Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sábado, 4 de junho de 2011

O JAPÃO SUBESTIMOU O RISCO DE TSUNAMI NA USINA DE FUKUSHIMA


O Japão “subestimou” o risco de um tsunami para a central atômica de Fukushima Daiichi, mas sua reação à catástrofe nuclear foi “exemplar”, afirmou nesta quarta-feira (1º) a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).
O resultado faz parte de relatório preliminar enviado ao governo japonês pelo grupo da AIEA encarregado de investigar o acidente na usina afetada pelas ondas gigantes que varreram o nordeste do país em 11 de março passado.
Grupo da AIEA em visita a Usina de Fukushima
Os resultados da investigação serão comunicados em reunião ministerial sobre segurança nuclear que a AIEA realizará em Viena, entre 20 e 24 de junho.
O fornecimento de energia elétrica ao complexo de Fukushima foi interrompido após o impacto do tsunami, paralisando o sistema de refrigeração dos reatores atômicos e dando início à crise nuclear.
“O risco de tsunami foi subestimado”, diz o relatório, elaborado por 18 especialistas que ficaram “impressionados com o trabalho dos operários japoneses diante da gravidade da situação, quando eles reagiram de maneira “exemplar”.
Foto divulgada pela Tepco, operadora japonesa da usina de Fukushima, mostra o momento em que o tsunami invade a usina nuclear no nordeste do Japão - Tepco/EFE
Os especialistas da AIEA inspecionaram várias usinas, a partir de 24 de maio.
O relatório da AIEA destaca ainda a necessidade de “independência da autoridade de regulação nuclear” japonesa, atualmente sob a tutela do Ministério da Indústria.
A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina de Fukushima, continua trabalhando para solucionar a crise nuclear, a mais grave após o acidente de Chernobyl em 1986, e espera poder levar os reatores a um estado de parada fria até janeiro de 2012.
O acidente em Fukushima pôs a questão nuclear no topo da agenda mundial. Na quinta-feira, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou na cúpula do G-8 que seus países membros (entre eles o Japão) irão adotar uma regulamentação internacional de segurança nuclear. Esta semana, a Alemanha decidiu abrir mão de suas 17 usinas até 2022. Enquanto isso, a Tokyo Electric Power Company, operadora da usina de Fukushima, continua trabalhando para conter a crise nuclear, a mais grave desde o acidente de Chernobyl em 1986.
Fonte: O Globo e Reuster

2 comentários:

  1. É!!!! Nada detém a fúria da natureza quando desrespeitada!

    ResponderExcluir
  2. Para a natureza, tudo que construímos é apenas lixo que pode ser varrido a qualquer instante.

    ResponderExcluir