Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

BASE DE DADOS DIVULGA EXOPLANETAS COM POTENCIAL DE HABITABILIDADE

NASA revela mais um planeta extra-solar potencialmente habitável
O «Catálogo de Exoplanetas Habitáveis» (Habitable Exoplanets Catalog, HEC) é uma base de dados focada nas descobertas de exoplanetas que potencialmente podem abrigar vida. Destinada a cientistas, professores e público em geral, o HEC é um projeto do Laboratório de Habitabilidade Planetária (Planetary Habitability Laboratory, PHL), da Universidade de Porto Rico, em Arecibo.
Após quase 20 anos da detecção dos primeiros exoplanetas, ou planetas extra-solares, os cientistas estão agora começando a identificar quais destes podem ser habitáveis. Mais de 700 exoplanetas já foram detectados e confirmados. O mais recente foi confirmado ontem pela NASA, no sistema planetário Kepler 22.
A maioria dos exoplanetas que se conhecem são gigantes gasosos, semelhantes a Júpiter e Netuno. Apenas alguns têm o tamanho e uma órbita certos para serem considerados adequados à vida.
Análises ao recentemente descoberto Kepler-22b
não confirmam ainda a sua habitabilidade
 NASA descobre planeta potencialmente habitável
Kepler 22b encontra-se no sistema planetário a 600 anos-luz da Terra. Poderá ter condições para a formação de água em estado líquido. É a primeira vez que a NASA confirma a existência de um planeta numa zona orbital habitável fora do Sistema Solar. O planeta, detectado pela sonda Kepler, é maior do que a Terra, mas desconhece-se ainda a sua composição. Orbita em 290 dias candidatos, dos quais 207 com um tamanho aproximado da Terra e 680 com dimensões maiores uma estrela semelhante ao Sol. Lançada em 2009, a Kepler tem por missão procurar planetas-irmãos da Terra susceptíveis de terem vida. Em dois anos foram identificados 2326. Antes, em Maio de 2007, o Centro francês de Investigação Científica anunciou que um dos planetas que orbita a estrela anã Gliese 581 seria ‘habitável’. Em Agosto, astrônomos suíços confirmaram a existência de um outro exoplaneta em zona orbital habitável, o HD 85512b.
O PHL apresenta uma nova avaliação dos planetas. O catálogo elaborado, e que se encontra online aqui), não só identifica novos potenciais mundos habitáveis (incluindo ‘exoluas’) mas também os classifica de acordo com diversos índices de habitabilidade.
Abel Méndez, diretor do PHL e investigador principal do projeto, diz que uma das coisas mais importantes das classificações é que permitem comparar exoplanetas do melhor para o pior candidato a albergar vida.
O catálogo utiliza avaliações como o «Earth Similarity Index» (Índice de Similitude com a Terra), o «Habitable Zones Distance» (HZD) e o «Global Primary Habitability» (GPH). Usa também dados de outras bases como a «Enciclopédia de Planetas Extrasolares», o «Exoplanet Data Explorer», ou «NASA Kepler Mission».
Os planetas são categorizados utilizando-se vários sistemas de classificação. Uma das classificações divide-os em 16 categorias de massa e temperatura.
Até agora apenas dois exoplanetas correspondem aos critérios de habitabilidade do catálogo: o Gliese 581d e HD 85512b. Identifica, contudo mais 15 planetas e 30 luas como potenciais candidatos a habitáveis.
O planeta descoberto pela NASA, o Kepler 22b, não foi classificado pelo catálogo como ‘habitável’, pelo menos na primeira análise. Como se pode ver no site, “o planeta encontra-se na ‘zona habitável’, mas é muito grande e já foi classificado como «Warm Neptunian»”. Ainda assim, nas análises mais recentes, não se põe de parte o seu potencial, considerando que o planeta poderá vir a ser classificado como «Warm Superterran», sendo assim habitável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário