Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

REINO UNIDO E FRANÇA DEBATEM A REMOÇÃO DE IMPLANTES MAMÁRIOS


A RECOMENDAÇÃO DOS FRANCESES
O governo francês recomendou nesta sexta-feira a retirada "de forma preventiva" das próteses mamárias da marca PIP de cerca de 30 mil mulheres na França, embora tenha esclarecido que não há provas de que estes implantes - que foram exportados a diversos países da Europa e da América Latina, inclusive ao Brasil - aumentem os riscos de câncer.
O governo francês insistiu que não se trata de uma emergência
"Por prevenção e sem caráter de urgência, (as autoridades francesas) desejam que a retirada das próteses, mesmo sem evidências clínicas de deterioração do implante, seja oferecida às mulheres", anunciou o ministério da Saúde em um comunicado.
Os especialistas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) informaram suas conclusões na quinta-feira ao governo francês.
"Até este momento, não constatamos um risco maior de câncer em mulheres com próteses da marca PIP comparado com outras próteses", disseram. Um total de 8 casos de câncer foram relatados na França em mulheres que tiveram problemas com implantes PIP, mas nenhuma ligação de causalidade foi estabelecida.
Cerca de 30.000 mulheres na França implantaram próteses mamárias da marca PIP. Algumas delas foram preenchidas com um gel de silicone impróprio para o uso medicinal, o que provoca um aumento do risco de ruptura e vazamento do envelope da prótese, de acordo com o governo francês.
Os custos relativos à eventual retirada destes implantes serão pagos pelo Estado, assegurou o governo.
"Caso não queiram explantá-lo, serão beneficiadas por um acompanhamento por ultrassonografia mamária e axilar a cada 6 meses", acrescentou o ministério.
"Diante da ausência de novas provas sobre o silicone ou de novos dados clínicos sobre complicações específicas, os especialistas acreditam não terem provas suficientes para sugerir a remoção sistemática desses implantes como medida preventiva", no entanto, apoiam a expertise coletiva coordenada pelo INCA.
O governo francês insistiu que não se trata de uma emergência
As autoridades sanitárias, contudo, apontam "riscos claros" de "ruptura" e "do poder irritante do gel de silicone, que pode causar reações inflamatórias".
As próteses mamárias da empresa francesa Poly Implant Prothèse (PIP) estão no centro de um escândalo há algumas semanas, e na Grã-Bretanha 250 mulheres entraram com um processo depois que ao menos a metade delas teve problemas com as próteses de mama fabricadas pela PIP.
Antes da falência da empresa, em março de 2010, as exportações da PIP representavam 84% da sua atividade. Eram produzidos cerca de 100 mil implantes anualmente.
Entre os principais mercados está a América do Sul (Venezuela, Brasil, Colômbia e Argentina, principalmente), que comprava mais de 58% do que era exportado em 2007 e 50% em 2009.
No entanto, desde a primavera de 2010, com o alerta das autoridades francesas em relação a um processo de fabricação impróprio, o Chile, a Venezuela e o Brasil ordenaram a retirada dos implantes de PIP de seus mercados.
Cerca de 10.000 próteses da PIP foram retirados do mercado do Brasil, enquanto 25.000 mulheres brasileiras ainda utilizam estes implantes, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).
No Reino Unido, a agência que monitora produtos médicos estima que entre 40.000 e 50.000 mulheres usam implantes desta marca. Mas fez um apelo para que elas "não entrem em pânico", já que não há nenhuma evidência da ligação entre os implantes e a ocorrência de câncer que justifique a remoção das próteses.
O QUE DIZEM OS INGLESES
Os investigadores suspeitam que a empresa tentou reduzir os custos utilizando o gel de silicone, economizando assim um milhão de euros por ano. Desde então, mais de 2.000 mulheres apresentaram queixas em Marseille, no sudeste da França.
As autoridades britânicas da Saúde anunciaram nesta sexta-feira que o governo do Reino Unidos não recomenda a remoção dos implantes mamários produzidos pela empresa francesa PIP, utilizados por 42.000 mulheres no país, posição contrária à adotada pela França.
Nesta sexta-feira o ministério francês da Saúde recomendou que as mulheres que possuem a prótese façam a operação de retirada, mesmo sem ter provas suficientes que comprovem o aumento do risco de câncer.
O ministro da Saúde, Andrew Lansley, disse à rede de televisão BBC que as autoridades médicas britânicas "não têm evidências da relação do uso das próteses com a incidência de câncer".
"Não temos provas da toxicidade, nem evidências da existência de uma diferença substancial quanto à ruptura dos implantes em comparação com outros produtos", afirmou.
Sally Davis, do serviço de saúde pública, ressaltou que, "apesar de respeitar a decisão do governo francês, nenhum outro país seguirá o mesmo caminho por não existirem evidências que sustentem tal determinação".
"Por esta razão, e porque a remoção de implantes também representa risco, não recomendamos essa operação agora".
O governo francês insistiu que não se trata de uma emergência, mas recomendou que as 30.000 mulheres que usam os implantes de PIP façam a remoção.

NOTA DO BLOG
Na verdade as mulheres ficam sem saber o que realmente é verdade nesta situação, parece briga do Capeta com o Diabo. Gastam dinheiro com pesquisas, colocam o produto no mercado e depois dizem que são prejudiciais à saúde humana, porque não viram isto antes?

2 comentários:

  1. Nada disto é novidade. A ganância se manifesta desta forma sempre. Vejam quantos remédios consumidos há décadas estão sendo divulgados os malefícios ultimamente. Fazem milhares de vítimas e nada acontece.

    ResponderExcluir
  2. Tenho pena de quem colocou o implante para reparar uma doença, mais das mulheres que ficaram "bombadas" não tenho pena vão pagar, talvez, com uma doença que provavelmente não teriam. Olha o que nos leva à vaidade!

    ResponderExcluir