Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

EXPOSIÇÃO A UM DESASTRE NATURAL NO INÍCIO DA GRAVIDEZ AUMENTA RISCO DE PARTOS PREMATUROS

Capa da Revista Human Reproduction

O estresse entre o segundo e o terceiro meses de gravidez pode aumentar o risco de partos prematuros e afetar a proporção de meninos nascidos, diz um estudo publicado nesta quarta-feira sobre o efeito da tensão causada pelo terremoto de 7,9 graus na escala Richter que aconteceu em Tarapacá (Chile) em 2005.
Embora já se saiba que o estresse pode afetar a duração da gravidez, até agora nenhuma pesquisa tinha examinado o efeito do momento no qual aconteceu a tensão sobre a proporção de meninos e meninas, asseguram suas autoras.
Pesquisas anteriores sugerem que a exposição materna ao estresse agudo tem um impacto negativo na duração da gravidez, e que este efeito pode variar de acordo com o tempo de exposição.
O estudo, financiado pela Fundação Nacional de Ciência dos EUA e o Instituto Nacional de Saúde dos EUA, foi publicado na edição digital da revista "Human Reproduction".
As professoras Florencia Torche e Karine Kleinhaus, da Universidade de Nova York, analisaram os certificados de nascimento dos bebês nascidos no Chile entre 2004 e 2006 para determinar sexo, peso, estatura e idade gestacional das mais de 600 mil crianças dadas à luz nesse período.
As autoras da pesquisa também observaram a idade da mãe, se ela tinha estado grávida anteriormente e em qual dos 350 condados chilenos vivia para tentar explicar como o terremoto afetou as mães que estiveram mais próximas do epicentro do sismo.
As pesquisadoras chegaram à conclusão que as mulheres que experimentaram o sismo de maneira mais severa durante o segundo e o terceiro meses de gravidez tiveram gestações mais curtas e um maior risco de parto prematuro (antes de 37 semanas de gravidez).
Outra tendência observada foi que os nascimentos de meninos diminuíram com relação ao de meninas.
Karine Kleinhaus, professora adjunta de Psiquiatria, Obstetrícia e Ginecologia e Medicina Ambiental, explicou que em geral nascem mais meninos que meninas, já que a proporção costuma ser de 51% contra 49%.
No entanto, seus resultados mostram uma diminuição de 5,8%, o que se traduziria em uma proporção de 45 nascimentos de meninos por cada 100 crianças.
Uma pesquisa anterior indicara que perante situações de estresse as mulheres são mais propensas a abortarem fetos masculinos, já que eles são maiores que os femininos e requerem um maior esforço da mãe.
Além disso, os meninos podem ser menos fortes que as meninas e não adaptar seu desenvolvimento a um ambiente de estresse no útero.
Veja mais detalhes no site da Human Reproduction", abaixo:


Nenhum comentário:

Postar um comentário