Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

USO DA ENERGIA NUCLEAR ENTRA EM DECADÊNCIA, APÓS FUKUSHIMA

O desastre de 11 de março de 2011 e a catástrofe de Fukushima afundaram a tecnologia nuclear em uma nova crise existencial, com o fim do átomo para uso civil decretado em vários países da Europa e uma redução de seu uso no Japão.
Quando o mortífero tsunami se abateu sobre a costa leste japonesa após um terremoto extremo no dia 11 de março, os reatores 1 a 4, os mais danificados dos seis da central de Fukushima, terminaram com seus geradores de auxílio submersos pela onda de 14 metros.
Nada esfriava o combustível que entrou em fusão. As explosões de hidrogênio destruíram os edifícios superiores e projetaram enormes quantidades de material radioativo no meio ambiente.
O acidente obrigou milhares de pessoas a abandonar suas casas situadas a menos de 20 km da central e empurrou um total de 150 mil residentes da cidade de Fukushima a se mudar, mas não foi registrada nenhuma morte pela catástrofe.
A 25 anos de Chernobyl, o mundo descobriu uma nova "terra de ninguém" com sua angustiante e invisível radioatividade. O ultramoderno Japão viu suas certezas cambalearem, com um perfume de opacidade das autoridades ao fundo.
Após pulverizar os reatores noite e dia com água do mar e depois com água doce, os trabalhadores e técnicos - que se expuseram a grandes doses de radioatividade - conseguiram deter o processo infernal e, depois de vários meses, estabilizam a temperatura do combustível.
Mas a onda expansiva foi mundial. No fim de maio, a Alemanha anunciou que deteria seus 17 reatores até 2022. A Suíça projetou sua saída do átomo para 2034. Em junho, a Itália confirmou em um referendo o abandono do átomo, efetivo desde 1990. E a Bélgica se preparou para seguir o mesmo caminho.
Na França, onde o átomo gera 75% da eletricidade que consome, o consenso fechado nos anos 60 entrou em erosão e a energia nuclear foi incluída como um tema da campanha eleitoral de 2012.
Depois de Fukushima a energia nuclear fica novamente no banco dos réus
Para restabelecer a confiança, as autoridades de segurança nuclear através do mundo lançaram simulações de emergência e atrasaram diversos projetos. Com a opinião pública traumatizada, o Japão suspendeu seus reatores para inspeção: restam apenas 9 ativos dos 54 que o arquipélago possui, e pode deixar de gerar eletricidade de origem nuclear em meados de 2012.
As decisões sobre estes testes devem ser publicadas em 2012, mas algo fica claro: para enfrentar o impensável, a segurança deverá ser reforçada e a energia nuclear será mais cara e, portanto, menos competitiva.
Que impacto terá para o setor? Após este terceiro grande acidente - Three Mile Island em 1979, Chernobyl em 1986 e Fukushima em 2011 - os americanos e japoneses GE-Hitachi e Toshiba-Westinghouse, o russo Rosatom e o francês Areva estão em meio à neblina.
Antes de 11 de março, prometiam "o reconhecimento" da energia nuclear como uma alternativa para reduzir as emissões de CO2 e salvar o clima, diante do encarecimento da energia fóssil.
Está excluído um colapso total do setor, mas o cenário apresentado com mais frequência é o de um crescimento modesto. Uma hipótese pessimista da Agência Internacional de Energia (AIE) avalia uma contração de 15% do parque instalado, a anulação da metade dos projetos e nenhuma obra nova nos países desenvolvidos.
Uma certeza: a Ásia, onde estão situados três quartos dos 62 reatores em construção (com 441 reatores ativos antes de Fukushima), impulsionará o setor. China e Índia, gigantes vorazes em carvão, não podem diversificar sua eletricidade. Alguns países europeus mantêm, no entanto, sua política, como Grã-Bretanha, Finlândia, Suécia ou Polônia.
Outro dilema: sem energia nuclear, como é possível conquistar a transição energética sem retornar à térmica? Mesmo se seu custo baixar, a eólica e a solar subsidiadas sofrem pela austeridade. Outra fonte de energia pode ver que se aproxima sua idade de ouro: o gás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário