Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

EUA, ALBA E ARÁBIA SAUDITA EMITEM RESERVAS SOBRE FUNDO VERDE, EM DURBAN, PARA AJUDAR PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO


A criação do Fundo Verde, concebido para financiar os países em desenvolvimento com a finalidade de ajudá-los a enfrentar as mudanças climáticas, sofreu contratempos na conferência da ONU em Durban, África do Sul, pela oposição de alguns países que emitiram reservas.
Embora a maioria dos quase 200 países com representantes na conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas que começou esta segunda-feira em Durban se pronunciaram favoráveis a uma aprovação rápida do Fundo Verde, cujo princípio foi adotado no fim de 2010 em Cancún (México), Estados Unidos, Arábia Saudita e Venezuela, em nome da Alternativa Bolivariana para a América (Alba), emitiram reservas por diferentes motivos.
Este Fundo Verde deve fornecer financiamento a partir de 2013 e aumentar periodicamente até 2020, ano em que os países industrializadaos prometeram destinar por ano US$ 100 bilhões aos países em desenvolvimento para que possam enfrentar as mudanças climáticas.
Mas os Estados Unidos, a Venezuela em nome da Alba, e Arábia Saudita não quiseram adotar esta quarta-feira um relatório estabelecido por um "comitê transitório" que, há um ano, elabora as bases do mecanismo.
Sul-africanos passam por baobá enfeitado com luzes
alimentadas com energia renovável em Durban
O negociador americano, Jonathan Pershing, informou durante a sessão que a proposta do comitê era "precipitada" e continha "erros e incoerências".
"Se estiver bem concebido, o 'Fundo Verde' poderia tornar-se uma instituição mundial essencial no financiamento do clima", acrescentou.
A Venezuela, em nome da Alba, se opôs ao papel acertado pelo Banco Mundial à gestão do Fundo, enquanto a Arábia Saudita destacou que os recursos deveriam ser públicos.
A maioria dos delegados, em particular os da União Europeia, de Japão e da Austrália, insistiram na importância de fazer com que esta ferramenta fosse operacional em Durban.
A presidente da sessão, a chanceler sul-africana, Maite Nkoana-Mashabane, suspendeu a decisão sobre o tema à espera de consultas informais a portas fechadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário