Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

OS INTERESSES OCULTOS POR DETRÁS DOS TRANSGÊNICOS

A filosofia dos transgênicos na cadeia alimentar se baseia na melhora das espécies utilizadas, a fim de que sejam mais perduráveis e mais resistentes aos agentes externos. A engenharia genética é a ciência que manipula sequências de DNA modificando os genes que introduzem estas transformações.
À medida que transcorre o tempo e os transgênicos se espalham pelos campos de muitos países em vias de desenvolvimento, a ciência foi em seu encalço tentando averiguar as consequências que esta expansão pode ter, não só no meio ambiente, mas também na saúde humana.
O poder das multinacionais
Recentemente, foram realizadas em Madri as Jornadas Científicas Internacionais sobre Transgênicos, nas quais estiveram presentes ONGs como Amigos da Terra, Greenpeace, Ecologistas em Ação e Plataforma Rural, além de cientistas vindos de diferentes pontos da Europa.
David Sánchez Carpio, responsável pela Área de Agricultura da Amigos da Terra, assinala quais foram as conclusões deste encontro. "Escutamos as últimas pesquisas feitas por cientistas europeus e confirmamos que há motivos com base científica sobre os impactos dos transgênicos sobre o meio ambiente; os prejuízos que gera sobre os insetos, os solos, além das dúvidas que cria sobre os impactos que possa ter sobre a saúde. Já há evidências dos danos que produz sobre animais de laboratório em órgãos como rim e fígado. Assim, pois, existem provas científicas suficientes para aplicar o princípio de precaução", disse.
Filosofia dos transgênicos na cadeia alimentar se baseia na melhora das espécies utilizadas
(Foto: EFE)
A crise alimentar que afeta o planeta há anos permitiu a determinadas multinacionais acumular lucros recordes, ao aumentar de forma exponencial o preço das sementes transgênicas e dos agroquímicos que vendem aos agricultores.
Sobre o papel destas empresas, David assinala: "São lobbys que exercem muito poder, tanto em nível de Governos como na pesquisa universitária, já que para os cientistas é muito difícil conseguir fundos dedicados a sua pesquisa. Quase toda a indústria, e muitos cientistas afins a esta indústria, exercem grande pressão no mundo acadêmico".
Estas multinacionais que espalharam imensos campos de cultivos, suplantando a agricultura tradicional em países em vias de desenvolvimento, foram relacionadas, em muitas ocasiões, com interesses políticos.
"Comprovamos isso quando foram divulgados os documentos no Wikileaks. Comprovamos que os transgênicos não tentam fazer melhoras para os agricultores, mas se trata de um tema de política externa americana que favorece as multinacionais", afirma o responsável da ONG.
David ressalta que "nos documentos se pode ler como embaixadas americanas em países africanos mais permeáveis, como a Nigéria, estão pressionando para que haja mudanças nas leis que permitam a entrada de transgênicos e que o estão conseguindo. No final, é tudo interesse político e empresarial, e ninguém está pensando nos grandes desafios que temos pela frente, que são a agricultura e a alimentação do mundo".
Cientistas na busca de respostas
Carmen Jaizme-Vega é doutora em ciências biológicas, diretora do Departamento de Proteção Vegetal do Instituto Canário de Pesquisas Agrárias (ICIA) e apresentou nas Jornadas Científicas Internacionais sobre Transgênicos sua própria experiência e as conclusões de seus estudos científicos.
A doutora explica qual é o objetivo da transgenia: "Os transgênicos são a aplicação de uma biotecnologia sobre as plantas a fim de adaptá-las a um meio, ou de melhorar sua atitude frente a uma doença ou estresse. Para isso transferem (transgenia) para elas o gene de outro ser vivo, que no caso das plantas transgênicas mais usadas não se trata de um gene de outra planta, mas o gene de um organismo, de um bacilo ou bactéria. Esse é o problema da plantas transgênicas que são consumidas".
Os resultados que se querem obter mediante este processo de laboratório, explica Carmen, são "a melhora do fortalecimento da planta e que seu cultivo seja o menos problemático possível. Em alguns casos, por exemplo, que se gaste menos em inseticidas".
O problema é que ainda não se demonstrou que seu consumo não afete a saúde do ser humano, porque, como assinala a doutora, "os efeitos prejudiciais podem acontecer a longo prazo, mas não há pesquisa responsável que demonstre que as plantas transgênicas sejam más para seu consumo. O que há são evidências científicas que são prejudiciais para o meio ambiente porque esses genes que passam de uma espécie para outra são liberados no solo, na matéria orgânica e se introduzem na cadeia trófica".
Ela afirma taxativamente: "Os pesquisadores que defendem os transgênicos fizeram experimentos, mas nós não confiamos em seus resultados porque nem têm o tempo suficiente, nem foram feitos nas condições que consideramos que têm que ter. Também não nos deixam investigar livremente, porque se tivéssemos as mesmas oportunidades, talvez, não estaríamos falando assim, simplesmente confrontaríamos os resultados".
"O mundo científico se movimenta igual ao não científico, ou seja, por interesses econômicos e políticos. Às vezes, inclusive, pela própria vaidade do cientista. Estas sementes patenteadas fazem parte do negócio de algumas multinacionais. São um comércio e os comércios em toda parte do mundo e em todos os momentos da humanidade têm suas normas. Por isso, nós, neste momento, somos uma minoria", lamenta Carmen.
Quanto à atitude da população frente ao consumo passivo destes cultivos, aos quais muitas vezes se tem acesso sem conhecer sua origem, Carmen opina que, "os cientistas têm que ser honestos, não transmitir uma mensagem de catástrofe nem radical dizendo que todos os transgênicos são maus, porque não é verdade. A insulina que é derivada de uma transgenia não é má. O ruim é a liberação de transgênicos no meio ambiente sem se ter conhecimento".
Para a cientista, em ciências biológicas existe, no entanto, uma mudança substancial na atitude das pessoas. "Eu sei que há uma maquinaria econômica e empresarial que não liga para ninguém, mas as pessoas estão cada vez mais críticas porque estão muito decepcionadas. O próprio desânimo que criou esta crise econômica fez com que o povo esteja desconfiado e questione. É o momento em que nós podemos fornecer informação ou, embora seja, a incerteza."
Fonte: EFE

2 comentários:

  1. É uma barbaridade! Nós povo, somos impotentes para banir essa cambada de insensíveis que nos iludem com seus inventos para satisfazerem suas ambições desmedidas. Está muito difícil crer em algo bom neste planeta!

    ResponderExcluir
  2. Nós somos como ratos de laboratório, cobaias humanas, nas mãos destes inescrupulosos que possuem o poder de manipular tudo.

    ResponderExcluir