Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

DROGA EXPERIMENTAL PARA ELIMINAR O TECIDO ADIPOSO

Uma droga experimental reduziu o peso de macacos obesos em 11%, em apenas um mês, e está sendo vista como a nova promessa para combater a obesidade em humanos, informaram pesquisadores nesta quarta-feira.
A droga, conhecida como Adipotide, funciona atacando o fluxo de sangue para certo tipo de gordura, conhecida como tecido adiposo branco, que tende a se acumular sob a pele e em torno da barriga.
A droga, conhecida como Adipotide, funciona atacando
o fluxo de sangue para o adiposo branco
A maior parte dos medicamentos contra o excesso de peso se concentra na redução do apetite, no aumento do metabolismo ou na prevenção da absorção da gordura.
A pesquisa, realizada pelo Centro de Câncer MD Anderson, da Universidade do Texas, se revelou ainda mais promissora em ratos de laboratório, que perderam 30% do peso durante os testes.
"A maioria das drogas contra a obesidade falha na hora de corresponder os efeitos entre roedores e primatas", explicou Renata Pasqualini, uma das autoras do estudo, em declarações à revista Science Translational Medicine.
Os macacos utilizados no estudo ganharam peso de forma natural, comendo à vontade e deixando de fazer exercícios.
Sua perda de peso foi registrada nas primeiras três semanas de tratamento, com um leve aumento na quarta semana. Em média, houve redução de 11% da massa total ao final do período.
A droga, criada pelo MD Anderson, "se une à uma proteína localizada na superfície dos vasos sanguíneos da gordura, e contém pépticos sincréticos que induzem à morte celular", destaca o estudo. "Quando se inibe a circulação sanguínea, as celulas adiposas são reabsorvidas e metabolizadas".
Outro sinal promissor é que os macacos tratados com a droga melhoraram sua resistência à insulina, sugerindo que ela pode evitar o desenvolvimento de diabetes do tipo 2.
Mas também foram registrados alguns efeitos nocivos nos rins, que podem ser evitados com a redução da dose administrada.
O financiamento da pesquisa ficou a cargo dos Institutos Nacionais de Saúde e do Instituto Nacional do Câncer.
Fonte: AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário