microbial reduz concentrações de oxigênio e a este ponto, outros micróbios vão assumir a digestão de grandes compostos de carbono por fermentação e hidrólise, baixando o pH.
Já na última fase do processo, a falta de oxigênio e as condições de acidez prejudicam de forma irreversível pequenas áreas de tecido de corais. A matéria morta é digerida por micróbios que produzem sulfito de hidrogênio, um composto que é altamente tóxico para os corais restantes. Aquilo que resta da superfície de corais coberta por sedimento é morto em menos de 24 horas.
Fonte: Ciência Hoje

Nenhum comentário:

Postar um comentário