Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO AO CRACK PREVÊ INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA

O governo federal lançou nesta quarta-feira mais um programa de enfrentamento ao crack. Desta vez, a promessa é investir R$ 4 bilhões da União, em articulação com estados, Distrito Federal, municípios e sociedade civil. Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o plano prevê a ampliação dos consultórios de rua - serão 308 até 2014. Esses ambulatórios móveis contarão com a presença de profissionais como médicos, enfermeiros, psicólogos e lideranças locais. São eles que irão determinar se é necessária a internação compulsória, medida polêmica que divide a comunidade médica.
Em maio do ano passado, às vésperas da eleição, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou um programa semelhante, que tinha como linhas-mestras de atuação os mesmos três eixos do projeto de Dilma, mas com nomes diferentes: cuidado (tratamento), autoridade (combate) e prevenção (mesmo nome no programa de Lula). À época, o PSDB ocupou espaços publicitários para dizer que o petista não estava dando atenção ao problema. O programa de Lula teve como objetivo ajudar Dilma, sua candidata, e destinou R$ 400 milhões para as ações.
Crack, é possível vencer este mal.
"Epidemia"
O mote da atual campanha é "Crack, é possível vencer". O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, comparou o momento atual no combate à droga à epidemia de Aids no início da década de 80, quando a comunidade médica se viu diante de questionamentos éticos e de como atuar para resolver o problema. Na visão de Padilha, a Aids agora está sob controle e a saúde encontrou uma forma de atuação. Isso, segundo acredita, deve se repetir com o crack.
"O crack tem a mesma dimensão deste desafio. No conceito técnico, estamos, sim, diante de uma epidemia de crack em nosso país", afirmou o ministro, observando que de 2003 até o momento aumentou em 10 vezes o número de atendimento na rede de saúde aos dependentes químicos, o que inclui outras drogas além do crack.
"O consultório na rua não serve para internação compulsória. Serve para proteger a vida", disse Padilha, procurando criar uma frase de efeito. De acordo com ele, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) já prevê a internação de crianças e adolescentes que corram risco de vida.
O atendimento psicossocial aos dependentes também funcionará 24 horas por dia, e não mais em horário comercial, como era feito até então. Padilha prometeu multiplicar por quatro o valor diário repassado às enfermarias especializadas em tratamento de álcool e drogas nos hospitais.As unidades de acolhimento serão 430 até 2014.
Tráfico de drogas
Na área de combate ao tráfico, o ministério da Justiça disse que irá atuar em conjunto com os estados e municípios. Sem dar detalhes de como isso ocorrerá, por alegadas questões de segurança, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que haverá monitoramento de imagens nas chamadas cracolândias, inclusive para evitar distorções e desvios dos próprios policiais.
"Vamos identificar e prender os traficantes através de um trabalho integrado entre a Polícia Federal e as polícias locais", disse Cardozo.
A presidente vai enviar, na próxima segunda-feira, um projeto de lei que altera o Código de Processo Penal para acelerar a destruição de entorpecentes apreendidos pela política e agilizar o leilão de bens utilizados no tráfico de drogas. Quanto à prevenção, o governo irá investir recursos em ações nas escolas, comunidades e com a população em geral. Está prevista publicidade institucional e um programa de capacitação no Programa de Prevenção do Uso de Drogas na Escola para 210 mil educadores e 3,3 mil policiais.
A presidente Dilma Rousseff afirmou que não há um modelo pronto de sucesso, mas é preciso avançar. Ela afirmou que é preciso adotar uma repressão "sem complacência" e, comparando com os avanços do país em áreas sociais como a inclusão dos pobres na classe C ou a geração de empregos, Dilma afirmou que é possível vencer o problema.
"Um país que conseguiu tudo isso vai ter também uma política ampla, sustentável de enfrentamento às drogas", discursou ela.
Depois, dirigindo-se aos pais de dependentes em crack, Dilma utilizou um tom emocionado para dizer que o Estado estará ao lado deles.
"Quero dizer que nós todos temos de fazer da dor deles a nossa dor. E ao fazer isso, temos clareza que vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para recuperação de seus filhos e filhas e que a alegria deles seja também a nossa alegria", afirmou, para encerrar:
"Temos de ter sempre fé e esperança na recuperação de cada um que está nessa situação."
Por Chico de Gois (chico.gois@bsb.oglobo.com.br) | Agência O Globo
Breve panorama do crack
O panorama mundial da difusão do uso do cloridrato de cocaína (pó) por aspiração intranasal esteve associado, a partir da década de 60, à falta de algumas drogas no mercado, como a anfetamina e a maconha, devido às ações repressivas. Contudo, o alto preço do produto levou usuários de drogas à descoberta de outras formas de uso com efeitos mais intensos, apesar de menor duração. Desse cenário, no início de 1980, aparecem novas drogas obtidas a partir da mistura de cloridrato de cocaína com ingredientes cada vez mais incertos e tóxicos. Tempos depois, surge o uso do crack, outra forma fumável de cocaína, disseminando-se no Brasil, oficialmente a partir de 1989, alastrando-se atualmente, em vários segmentos sociais de gênero, sexo, idade e classe social.
Na produção de crack não há o processo de purificação final. O cloridrato de cocaína é dissolvido em água e adicionado em bicarbonato de sódio. Essa mistura é aquecida e, quando seca, adquire a forma de pedras duras e fumáveis. Além dos alcalóides de cocaína e bicarbonato de sódio, essas pedras contêm as sobras de todos os ingredientes que já haviam sido adicionados anteriormente durante o refino da cocaína. As pedras de crack são vendidas já prontas para serem fumadas. Sua composição conta com uma quantidade imprecisa de cocaína, suficiente para que possa produzir efeitos fortes e intensos. Além disso, para obter a produção final do crack são misturadas à cocaína diversas substâncias tóxicas como gasolina, querosene e até água de bateria.
O uso disseminado do crack no mundo das drogas está relacionado a vários fatores que levaram a uma grave transformação, tanto na oferta quanto na procura. De um lado, o controle mundial repressivo sobre os insumos químicos necessários a sua produção – como éter e acetona – leva os produtores a baratear cada vez mais sua fabricação, com a utilização indiscriminada de outros ingredientes altamente impuros. Quanto mais barata sua produção, mais rentável é sua venda. Por outro lado, o crack representa para a população usuária de drogas um tipo de cocaína acessível, pois vendido em pequenas unidades baratas, oferece efeitos rápidos e intensos. Entretanto, a desejada intoxicação cocaínica proporcionada pelo crack provoca efeitos de pouca duração, o que leva o usuário a fumar imediatamente outra pedra. Esse ciclo ininterrupto de uso potencializa os prejuízos à saúde física, as possibilidades de dependência e os danos sociais. A inovação no mercado das drogas com a entrada do crack atraiu pequenos traficantes, agravou ainda mais a situação, com o aumento incontrolável de produções caseiras, se diferenciando conforme a região do país.
À cocaína é misturada uma variedade incerta de reagentes químicos em sua preparação. O desconhecimento quanto a sua composição pode dificultar, muitas vezes, as intervenções emergenciais de cuidados à saúde nos casos de intoxicação aguda sofrida por alguns usuários. Tais condições, porém, não impossibilitam o desenvolvimento de ações voltadas à saúde e ao bem-estar social da referida população.

2 comentários:

  1. Seria muito interessante o combate aos burgueses traficantes. Todos sabem que eles andam livres em seus aviões. É preciso vistorias severas, principalmente nas fronteiras e punirem sim os viciados, lógicamente com critérios, pois eles também financiam este tipo de crime.

    ResponderExcluir
  2. o maior problema é a omissão da sociedade que não cobram das autoridades leis mais severas, e também não combate a desigualdade social.

    ResponderExcluir